Manual da gentileza indica como viver melhor em SP


A plataforma está lotada. O metrô chega, os vagões também estão cheios. As portas se abrem e a luta começa. Ninguém consegue sair, ninguém consegue entrar: na ânsia por não perder o trem, os passageiros da plataforma começam um embate físico com os do vagão.

É difícil encontrar quem ande de metrô em São Paulo e nunca tenha vivido uma cena como essa. Ou quem ande na rua e não tenha visto alguém jogar lixo no chão, esbarrar em outro pedestre sem pedir desculpas ou parar no meio de uma calçada movimentada para atender o celular.

Em uma cidade onde até as regras mais simples e lógicas de convivência –como deixar as pessoas saírem antes de entrar– são constantemente ignoradas, é fácil estampar no paulistano os rótulos de rude e apressado. Mas se a lista de grosserias na metrópole é imensa, a de gentilezas também é.

Apesar da ideia geral do caos e individualismo, um olhar de perto revela a existência de inúmeras boas práticas urbanas, segundo o antropólogo José Guilherme Cantor Magnani, coordenador do NAU (Núcleo de Antropologia Urbana da USP).

“Boa prática é aquela da troca, do contato, da verdadeira convivência –que permite dar, receber e retribuir.”

sãopaulo ouviu psicólogos, síndicos, urbanistas, especialistas em etiqueta e paulistanos engajados para saber: como agir para melhorar a convivência na cidade?

A fisioterapeuta Evelin Scarelli é uma das pessoas que se propõem a tornar a cidade mais gentil. No seu aniversário de 25 anos, na semana retrasada, ela reuniu 15 amigos no parque Ibirapuera, zona sul, e saiu distribuindo presentes para desconhecidos. Desconfiadas, as pessoas perguntavam: “Mas é de graça?”, “É uma ação publicitária?”.

GENTILEZAS
Veja quais são as pequenas atitudes que fazem o cotidiano ficar mais aceitável
Escritório
Internet
Vizinhos
Cinema
Trânsito
Restaurante
Cotidiano

A ideia na verdade era dividir com os amigos uma experiência que Evelin já vive no dia a dia.

Depois que se recuperou de um câncer diagnosticado há um ano, ela começou a distribuir lenços para esconder a falta de cabelo a outras vítimas da doença. Depois, passou a incentivar outras mulheres a fazer o mesmo.

Assim como quem recebeu os presentes de Evelin, a hoteleira Vivian Siqueira, 31, tem se surpreendido com a boa vontade alheia. No ano passado ela teve um problema no joelho e, incapaz de dobrar a perna, começou a usar muletas na rua. E viu-se cercada por uma legião de boa vontade.

Desde então, os carros sempre param para Vivian atravessar, os vizinhos ajudam a levar compras para o apartamento, alguém sempre se levanta para ela sentar. “Na correria de São Paulo, a gente imagina que as pessoas não tenham solidariedade. Mas comigo não está sendo assim.”

CONTE ATÉ DEZ

A mesma pessoa que dá o lugar para Vivian na fila do supermercado pode ser a que impediu a saída dos passageiros no metrô 15 minutos antes, explica a professora da PUC-SP Marlise Bassani, especialista em psicologia ambiental e qualidade de vida.

“A não ser em casos patológicos, não existem pessoas que são sempre agressivas e outras que são o tempo todo gentis.” Marlise afirma que tornar a convivência melhor não é apenas uma questão de altruísmo, mas de treino.

Trânsito caótico, problemas no condomínio e no trabalho são fatores de estresse para qualquer pessoa.

“É normal ter raiva. Mas é preciso treinar para responder de maneira menos agressiva”, afirma a psicóloga.

Em maio, o governo estadual aderiu ao programa “Conte Até 10”, criado no ano passado pelo Ministério Público. O objetivo da campanha é justamente evitar crimes cometidos por impulso e impedir que atritos do cotidiano se transformem em histórias trágicas –como a do empresário que matou os vizinhos por causa de constantes brigas por barulho. O crime aconteceu na semana passada no condomínio de alto padrão Bosques de Tamboré, na Grande São Paulo.

ESPAÇOS COMPARTILHADOS

Mas, se o confronto de interesses entre vizinhos é inevitável, o desfecho pode ser positivo. Quando se mudou para seu atual apartamento em Higienópolis, região central, a apresentadora Adriane Galisteu, 40, começou uma reforma apenas nos horários permitidos pelo condomínio.

