Inglesa cria site para reunir relatos de sexismo, recebe oito mil posts e é ameaçada de morte


http://www.everydaysexism.com/

T. estava em um encontro quando, lá pelas tantas, o casal começou a falar sobre carreira. Sem rodeios, seu “ficante” disse que o fato de ela trabalhar o incomodava. E completou afirmando que todo o investimento profissional de T. era um desperdício, já que mais cedo ou mais tarde ela viraria uma dona de casa, com filhos para tomar conta.

Diferentemente do que pode parecer, o encontro não aconteceu há muito tempo, quando ainda se acreditava que a única opção das mulheres era cuidar da casa, do marido e dos filhos. Foi há poucos meses. Mais espantoso ainda é que o caso de T. não é exceção. Prova disso é o site em que a história dela foi postada, o The Everyday Sexism Project (em inglês), que reúne relatos sobre sexismo, a discriminação baseada em gênero.

No ar desde abril de 2012, o site já tem mais de oito mil posts. Ele foi criado pela escritora inglesa Laura Bates, de 26 anos. “Eu presenciava muitas situações de sexismo e resolvi perguntar às minhas amigas se também acontecia com elas”, conta. “Achei que elas responderiam: ‘sim, uma vez’, ou ‘aconteceu comigo no ano passado’. Mas todas disseram: ‘sim, passei por isso ontem’, ou ‘todo dia acontece’, ou ‘rolou no meu caminho para cá’”, diz.

Laura percebeu que o problema era maior do que imaginava. E, ainda assim, muitas vezes passava despercebido. “Quando as mulheres tentam falar sobre isso, ouvem que estão exagerando, que não é importante ou que deveriam aceitar aquilo como um elogio”, afirma. Para dar visibilidade ao sexismo e provocar discussões sobre o assunto, ela decidiu fazer o Everyday Sexism. “Colocando essas vozes juntas, quero criar uma voz coletiva para chamar atenção para essa questão”.
Veja alguns dos relatos postados recentemente no The Everyday Sexism Project, em tradução livre:

“Quando eu tinha 7, 8 anos, pedi ao meu pai que me levasse aos jogos de futebol do nosso time. Fui com ele algumas vezes e adorava, mas depois ele passou a levar somente o meu irmão. Ele me disse que ‘futebol não é para meninas’”Hayley (11.10.2012)

“Na faculdade de Direito, meu professor perguntou em quais empresas gostaríamos de trabalhar. Eu respondi e, com um sorriso, ele me disse: ‘ah, claro. Eles gostam de loiras’. Eu tirei uma das maiores notas da minha turma e consegui o trabalho depois de vários testes. Mas, obviamente, nada disso importava. Tudo que sou é loira”. Charlotte (10.10.2012)

“Em uma aula do meu mestrado em poesia, sugeri a uma colega que lesse uma poetisa que escrevia sobre o mesmo tema que ela. Minha colega respondeu: “Não leio poetas mulheres”. Pupsicle (10.10.2012)

“Acho que sou um dos poucos homens a postar aqui. Mas, uma vez, meu pai, que é meio ortodoxo, ficou com raiva porque eu não quis ajudá-lo com algo e, depois que discutimos, ele me disse que eu era pior que uma mulher”.Irtaza (10.10.2012)

“Uma amiga que é solteira estava comprando um carro quando perguntaram se ela havia discutido sobre aquilo com o marido ou o namorado. Aparentemente, mulheres são incapazes de tomar sozinhas uma decisão como essa”. S. (10.10.2012)

Com a ajuda de um amigo webdesigner, Laura colocou o site no ar em uma semana. Ela começou divulgando a ideia no Twitter (@EverydaySexism) e em sua página no Facebook. Hoje, o Everyday Sexism recebe cerca de 200 mensagens por dia pelo microblog ou pelo próprio site, que oferece um espaço específico para os relatos na página inicial.
Segundo Laura, as mensagens vêm do mundo todo e o idioma não é uma barreira. “Algumas vezes, as pessoas me mandam relatos no Twitter em japonês ou em outra língua estrangeira. Eu traduzo com a ajuda da internet e coloco no site”.
Para evitar inibições, não há espaço para comentários e as postagens podem ser anônimas. As histórias tem de ser aprovadas pela escritora antes de serem publicadas. Mas nem sempre foi assim. No começo, os relatos podiam ser postados por qualquer um. Até que, uma noite, menos de quinze dias após Laura ter criado o site, ela tuitou uma mensagem para Lady Gaga, esperando que a cantora a retuitasse.
No dia seguinte, havia centenas de e-mails na caixa de entrada em que a escritora recebia os avisos de postagem. A princípio, ela pensou que tinha conseguido ser citada por Gaga e, assim, chamado a atenção de alguns dos milhões de seguidores da cantora. Mas quando abriu as mensagens, teve uma surpresa.
“Eram xingamentos, descrições de violência doméstica horríveis, pessoas fingindo ser eu e postando mensagens sobre sexo, posts racistas, ameaças de estupro e de morte”, conta. As agressões continuaram por semanas. “Passaram a me perseguir na internet. Uma pessoa descreveu como conseguiria me rastrear, dizendo que me mataria. Tive de ir à polícia”.
A polícia inglesa descobriu que as mensagens vinham de um computador nos Estados Unidos e, por isso, não poderia fazer nada. Porém, coincidentemente, as ameaças pararam de chegar na mesma época. Hoje, Laura só recebe o que considera “protestos normais”, como um homem que mandou um e-mail há alguns dias dizendo que ela está enganada, que sexismo não existe mais.
Apesar de tanto mulheres quanto homens poderem ser vítimas desse tipo de preconceito, o site de Laura é direcionado aos depoimentos femininos. “Há um desequilíbrio de poder entre os dois gêneros e acho que isso dá um peso maior aos incidentes que acontecem com elas”, explica a escritora.
No entanto, Laura faz questão de deixar claro que as mulheres podem ser tão ou mais sexistas do que os homens com relação a outras mulheres. O objetivo do Everyday Sexism não é colocar os dois gêneros em lados diferentes. “Também não é um site para criticar as pessoas sexistas. Às vezes, todos nós somos, inclusive eu. Isso não significa que sejamos maus, mas sim que crescemos em uma sociedade em que há muitos preconceitos”, diz Laura.
Categorias: Sem categoria | 4 Comentários

Navegação de Posts

4 opiniões sobre “Inglesa cria site para reunir relatos de sexismo, recebe oito mil posts e é ameaçada de morte

  1. Meus relatos sexistas:

    Políticas públicas só para a saúde da mulher.

    Ter que ouvir futilidades (cosméticos, cirurgias, o que a vizinha fez ou deixou de fazer, novelas etc)

    Blog feministas, que só falam sobre questões relacionadas a mulher e que não admitem críticas (um verdadeiro fim em si mesmo).

    Milhares de revistas só para o público feminino.

    Marcha das vadias.

    Licença maternidade de 6 meses e licença paternidade de 5 dias.

    Desnecessidade da mulher trabalhar logo cedo, cabendo ao homem tal mister, o que prejudica os estudos dele.

    Desnecessidade da mulher servir o exército.

    Foro privilegiado para mulher na justiça para ações de separação e divórcio.

    Editora de livros que só publica textos femininos (se fosse o contrário…).

    Eventos que só discutem a situação da mulher no mundo e como se política e economia não intervissem em nada.

    Trabalhar 5 anos menos para poder se aposentar.

    Ter que discutir a relação toda hora, desrespeitando a absoluta desnecessidade que o homem sente disso.

    A necessidade de ter coisas, eventos, objetos e qualquer coisa exclusiva para mulheres.

    A reivindicação de direitos, sem, entretanto, arcar com os deveres a eles correlatos.

    Vitimização.

    Sempre ter que dar prioridade para a mulher, como sinal de educação.

    Quando jornalistas dizem que há 50 mortos, eles enfatizam que entre as vítimas existiam mulheres e crianças, como se a vida do homem valesse menos.

    A necessidade de falar delas como gênero, de defender-se como gênero e de relacionar qualquer coisa que a desagrade ou qualquer insucesso que tenha com questões sexistas.

    O fato delas amaldiçoarem a importância que os homens dão à beleza, mas ao mesmo também quererem homens que as encham de conforto ou segurança ou dinheiro, relevando assim que são tão ou mais interesseiras do que a gente.

    Dissimulação.

    Quando se acham o centro do universo (todo minuto).

    Culpar o homem por tudo o que não dá certo, mesmo sendo conivente com as atitudes dele, e se vangloriar quando o homem faz uma boa coisa (atrás de um grande homem há sempre uma mulher mimimimi).

    A constante e irracional insatisfação feminina.

    O fato das mulheres se odiarem ou criarem rugas de forma desnecessária.

    Ouvir falar no sexto sentido feminino, como se eu fosse um inútil.

    Ouvir sobre os sentimentos femininos, como se eu não tivesse nenhum ou como se os meus valessem menos.

    Ter que dialogar toda a hora.

    Quando a mulher se indigna e faz barraco com qualquer comentário feito por um homem sendo que o mesmo comentário se dirigido a um homem provoca risos ou é simplesmente ignorado.

    Ser vítima da TPM quando o botão do foda-se está ligado =p

    Resumidamente é isso.

    • O fato de vc. ter escrito este comentário, por si só, é prova de mágoas represadas que precisam ser discutidas…portanto, seu “desrespeitando a absoluta desnecessidade que o homem sente disso” te contradiz. Vc. também se contradiz com o item: “Ouvir sobre os sentimentos femininos, como se eu não tivesse nenhum ou como se os meus valessem menos”. Vamos discutir seus sentimentos hoje. E depois os meus também, lógico.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Kate Gale: A Mind Never Dormant

The life of a writer/editor

Biblioteca Florestan

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP

Photography Art Plus

Photography, Animals, Flowers, Nature, Sky

Logical Quotes

Logical and Inspirational quotes

Violet's Veg*n e-Comics

Virtual Vegan Comics for Children

Cafe Book Bean

Talk Books. Drink Coffee.

marioprata.net

Site oficial do escritor Mario Prata

Sabiscuit's Catalog

I can't eat biscuits, but I have a better idea ...

Eric Schlehlein, Author/Freelance writer

(re)Living History, with occasional attempts at humor and the rare pot-luck subject. Sorry, it's BYOB. All I have is Hamm's.

Through Open Lens

Home of Lukas Kondraciuk Photography

OldPlaidCamper

The adventures of an almost outdoorsman...

PROVERBIA

"Crítica Social, Lírica y Narrativa"

The top 10 of Anything and Everything!!!

The top 10 of just about anything everything, from cakes to cats and dogs to caravans. Always a laugh, always worth seeing.

Authors, Artists, Geeks, Husbands

DaniellaJoe's Blog

crochet is my favorite fiber art and my goal is to become a real artist...

Blog do Kaizen: Seu espaço de saúde e bem estar

Opinião Central

Opinião Central - seu Blog de Arte, Filosofia e Cultura Pop

Espaço Pura Luz

Portal de Conhecimento

Canal Meditação

Ensinamentos sobre meditação e espiritualidade.

Espaço Virya

Atividades físicas e psicofísicas

Matheus de Souza

Escritor, Empreendedor e Growth Hacker

CorpoInConsciência

consciência corporal corpo inconsciência integração equilíbrio resistência alongamento respiração alimentação consciência

ICI & LA NATURE PICTURES

Walk and Bike in France. www.icietlanature.com

For the pleasure of Govinda

Art and craft for the soul

In punta di piedi

Entra in punta di piedi e spia nel buco della serratura

Daily Rock Report

Because you like it hard and Loud.

Pa-Kua Minas Gerais

Escola destinada ao ensino de práticas orientais

Ambiente Consultoria

Consultor em feng shui

In the Dark

A blog about the Universe, and all that surrounds it

Humor de Mulher!

Um pouco do que gosto, sinto e penso!

Candilejas

Fotoblogueando desde Panamá

Attenti al Lupo

www.attentiallupo2012.com

Lusty Writer

Explore the fun side of the world.

Katzenworld

Welcome to the world of cats!

We. See Hope

'Expect With Confidence. Never Give Up Hope. It's Just The Beginning'

Aurora

...porque me falta espaço!

Devine Decorating Results for Your Interior

Interior design ideas, tips & tricks, plus before & after images

La Audacia de Aquiles

"El Mundo Visible es Sólo un Pretexto" / "The Visible World is Just a Pretext".-

Daily (w)rite

A DAILY RITUAL OF WRITING

Spirituality Exploration Today

Delving into the cross roads of rationality and intuition

Não Sou Exposição

Questionamentos sobre imagem corporal, amor próprio, saúde e comida.

%d blogueiros gostam disto: