Arquivo do dia: 2 de julho de 2013

Giant internet surveillance project exposed


Leaked documents have blown the cover of a programme named Prism which allows the US government to spy on internet activity around the world. Should we fear for our freedom?

Q: What is Prism?


A: A project run by the US National Security Agency (NSA), an intelligence service which monitors and decodes communications. Prism is classified as top secret and few had heard of it until last week, when two newspapers – The Guardianand The Washington Post – published leaked documents revealing its existence to the world.

Q: And what do these documents show?

A: That the US government has been collecting information about our online activity with assistance from online giants like Google, Facebook, Apple and Yahoo for at least six years. A leaked slideshow indicates that the monitored activities include e-mails, videos, photos, logins and chat, among other things. Essentially, the USA is theoretically capable of watching almost anything you do on the internet and accessing any information you share. President Barack Obama confirmed the existence of Prism during a press conference on Saturday (although he dismissed the reporting of it as ‘hype’).

Q: That’s terrifying! So all emails and Google searches are being read by spies?

A: Not literally – there aren’t enough people in the world to monitor online activity as comprehensively as that, and the $20 million cost is too small for the government to be storing all the data they collect. What intelligence services can do is tap therouters which direct information between computers and servers and store that information on a database. Leaked files seem to show that almost three billion pieces of information from around the world were collected this way in a 30-day period ending in March.

Q: Where do Google and Facebook come into this?

A: Collecting the data isn’t always enough: encrypted information sent over the internet appears as an unintelligible jumble which would be no use to an intelligence agency at all. Interpreting the data requires a digital ‘key’, which is held by the companies themselves. The suspicion is that the nine internet companiesmentioned in the leaked documents have granted the government access to this key.

Q: What do the companies themselves say?


A: They all vigorously deny that they have given any government ‘direct access’ to their servers and insist that until this week they had not heard of Prism. Facebook CEO Mark Zuckerberg even goes so far as to describe the accusations as ‘outrageous’. But there is little doubt that these companies have cooperated with intelligence services to at least some extent – possibly by uploading data onto a separate server and giving the NSA access to that. Twitter is notably absent from the leaked documents.

Q: Are other governments in on the act?

A: The leaked documents suggest that some of the information has been passed on by other governments, including the UK. British Foreign Secretary William Hague refused to comment, saying that the government ‘can’t ever confirm or deny in public what Britain knows about’.

Q: Surely this stuff is illegal?


A: Surprisingly, it’s probably not. The USA has laws protecting intrusion into its own citizens’ private data, but the government is free to spy on foreigners. And Hague called the notion that the UK government had broken the law ‘fanciful nonsense’, saying that information was only gathered through rigorous procedures.

Q: Is it really such a surprise that we’re being spied on, then?


A: Perhaps not. A recent opinion poll suggested that 85% of Americans believe governments and businesses collect information on their internet use without consent, so in many ways this is predictable. But the scale of the programme, the collaboration of online companies and the ease with which governments can apparently monitor data has left many people shocked.

 

YOU DECIDE

ACTIVITIES

SOME PEOPLE SAY…

1. Would you be surprised to learn that your online activity was being collected by governments and big companies?

2. ‘If you are a law-abiding citizen you have nothing to fear… indeed you will never be aware of all the things those agencies are doing.’ Are you convinced by William Hague’s defence of governments which collect citizens’ data?

  1. Make a list of all of the things that you would be happy for the government to know about you. How much more could they learn from reading your Facebook, Google and email accounts?

2. Hold a class debate on the proposition: ‘Privacy is dead.’ Put it to a vote.

 

‘Sacrificing privacy is the price you pay for being on the web.’

WHAT DO YOU THINK?

WORD WATCH

BECOME AN EXPERT

Prism – A glass block constructed so that the surfaces are at an angle to one another. When a beam of light is shone through one of these surfaces, the light is refracted: in other words, it disperses according to its wavelength and divides into all the colours of the visible spectrum.

Routers – Built and owned by companies like Cisco, routers direct traffic from one server. They are like the crossroads of the internet.

Encrypted – Putting something into a format that prevents unwanted eavesdroppers from understanding it. Writing in code is a type of encryption, for instance. Online, it involves storing information that needs to be converted by an algorithm that isn’t publicly available.

Nine internet companies – Microsoft were the first to sign up in 2007. Since then, Prism has also developed links with Google, Yahoo, Facebook, Paltalk, Youtube, Skype, AOL and Apple.

A good summary of what we know about the story so far, from the New York Times.
A commentator in one of the newspapers that broke the story compares the US surveillance systems to those of China.
But here is Obama defending the project: you can’t have 100% security and 100% privacy at once, he says. (1:27)
An interesting analysis of what we can learn from the statements released by companies like Facebook and Google. ‘Great minds think alike, and so do great lawyers.’
Has the internet killed privacy?
A nice five minute description of how the internet works.

 

COMMENTS

0 Comments

    Categorias: Sem categoria | Deixe um comentário

    Em parceria, UOL transmite concerto da Osesp ao vivo nesta quinta (4)


    A partir das 20h45 desta quinta-feira (4), o UOL transmite ao vivo o concerto da Osesp (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo), direto da Sala São Paulo. A apresentação marca a estreia da parceria do UOL com a Fundação Osesp, e inícia a série Concerto Digital.

    Sob regência da nova-iorquina Marin Alsop, a orquestra apresenta composições de Mozart, Dvorák e Prokofiev. Confira o programa abaixo.

    O concerto conta ainda com o premiado solista de violino Stefan Jackiw.

    Após a exibição, o programa ficará disponível para os internautas na TV UOL. Além da apresentação, o UOL exibe entrevistas com os músicos sobre o repertório do concerto através do site www.tvuol.uol.com.br.

    Programa

    Sergei Prokofiev [1891-1953]
    Sinfonia nº 1 em Ré Maior, Op.25 – Clássica [1916-7]
    – Allegro
    – Larghetto
    – Gavotta: Non Troppo Allegro
    – Finale: Molto Vivace
    Duração: 15 minutos

    Wolfgang A. Mozart [1756-91]
    Concerto nº 5 Para Violino em Lá Maior, KV 219 – Turco [1775]
    – Allegro Aperto
    – Adagio
    – Rondeau: Tempo di Menuetto – Allegro – Tempo di Menuetto
    Duração: 31 minutos

    Antonín Dvorák [1841-1904]
    Sinfonia nº 7 em Ré Menor, Op.70 [1884-5]

    – Allegro Maestoso
    – Poco Adagio
    – Scherzo – Vivace
    – Finale – Allegro
    Duração: 35 minutos

    Categorias: Sem categoria | Deixe um comentário

    Pedido de asilo de delator dos EUA é rejeitado por Brasil e sete países


    ARGHGHGHGHHGH!!!! Ajudem o cara, pô!!!!! Ele só expôs, com provas, o que todos já sabiam…deveria ser tratado como heroi, não como fugitivo!!!!

    Os pedidos de asilo ao técnico de informática Edward Snowden, que revelou o esquema de espionagem de telefones e internet feito pelos Estados Unidos, foram rejeitados pelo Brasil e por outros sete países.

    Dos 21 países que o site WikiLeaks disse que Snowden solicitou asilo, 11 dizem que receberam a requisição. Na segunda (1º), o site anunciou que a advogada que assessora o delator, Sarah Harrison, fez a solicitação através de carta entregue a diplomatas russos do consulado no aeroporto de Sheremetyevo, em Moscou.

    Sua extradição é pedida pelos Estados Unidos, que o acusam de roubo, transferência de propriedade do governo e espionagem, o que pode lhe render até 30 anos de prisão. Snowden está na área de trânsito do terminal desde o último dia 23.

    Segundo integrantes do Itamaraty questionados pela agência de notícias Reuters, o Brasil deixará o pedido sem resposta. Outros sete países rejeitaram a proposta ou a forma como ela foi feita.

    A principal causa para a recusa é que o delator deveria chegar à fronteira desses países para pedir o asilo político. Desses, o único que rejeitou claramente o asilo foi a Índia.

    O ministro de Relações Exteriores do país, Salman Khurshid, confirmou ter recebido a proposta, mas afirma que o país não tem motivos para conceder o asilo ao delator.

    Outros seis países disseram que ele precisa ir à fronteira para poder fazer a requisição –Áustria, Finlândia, Espanha, Holanda, Itália e Equador. O país sul-americano é o único que afirma ter recebido o pedido, apresentado no último dia 22.

    Em entrevista ao jornal “Guardian”, o presidente Rafael Correa disse que não considera a requisição de asilo a Snowden e que a saída do delator de Moscou depende de um salvo-conduto oferecido pela Rússia. Ele chamou de erro a concessão de um documento de viagem feito pela embaixada do país em Londres.

    Para ele, o cônsul na capital britânica, Fidel Narváez, agiu pelo temor de que Snowden fosse preso em Hong Kong e sob pressão do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que está abrigado na embaixada do país em Londres.

    “Foi um erro de nossa parte. O cônsul, em momento de desespero porque provavelmente não conseguiu falar com o chanceler, emitiu um documento de salvo-conduto sem validade, sem autorização, sem que nem sequer nós soubéssemos”.

    NÃO RECEBIDO

    A França diz não ter recebido a solicitação, mas não descartou analisá-la. Na segunda (1º), o presidente François Hollande mostrou grande irritação pelas denúncias de que os Estados Unidos monitoraram telefones do país e da União Europeia, uma revelação feita por Snowden.

    O governo suíço também negou o recebimento e, assim como outros cinco países, pediu que ele apresente a requisição na fronteira. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que está em Moscou, afirmou que ainda não recebeu o pedido, mas desconversou se levaria Snowden consigo para Caracas.

    Alemanha, Noruega e Polônia afirmam estarem com a solicitação em mãos e em estudo. Bolívia, China, Nicarágua, Irlanda, Cuba e Islândia ainda não se pronunciaram a respeito.

    Ex-assistente técnico da CIA e funcionário da Booz Allen Hamilton, prestadora de serviços no setor de defesa, Snowden trabalhava para a NSA há quatro anos, como representante da Booz Allen e de outras empresas, como a Dell.

    A NSA, cujo material foi divulgado por Snowden, é uma das organizações mais sigilosas do mundo. De acordo com as informações apresentadas pelo delator, a agência monitorou os registros de ligações de milhões de telefones da Verizon, segunda maior companhia telefônica dos EUA.

    Também foram verificados dados de usuários de internet de todo o mundo em empresas de internet como Google, Facebook, Microsoft e Apple. O escândalo causou críticas ao presidente Barack Obama, que combateu a espionagem feita pelas agências quando fazia oposição ao republicano George W. Bush.

    Categorias: Sem categoria | Deixe um comentário

    Esquizofrênico registra em livro a experiência de enlouquecer


    Ex-aluno de física e de filosofia da USP, Jorge Cândido de Assis carrega no corpo das marcas da esquizofrenia. Aos 21, durante uma crise, ele se jogou contra um trem do metrô e perdeu uma perna.

    Hoje, aos 49 anos, cinco crises psicóticas, ele dá aulas sobre estigma em um curso de psiquiatria e acaba de lançar um livro no qual descreve a experiência de enlouquecer. “Entre a Razão e a Ilusão” (Artmed Editora) foi escrito em parceria com o psiquiatra Rodrigo Bressan e com a terapeuta Cecilia Cruz Villares, da Unifesp.

    Leia o depoimento dele.

    *

    “Tive uma infância tranquila, jogando bola na rua. Aos 14 anos, entrei na escola técnica e já sabia trabalhar com eletricidade. Adorava física.

    Em 1982, prestei vestibular para física na USP e não passei. Em 1983, fiz cursinho, prestei de novo e não passei.

    Consegui uma bolsa no cursinho, passei perto e não entrei de novo. Foi um ano depressivo para mim. Eram os primeiros sinais da esquizofrenia, mas eu não sabia.

    Eu me isolei, tinha delírios. O desfecho foi trágico. Numa manhã de domingo, entrei na estação do metrô Liberdade. Escutei uma voz: “Por que você não se mata?”. Me joguei na frente do trem.

    Acordei três dias depois no hospital sem a minha perna direita. Tinha 21 anos.

    Foi bem sofrido, mas coloquei toda minha energia e determinação na reabilitação. Quatro meses depois, já estava com a prótese.

    Sozinho, voltei a estudar para o vestibular e passei em física e fisioterapia na Universidade Federal de São Carlos. Meu sonho era desenvolver uma prótese melhor e mais barata do que as versões que existiam naquela época.

    Um dia, em 1987, cheguei em casa e ela havia sido arrombada. Tive que ir até a delegacia dar queixa e reconhecer os objetos furtados.
    Isso desencadeou a segunda crise psicótica. Tinha delírios de grandeza, alucinação, mania de perseguição.

    Fui internado em Itapira durante um mês. Saí de lá com diagnóstico de esquizofrenia, medicado mas sem encaminhamento. Um dos remédios causava enrijecimento da musculatura e eu não conseguia escrever. Então parei de tomar a medicação e comecei a fazer tratamento em centro espírita.

    Voltei a estudar em São Carlos. Depois da crise, perdi muitos amigos por puro estigma. Comecei a trabalhar, paralelamente aos estudos, mas ficou pesado demais. Preferi desistir do curso.

    Em 1993, prestei vestibular na USP e passei. Foi mágico, a realização de um sonho. Continuei trabalhando, mas cheguei num ponto de saturação e desisti do curso.

    Minha vida foi perdendo o sentido, vivia por viver. Me sentia vazio de emoções.

    Nesse período, fazia parte de um grupo de pesquisa na USP. Mas, por uma série de divergências, o grupo se desfez. Ao mesmo tempo, meu namoro acabou. Esses dois fatores desencadearam minha terceira crise.

    Foi uma crise também com delírios, alucinações, isolamento. Fiquei um mês internado. Foi aí que comecei a me tratar de esquizofrenia de fato. Além das medicações, fazia psicoterapia, terapia ocupacional e prestei vestibular para filosofia na USP. Passei. Sentia-me tão bem que disse: “Superei a esquizofrenia. Vou parar com os remédios”.

    Minha mãe morreu em 2002 e, em seguida, tive a minha quarta crise, que também foi controlada com remédios. É como começar do zero.

    Entre 2003 e 2007, participei de um grupo de pacientes com esquizofrenia em que discutíamos a doença, as vivências, as formas de comunicação. Em 2005, o [psiquiatra] Rodrigo Bressan me convidou para participar das aulas dele contando a minha experiência pessoal, sobre o estigma. Em 2007, surgiu o projeto do livro sobre direitos de pacientes com esquizofrenia.

    Foi um processo de criação intenso durante 18 meses. Em 2008, o Rodrigo me convidou para deixar de ser paciente e entrar para a equipe dele. Foi uma grande oportunidade.

    No início do ano passado, fui palestrar em Londres sobre o nosso trabalho. Quando estava voltando, fizemos uma escala em Madri.

    Sentia muita dor na perna e pedi uma cadeira de rodas. Esperei e nada.

    Tirei a perna mecânica, coloquei na bolsa e fui pulando até a sala de embarque. Todo esse estresse me levou à quinta crise. Ela foi rapidamente controlada, mas é um processo difícil retomar a rotina anterior, ressignificar as coisas para que a vida faça sentido.

    Depois das crises, tenho que renascer das cinzas. Muitas pessoas desistem. Precisa de uma grande dose de esforço para reconstruir a vida.

    A medicação ajuda, mas não é garantia. Consigo lidar com as demandas da vida, mas nunca sei se o que sinto é ou não da doença.

    Não ouço mais vozes, mas tenho autorreferência. Penso que tudo ao meu redor tem a ver comigo. Se ouço um barulhinho lá fora, acho que pode ter câmera escondida.

    Se as pessoas estão conversando no corredor, acho que estão falando sobre mim.

    O delírio é inquestionável, você acredita nele. Mas tenho clareza do que é autorreferência, deixo para lá.

    Tenho que saber os meus limites. O referencial para a gente é o mundo exterior, a relação das pessoas.

    Muitas vezes, o início das crises não é percebido. Por isso é importante dividir com o médico, com a família.

    O estigma também é muito prejudicial. Ser apontado como o louco ou ser desacreditado só piora. A esquizofrenia é uma doença crônica, que afeta as emoções, os relacionamentos, as vontades.

    Tenho sorte de ter uma família unida, que me apoia. Isso dá sentido à minha vida.

    Olho para trás e confesso que me sinto frustrado por ter começado duas vezes física, em duas das melhores universidades, e não ter concluído.

    Mas fico feliz com o trabalho de poder ajudar outras pessoas com a minha história. As pessoas sofrem no Brasil pela falta de locais para a troca de informações.

    Minha meta agora é construir uma rede de associações de apoio a pacientes com esquizofrenia.

    Eu não sou só a doença, e a doença não me define.

    Tenho que lidar com a esquizofrenia, mas ela não é a parte mais fundamental da minha vida.”

    Categorias: Sem categoria | Tags: , , , , | 1 Comentário

    Aurora

    Uma imagem vale mil palavras, então...

    Pedazos de miel en jaula

    La existencia, la introspección y la experiencia

    Filosofia Animada

    Sitio Virtual onde se encontra o registro das práticas educacionais do Prof. Daniel Carlos.

    throughdanielleseyes

    Words, thoughts, and snapshots of life.

    Dirty Sci-Fi Buddha

    Musings and books from a grunty overthinker

    BaileyBee

    The Hive

    Chairybomb

    Honest Furniture Reviews

    ricardo barros elt

    Thinking and Living English

    BA -VISUAL LESSON PLANS

    for English teachers.

    viralelt.wordpress.com/

    Viral Videos for Higher Level ELT | Ian James | @ij64

    Progressive Transit

    For better communities and a higher standard of living...

    Josh, Naked

    A mental birthday suit

    colossalvitality

    Just another WordPress.com site

    sindhuspace

    Claiming the better half for women in a Man's World

    Cybele's Haus of Digital Pain

    kismetly crestfallen

    Amanda Ricks

    Digital Marketing For People By People.

    CamiNique

    Blog literário

    wolf4915

    Writing, Photography, Digital Art, Painting + News!

    Le Blog BlookUp

    Imprimez et transformez vos contenus digitaux, blogs et réseaux sociaux, en magnifiques livres papier sur blookup.com

    Dr. Eric Perry, PhD

    Psychology to Motivate | Inspire | Uplift

    Jornal Acorda Getúlio

    Os alunos fazem a escola

    Kate Gale: A Mind Never Dormant

    The life of a writer/editor

    Biblioteca Florestan

    Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP

    Photography Art Plus

    Photography, Animals, Flowers, Nature, Sky

    Violet's Vegan Comics

    Vegan Children's Stories

    Cafe Book Bean

    Talk Books. Drink Coffee.

    marioprata.net

    Site oficial do escritor Mario Prata

    Eric Schlehlein, Author

    (re)Living History, with occasional attempts at humor and the rare pot-luck subject. Sorry, it's BYOB. All I have is Hamm's.

    Through Open Lens

    Home of Lukas Kondraciuk Photography

    OldPlaidCamper

    The adventures of an almost outdoorsman...

    PROVERBIA

    "Crítica Social, Lírica y Narrativa"

    Top 10 of Anything and Everything - The Fun Top Ten Blog

    Animals, Gift Ideas, Travel, Books, Recycling Ideas and Many, Many More

    gaygeeks.wordpress.com/

    Authors, Artists, Geeks, Husbands

    DaniellaJoe's Blog

    crochet is my favorite fiber art and my goal is to become a real artist...