Mesmo assim, Jô Soares, que mora no mesmo prédio e acorda tarde, ficou incomodado. Galisteu então mudou o horário das obras, coisa pela qual Jô a agradeceu em seu programa.

“Ele foi um querido. Depois até mudamos a norma do condomínio proibindo obras muito cedo”, conta ela.

Outro caso foi vivido pela administradora de empresas Cecília Lotufo, 38. Criadora do Movimento Boa Praça, ela recupera praças e promove piqueniques com ajuda de outros moradores da Lapa e de Alto de Pinheiros.

Um vizinho certa vez apareceu revoltado durante um evento, reclamando de objetos de madeira que faziam parte de um trabalho de estudantes de arquitetura na praça. Conversando com paciência, Cecília conseguiu explicar todo o projeto. “O cara se envolveu tanto que agora virou frequentador dos piqueniques.”

“Os espaços públicos são tão poucos perante a dimensão da cidade que é natural que se dispute cada centímetro”, diz o arquiteto Ciro Pirondi, diretor da Escola da Cidade. Ele também cita como exemplo a praça Roosevelt, reinaugurada ano passado. Atritos entre moradores do entorno e skatistas acabaram em um acordo delimitando a área que os esportistas podem usar.

Segundo Magnani, reocupar o espaço público é o que ajuda a aumentar as boas práticas urbanas. Ele diz que a cidade precisa de mais eventos como a Virada Cultural e a bicicletada. “Não quer dizer que não haja conflito, mas é ali que a convivência se dá. [Esses eventos] ajudam as pessoas a se acostumarem com a vida pública”, diz.

O produtor cultural Lucas Pretti, 29, idealizador do festival BaixoCentro, concorda e dá exemplo. Em uma edição do festival, uma tela de cinema foi montada embaixo do Minhocão, onde não havia tomada. Foi quando Gabriel e seu pai, que moram em um prédio ao lado, ofereceram a tomada do seu apartamento. “Eles podiam reclamar do barulho, mas resolveram ajudar. Foi incrível”, diz Pretti.

BOM NEGÓCIO

Atos como esse têm sido incentivados até por empresas. É o caso da Porto Seguro, que desde 2009 tem a campanha “Trânsito+gentil”, e do café Ekoa, na Vila Madalena, zona oeste, que incentiva o cliente a deixar um café pago para o próximo freguês.

Mesmo que a publicidade não cause mudanças efetivas, ela melhora a imagem da empresa, segundo João Matta, do curso de publicidade e propaganda da ESPM. “Mas é preciso ser consistente. Fica hipócrita uma marca que não tem ações cidadãs ter o discurso de ‘vamos ajudar a cidade.'”

Algumas se propõem elas mesmas a promover melhorias –como as que adotam praças e canteiros. Já a incorporadora Huma vende uma ‘gentileza arquitetônica’ como diferencial do seu primeiro empreendimento, na Chácara Kablin. O muro do prédio será recuado e vai haver um jardim e um banco de praça abertos para a rua, que todos poderão usar.

E você, leitor, quando fará sua próxima gentileza?

———–

Não sabe o que fazer caso outro passageiro esteja escutando música alta no ônibus? Ou não quer papo com o taxista? Veja algumas dicas de boas maneiras nestas situações:

Devo chamar a atenção de quem joga lixo na rua?
Se faça de desentendido e pergunte: “Você deixou cair uma coisa sua aqui. Quer que eu pegue pra você?”.

Um sujeito está ouvindo música alta no ônibus
Peça educadamente para ele desligar o som e lembre-o que aparelhos sonoros são proibidos na condução.

Vou sair do ônibus lotado e estou longe da porta
Já que esbarrar nas pessoas é inevitável, peça licença e desculpas durante todo o caminho.

GENTILEZAS
Conheça o Manual da Convivência Urbana
Escritório
Internet
Vizinhos
Cinema
Restaurante
Cotidiano

Não lembro o nome da pessoa que está me cumprimentando
Não prolongue a conversa para ela não perceber. Ou simplesmente diga: “Desculpe, seu nome me fugiu”.

Não quero papo com o taxista
Sorria e dê respostas monossilábicas. Ou peça licença e coloque fone de ouvido. Não seja grosso, ele vai perceber que você quer ficar em paz.

Saí de casa correndo. Posso me maquiar no metrô?
Sim. Mas o vagão não é o banheiro da sua casa ninguém é obrigado a ver você cortando as unhas, fazendo a sobrancelha ou limpando o ouvido.

Fui fechado no trânsito
Respire fundo e conte até dez. O segundo de distração em que você coloca a cabeça pra fora do carro para xingar pode resultar em acidente.

Por que dar seta se não há nenhum carro atrás do meu?
A seta é uma orientação também para pedestres e ciclistas. Não custa nada e evita atropelamentos.

Deixo o carro da outra faixa entrar na frente?
O trânsito flui melhor quando as pessoas são cordiais. Gentileza e respeito são regras básicas, não exceções.

Como reajo a uma cantada?
Se sentir que está segura, tem todo o direito de exigir mais respeito. Mas se achar que a pessoa pode ser violenta, ignore e siga em frente.

Fontes: Elizabeth Munhoz, supervisora do departamento de educação na rua da CET; Claudia Matarazzo, autora do livro “Etiqueta sem Frescura” (Editora Planeta do Brasil, 304 pág., R$34,90) e Célia Leão, consultora de etiqueta

Categorias: Notícias e política, People, Saúde e bem-estar | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Kate Gale: A Mind Never Dormant

The life of a writer/editor

Biblioteca Florestan

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP

Photography Art Plus

Photography, Animals, Flowers, Nature, Sky

Logical Quotes

Logical and Inspirational quotes

Violet's Veg*n e-Comics

Virtual Vegan Comics for Children

Cafe Book Bean

Talk Books. Drink Coffee.

marioprata.net

Site oficial do escritor Mario Prata

Sabiscuit's Catalog

I can't eat biscuits, but I have a better idea ...

Eric Schlehlein, Author/Freelance writer

(re)Living History, with occasional attempts at humor and the rare pot-luck subject. Sorry, it's BYOB. All I have is Hamm's.

Through Open Lens

Home of Lukas Kondraciuk Photography

OldPlaidCamper

The adventures of an almost outdoorsman...

PROVERBIA

"Crítica Social, Lírica y Narrativa"

The top 10 of Anything and Everything!!!

The top 10 of just about anything everything, from cakes to cats and dogs to caravans. Always a laugh, always worth seeing.

Authors, Artists, Geeks, Husbands

DaniellaJoe's Blog

crochet is my favorite fiber art and my goal is to become a real artist...

Blog do Kaizen: Seu espaço de saúde e bem estar

Opinião Central

Opinião Central - seu Blog de Arte, Filosofia e Cultura Pop

Espaço Pura Luz

Portal de Conhecimento

Canal Meditação

Ensinamentos sobre meditação e espiritualidade.

Espaço Virya

Atividades físicas e psicofísicas

Matheus de Souza

Escritor, Empreendedor e Growth Hacker

CorpoInConsciência

consciência corporal corpo inconsciência integração equilíbrio resistência alongamento respiração alimentação consciência

ICI & LA NATURE PICTURES

Walk and Bike in France. www.icietlanature.com

For the pleasure of Govinda

Art and craft for the soul

In punta di piedi

Entra in punta di piedi e spia nel buco della serratura

Daily Rock Report

Because you like it hard and Loud.

Pa-Kua Minas Gerais

Escola destinada ao ensino de práticas orientais

Ambiente Consultoria

Consultor em feng shui

In the Dark

A blog about the Universe, and all that surrounds it

Humor de Mulher!

Um pouco do que gosto, sinto e penso!

Candilejas

Fotoblogueando desde Panamá

Attenti al Lupo

www.attentiallupo2012.com

Lusty Writer

Explore the fun side of the world.

Katzenworld

Welcome to the world of cats!

We. See Hope

'Expect With Confidence. Never Give Up Hope. It's Just The Beginning'

Aurora

...porque me falta espaço!

Devine Decorating Results for Your Interior

Interior design ideas, tips & tricks, plus before & after images

La Audacia de Aquiles

"El Mundo Visible es Sólo un Pretexto" / "The Visible World is Just a Pretext".-

Daily (w)rite

A DAILY RITUAL OF WRITING

Spirituality Exploration Today

Delving into the cross roads of rationality and intuition

Não Sou Exposição

Questionamentos sobre imagem corporal, amor próprio, saúde e comida.

%d blogueiros gostam disto: