Arquivo do mês: dezembro 2013

The Advantages of Living in a Very Old City


Van Gogh and I

One of the main advantages, the one I’ll illustrate for you: there are a lot of festivals, events, exhibition and you can imagine yourself living in more than one epoch…

These are photos I took the last 4-5 days at the Medieval Festival. Very easy to imagine oneself living in that epoch in a city like Sibiu (Hermannstdt). Downtown, everywhere you turn old houses and chrches and fortifications reminds you of the time of Draculya, Vlad the Impaler…

…and some very old and particular skills: hawk and owl tamming…

Landing Hawk fltrdAnd you meet old friends…

or beautiful young women… dressed in the Renaissance fashion…

Eventually, if you are lucky, you can catch some pretty funny characters, like this swarthy guy, trying to improve his looks wearing a helmet…

Or some bored medieval dressed vendors, tired at the end of the 3rd day of Festivities…

So, one did not get easily bored…

Ver o post original 32 mais palavras

Categorias: Sem categoria | Deixe um comentário

Quero ver este filme


What a nice guy Bernie Tiede is. He is so nice and sincere that you cannot possibly imagine him doing something bad to you. Based on a weird real-life crime story which was quite a bit stranger than fiction,Richard Linklater‘s quirky black comedy “Bernie” (2011) keeps its straight face just like its odd hero even at its most outrageous moment, and we are both fascinated and amused by his story and the colorful background surrounding him.

Jack Black, in one of the best performances in his career, plays Bernhardt ‘Bernie’ Tiede, who has always devoted himself to being nice to everyone in Carthage, Texas since he moved to the town. He has worked as the assistant funeral director of a local funeral home, and his employer tells us how he was lucky to have an ideal employee like Bernie. He is a knowledgeable expert on how to make the dead look good no matter how they died. He can persuade any customers to buy a more suitable (and more expensive) coffin instead of cheap ones because these coffins show genuine consideration and care to them. The funerals are done smoothly with his painstaking care and attention to details, and he always finds something to be improved in the ceremonies. My dear friend late Roger Ebert said in his review that he would buy a used coffin from him; Roger, I would have hired him for you and your wife Chaz if I had been able to.

 

Jack Black as Bernie

Everyone in the town loves and likes him even though he is an outsider coming in from Louisiana. He can start a conversation with anyone within seconds, and one scene shows him giving a bunch of oil company workers a useful advice on tax deduction. He is a diligent churchgoer, and he is always the lead singer in front the choir whenever it is the time to sing the hymns together. He also actively participates in the local musical productions; he initially started as a minor helper, but soon he becomes not only a director but also a lead actor.

 

While he is popular especially among the old ladies in the town because of his splendid job at the funerals, he does not seem to be interested much in them or young ladies. The people in the town naturally have some idea about his sexual preference, but everyone still likes him anyway despite the gossips and rumors being passed behind fences around the town (“In a small town, people will always suspect the worst of someone. But they’ll also suspect the best.”). They take that “Don’t tell, Don’t ask” attitude, and so does the movie, which does not delve too much into that aspect.

And then he gets involved with someone in the town, and everyone is rather surprised because she is everything Bernie is not. Mrs. Marjorie Nugent (Shirley MacLaine), who recently becomes a widow after her husband’s death, is the most hated person in the town. Her husband is a rich businessman who always loaned out money to the town folks through his local bank if it looked like a good investment, but now she makes it her personal business to reject the applications for loan whenever it is possible. Even her ‘close’ family members do not like this old mean hateful lady much; both her son and her sister have been estranged from her for years, and her granddaughter once sued her when Mrs. Nugent froze the trust fund for her.

 

Shirley MacLaine in Bernie

Despite her notoriety as a harridan as vicious as the Wicked Witch of the West, Bernie approaches to Mrs. Nugent as usual after her husband’s funeral. Of course, he does not get any favorable reaction from a bitter (and mean) woman, but his earnest persistence somehow scores some points from her, and, what do you know, he soon becomes a fixture in her big mansion because her cold heart is genuinely moved and melted by the warm attention she has never gotten during her last 50 years. Shirley MacLaine willingly throws herself into a pretty unlikable character, and she gives a spiky comic performance occasionally brightened by a few moments of tenderness glimpsed from her strict face.

 

She becomes happy to be with Bernie, and so is Bernie, always glad to be at her service. They attend the concerts together, and they also travel around many places outside Carthage and the U.S. They have a really good time with each other while enjoying the first class airplane seats, the five-star hotels and resorts, the expensive restaurants, and the joint massages at the spas. They always sleep in the same room during their travels, and, according to a rumor going around the town, it seems Mrs. Nugent wants him to be more than an average companion, but, seriously, I do not want to know more about that.

 

Jack Black and Shirley MacLaine

In spite of all these changes, Bernie remains as the most likable guy in the town for he is as generous as before to the town people. He receives lots of expensive things from Mrs. Nugent as staying around her, but he is not a greedy guy at all, and he gives most of them to others. He keeps working as the assistant funeral director, and he continues to participate in many town activities, and nobody says any bad word about him or his relationship with Mrs. Nugent, who becomes a little nicer than before while being with Bernie.

It looks like everybody is happy, but it isn’t so. Mrs. Nugent becomes more possessive and abusive as the time goes by, and Bernie’s daily routine is frequently disrupted by her constant demands. He naturally feels like being exhausted and suffocated, but he cannot leave her because it is against his good nature and principles. On one afternoon, he suddenly comes to the breaking point after he realizes he will never get away from her as long as she is alive, so….

What follows after that breaking point is a hilariously bizarre circumstance drenched with absurd black humor, so I let you discover how funny it is for yourself. The director/co-adapter Richard Linklater, whose screenplay is based on the 1998 Texas Monthly magazine article “Midnight in the Garden of East Texas” written by his co-adapter Skip Hollandsworth, keeps his movie tip-toeing between morbid humor and dry drollness as it goes back and forth between the main story and the interviews with the town people and other characters involved with the case and the following trial, and this documentary-like approach is the constant source of amusement and laughs.

I heard that it was difficult for Linklater to get his production financed because the screenplay looked plain and dull on the surface. It really could have been like that because the story itself does feel like another routine episode from one of those TV documentary programs about sensational real-life crime cases, but Linklater imbues his story with a delicious local flavor through the locations and his cast. I particularly enjoyed the interview scenes with the town people, which reminded me of that fascinating oddness observed from the Southern town residents in Errol Morris’ short documentary “Vernon, Florida” (1981). Although they are actually the mix of the real town people and professional actors, they all look uniformly real as the people who have been living in the area for years, and the way they seriously talk about Bernie, Mrs. Nugent, their town, and other things is fun to listen and observe. I do not know whether Texas is really divided into several areas as told by one town folk, but it is certainly amusing even if it is not true.

Jack Black, who successfully collaborated with Linklater in “School of Rock” (2003) before, pushes his ingratiating persona to the new dimension here in this film. While he looks a lot different from the real-life counterpart of his character as shown before the end credits, he convincingly embodies a likable and courteous guy compulsively driven to be nice and generous to the others around him. He might hate Mrs. Nugent for a moment, but he still wants to treat her nicely even when it doesn’t matter to her any more under his irreversible situation, and his ‘nice’ behavior ironically puts him in the circumstance far worse than it could have been.

His odd nicety is well countered by the acidic meanness effectively personified by Shirley MacLaine. I recently watched Alfred Hitchcock’s “The Trouble with Harry”(1955), and that cheerfully morbid black comedy reminded me of how young MacLaine was in her debut film. Now more than 55 years have passed, but MacLaine has lost none of her comic talent as shown in this film, and she has lots of fun with her detestable but understandable character. According to a New York Times Magazine article written by her nephew, the real Mrs. Nugent was a really insufferable woman, and I was personally tickled by one comment from the town people in the movie: “There were people in the town, you know, that would shot her for five dollars, you know.”

 

 

As the people associated with Mrs. Nugent, including her stockbroker Mr. Hornbuckle (Richard Robichaux), become very suspicious about her continuing absence for several months, the district attorney Danny Buck (Matthew McConaughey) comes into the picture. McConaughey, who has recently kept getting the roles he is born to play, depicts his character with that slick Southern charm amply exuding from his screen persona, and he relishes every moment he appears in the film. Although Buck goes a little too far in his obnoxiously self-righteous way for the justice and his reputation, I must say he has a good point when he replies to the town people asking him not to be too harsh on Bernie (A small trivia: one of them is played by his mother Kay McConaughey).

 

Richard Linklater, who has been making interesting films including “Waking Life“(2001) and will soon come to us again with his latest film “Before Midnight” (2013), makes a droll black comedy full of many weird turns, and Jack Black gives a terrific comic performance which deserves more attention. Even when he is arrested and then locked up in the county jail after full confession, Bernie occupies himself with teaching cooking to his fellow inmates, and he never loses his amiability no matter what happens to him. Sure, he did commit a crime to be judged, but he’s still the guy for your funeral.

http://www.rogerebert.com/far-flung-correspondents/bernie

Categorias: Entertainment | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Recital


Hoje fui ao meu primeiro concerto aqui em Uberlândia – ok, não foi concerto, foi um recital de formatura, mas bah, odeio preciosismos de nomenclatura!

Quem estava se formando era um rapaz chamado Rodrigo Gomes Oliveira, e a professora dele não poupou elogios antes de ele começar a tocar. Mas eu, claro, só acredito vendo, ou melhor, ouvindo 😉

1421179_326980764108057_1612932599_o

Achei engraçado ela ter falado que após cada movimento não há aplausos, apenas entre as músicas. A maioria das pessoas que frequenta este tipo de lugar sabe que não se deve aplaudir – na verdade, confesso que eu costumava achar essa convenção uma baita estupidez, afinal, às vezes um movimento é excelente e empolgante, já outro, nem tanto…às vezes pela performance do músico, às vezes pela incompetência do compositor mesmo 😛 kkkkk Ou seja, acho que temos direito de expressar nossa satisfação ou indiferença quanto a cada movimento. MAS, ao mesmo tempo, claro que aplausos entre cada movimento ficariam cansativos (aplaude-se no início e no fim, e ainda ter que aplaudir mais três vezes?? affff…), tirariam a concentração do músico, e ainda por cima quebrariam a fluidez da música. É como ler um livro e ficar interrompendo a leitura o tempo todo para dizer que espetacular achamos determinado parágrafo 😉 kkkkkk Enfim, já faz uns anos que compreendo a convenção que outrora considerava descabida.

No programa estava escrito que ele tocaria duas músicas:

  • Suíte Antiga, de Alberto Nepomuceno, cujos movimentos são:

– Prélude

– Menuet

– Air

– Rigaudon

Nunca ouvi falar desse brasileiro, e tampouco desse movimento, Rigaudon. Sei o que é um prelúdio, um minueto, um allegro, um andante, etc., mas rigaudon??? Então isso aí seria novidade para mim, e eu adoro novidades!!!

  • Sonata Op. 1 no. 1, de Johannes Brahms

– Allegro

– Andante

– Scherzo

– Finale

A sala era bem pequena, e assim que foi chegando a parentada, professores e os amigos do rapaz, ficou menor ainda! Pelo que vi, acho que eu era uma das poucas pessoas “estranhas” ali. Sorte que cheguei uns minutos antes do horário previsto (a performance começou com uns 10/15 minutos de atraso), deu para ficar num assento legal, de onde podia ver as mãos do pianista. Aliás, não só as mãos, mas os pés também – antes de hoje, nunca tinha reparado que eles mexem tanto no pedal, nossa senhora, o cara não parava de pisar no pedalzinho da direita, às vezes fazia até barulhinho. Alguém aí pode me dizer para que serve aquilo ali? Sem pisar não sai som nas teclas, é isso??? Mas eu já mexi em pianos alheios e apertei as teclas sem pisar no pedal e saiu som…será que sai diferente o som? Mais afinado? Bom, achei bizarro, pensava que só no órgão tinha que ficar apertando os pedais…vivendo e aprendendo kkkkk

Então, adorei a tal música do Nepomuceno, o cara era bão! E aquele tal movimento rigaudon é muito legal, bem agitadão, como gosto 😀 (tem aí em cima o vídeo para vocês ouvirem)

Já falei que a sala era pequena, né? Além de pequena, sem janelas ou ar condicionado!!! Quem me conhece sabe que odeio ar condicionado. E para quem canta, com certeza deve ser a morte *rs* Então é compreensível a falta do aparelho ali. Entretanto…meu, estamos em Uberlândia!!!!! kkkkkk É o bafo em pessoa, digo, cidade!!! E putz, o coitado foi, lógico, como manda o figurino: terno e gravata. Entre a música do Nepomuceno e do Brahms houve um pequeno intervalo, e quando ele voltou, tinha removido o paletó e a gravata, mas mesmo assim, dava calor só de ver aquela camisa comprida abotoada nos braços e no colarinho, afffff!!!!! O rapaz suava em bicas, e ao final do Brahms, parecia que ele tinha estado numa sauna. Parte disso deve ter sido decorrência do nervosismo também, claro…ele demonstrou estar tenso em diversas ocasiões. Entre alguns dos movimentos deu para perceber que ele estava tentando se acalmar, respirando fundo, movimentando braços e costas para relaxar, enfim…ah, sem contar alguns errinhos. Mas, como eu disse, deu para ver que era nervosismo. Ele errou em algumas partes que, aos ouvidos leigos, soaram muito mais simples e fáceis do que em partes que ele enfrentou com desenvoltura. Ou seja, definitivamente não se tratava de incompetência técnica, e sim de mero mal-estar psicológico *rs*

E quer saber? Tudo bem! É bom para mostrar que todos são humanos, até quem toca divinamente e quem se lembra de cor, sem partitura, todas as notas. Até hoje não entendo como a galera consegue fazer isso…quer dizer, tocar em si já é super difícil…enfrentar uma plateia, sobretudo composta por parentes, amigos e professores, um horror. Aí ainda por cima tocar sem partitura??? Ah vá!!!! Maldade isso 😛

Bom, é isso aí. Foi excelente, gostei pra caramba e vou voltar à facu de música para ver mais. Um casal foi gentil comigo ao final, me informando o endereço no Facebook onde eles divulgam os eventos semanais de música (Projeto Prelúdio), vou lá entrar.

Categorias: Entertainment, Música, Music | Tags: , , , , , , , | 1 Comentário

O crepúsculo de Roma


Em 410 os visigodos pilharam Roma, tornando suas fronteiras mais abertas a cada ano. Não levaria muito tempo para que o último – e fraco – imperador fosse deposto

por Bruno Dumézil

“Ela foi tomada, a Cidade que tomou o universo inteiro.” Em Belém, para onde se havia retirado, São Jerônimo ficou desolado: nesse 24 de agosto de 410, os visigodos entraram em Roma e a saquearam. Para o Pai da Igreja, era o Império em sua totalidade que, a partir daquele momento, estava sob a ameaça de ser envolvido por um turbilhão bárbaro.

Que estrangeiros estivessem presentes em massa no território romano em 410 era um fato incontestável. Que se tratasse de uma invasão, ou mesmo de uma novidade, eis o que parecia muito mais discutível. Desde o século III, o Império Romano sofria na realidade de uma grave crise demográfica. Ter menos homens significava contar com um número menor de legionários para guardar a fronteira do Reno-Danúbio, esse limes (como eram chamados os marcos fronteiriços entre Roma e os territórios germânicos) no qual os príncipes do Alto Império multiplicaram os bastiões e as fortalezas. Em diversas ocasiões, grupos bárbaros tinham aproveitado uma falha na vigilância para abrir uma brecha e se entregar à pilhagem nas províncias vizinhas. Em 276, alguns deles conseguiram até mesmo chegar aos montes Pireneus.

Portanto, para evitar que tais incursões se sucedessem, o Império decidiu contratar… bárbaros! Prisioneiros de guerra reduzidos à submissão, mercenários escandinavos em busca de riquezas, chefes de tribos à beira da fome: Roma acolhia todos aqueles que aceitassem servi-la. Valorosos e leais na maioria dos casos, esses bárbaros, chamados de “imperiais”, galgaram com rapidez os degraus da hierarquia militar, até assumirem nela uma importância considerável. Desde os anos 380, o Estado-Maior romano era composto por mais de 50% de germânicos.

Armas que conduzem ao trono imperial Como o imperador tinha confiança nesses oficiais, ele não hesitava em fazê-los ingressar em sua família. Teodósio I deu assim sua sobrinha em casamento ao general vândalo Estilicão; por sua vez, a filha deste último desposou o imperador Honório.

Controlando diversos corpos essenciais do exército romano, os bárbaros por vezes viram-se tentados pela aventura política. Desse modo, entre 350 e 353, o norte da Gália reconheceu como imperador um certo Magnêncio, general de origem franca. A maioria dos comandantes bárbaros, no entanto, aparentemente se contentou em participar do jogo de facções entre os competidores tradicionais ao trono imperial. Assim, em 392-394, o franco Arbogasto apoiou o senador romano Eugênio em uma tentativa de derrubar Teodósio I. Pouco a pouco, viram-se também oficiais estrangeiros assumir a regência em nome de imperadores menores de idade; foi o caso do grande Estilicão – filho de um vândalo com uma cidadã romana –, que governou o Império Romano do Ocidente entre 395 e 408.

Diante de uma tal sede de poder, não é o caso de investigar eventuais manifestações de ambição desenfreada de germânicos incapazes de se adaptar à civilização do Mediterrâneo. As estratégias que se podem observar são ao contrário o signo da profunda romanização dos bárbaros e de suas excelentes relações com as elites romanas. Desde o final do século IV, chefes bárbaros e comandantes romanos estavam com frequência ligados pelo parentesco. A maior parte desses homens era proveniente dos espaços das fronteiras, onde as identidades étnicas se mostravam muito maleáveis. Isso explica como foi encontrado, perto de Aquicum (Budapeste, Hungria), a comovente inscrição de um combatente: “Quanto a mim, eu sou um franco, mas, sob as armas, sou um cidadão romano”. De fato, ter nascido alguns quilômetros além ou aquém do limes era realmente importante, quando alguém afirmava não existir senão para servir ao Império?

Evidentemente, aconteceu de as manobras de alguns chefes de tropas se voltarem contra os interesses romanos. No início do século V, o godo Alarico revelou-se um mestre do jogo duplo. Designado como rei por seu povo, ele era considerado pelas autoridades imperiais como um “senhor das milícias”, quer dizer, como um generalíssimo do exército romano. Trocando de papel diversas vezes, Alarico exerceu uma chantagem constante sobre o imperador Honório para obter dinheiro e suprimentos para suas tropas. Resgate pago a um inimigo bárbaro? Soldo devido a um soldado de Roma? Tudo é uma questão de interpretação.

Vencido em 401 e 402 por Estilicão, Alarico voltou à carga nos anos seguintes. Para infelicidade dos romanos, Estilicão se encontrava naquele momento às voltas com uma cabala senatorial que investia contra suas origens estrangeiras: o vândalo que protegia Roma perdeu o apoio do imperador Honório e terminou por ser executado em 22 de agosto de 408.

A marcha sobre a cidade eterna Não tendo mais adversário à sua altura, Alarico pôde então marchar sobre Roma, que ele sitiou pela primeira vez no outono de 408. Os senadores compraram a sua partida, mas o imperador persistiu na sua recusa em fornecer víveres aos godos. Alarico retornou sobre seus passos, cercou de novo a cidade e depois negociou longamente com Honório, sem sucesso. Afinal, depois de uma longa e exaustiva resistência, ele se apoderou de Roma em 24 de agosto de 410. Em termos militares, o evento não teve grande impacto: o saque durou apenas três dias e as muralhas e o patrimônio arquitetônico da cidade permaneceram intactos. Politicamente, o episódio também não se revestiu de muito significado: a capital do Império do Ocidente encontrava-se então em Ravena, ou seja, Alarico se apoderou de uma concha vazia.

Em contrapartida, no plano humano, o balanço foi muito pesado: a fome e a pilhagem castigaram a população, ainda que Alarico tivesse respeitado o direito de asilo das igrejas cristãs e proibido seus homens de penetrar em seu interior. Finalmente, em termos de civilização, a data de 410 não poderia ser considerada uma guinada fundamental. Foi certamente um exército gótico que entrou em Roma, seguindo o rei Alarico, mas sem dúvida esse exército não contava com um número maior de bárbaros do que o exército romano que acompanhou Constantino quando este se apoderou da cidade em 312.

Os verdadeiros infortúnios do Império vinham de outras partes. Para resistir a Alarico, Estilicão teve de desguarnecer a fronteira do Reno; em 407, as Gálias foram invadidas e jamais se recuperaram plenamente desse golpe. Como consequência, tornou-se impossível defender a Grã-Bretanha. Os exércitos imperiais abandonaram a ilha, encarregando os notáveis locais de organizar por si mesmos a defesa. Estes contrataram alguns mercenários vindos da Saxônia, assim como guerreiros anglos da península da Jutlândia (atual Dinamarca e norte da Alemanha). O efeito disso foi que esses estrangeiros assumiram progressivamente o controle do território.

O pior golpe desferido contra o Império, de fato, foi a perda da África, conquistada em 439 por uma coalizão de vândalos e alanos. Roma perdeu desde então o controle das províncias que lhe forneciam boa parte de seu abastecimento em cereais e a melhor parcela de seus recursos fiscais. Para resistir aos bárbaros, o Império do Ocidente teve, como sempre fazia, de apelar a outros bárbaros. Mas, como as autoridades romanas não dispunham mais de dinheiro ou suprimentos para pagar o soldo dos mercenários, viram-se obrigadas a ceder-lhes terras. Assim, em 418, foram concedidas aos godos as províncias da Aquitânia; alguns decênios mais tarde, a Espanha foi acrescentada a essa doação. Em meados do século V, os francos receberam por sua vez o norte da Gália, enquanto o vale do Ródano se tornou terra de assentamento dos burgúndios. Essas transferências de autoridade entre romanos e bárbaros não devem ser confundidas com uma conquista territorial: houve de cada vez um tratado oficial, um foedus. Por esse texto, os felizes beneficiários tornaram-se “federados” da potência imperial, não devendo usar suas armas senão para servi-la. E tais bárbaros, sob contrato de exclusividade, prestaram bons serviços. Por exemplo, em 451, foram os francos e os visigodos que detiveram Átila na Batalha dos Campos Cataláunicos.

Os bárbaros federados eram ainda percebidos como estrangeiros? Nos anos 460, um senador e fino letrado gaulês, Sidônio Apolinário, estava perplexo. Os visigodos, dizia ele, vestem-se de peles, mas dirigem uma administração bem equilibrada. Fazem questão de falar o gótico, mas seus reis são capazes de recitar os poemas de Virgílio. Na África, passadas as primeiras ondas de violência, também os vândalos causaram uma impressão muito boa: eles restauraram as termas públicas, encorajaram o mecenato literário, lutaram contra a prostituição e, sobretudo, aprenderam a comer deitados, como verdadeiros romanos. Mais ainda, uns após os outros, todos os reis bárbaros instalados nas províncias puseram-se a promulgar textos de direito.

Velha nobreza e novos senhores Fala-se tradicionalmente de “leis bárbaras”, mas isso significa esquecer que esses tratados eram redigidos em latim e que eram inspirados pelos princípios jurídicos romanos. Isso equivale a dizer que os visigodos e burgúndios se contentaram em varrer a poeira dos velhos códigos de direito imperial, sem perder o espírito ou a lógica destes.

Enquanto esses federados assumiam o controle das províncias, o Império do Ocidente se esforçava para sobreviver com uma extensão territorial reduzida à Itália e à Provença (sul da França). Ainda assim, também lá, eram os bárbaros que se encontravam em ação. O último grande general romano, Aécio, ativo entre 425 e 453, apoiou-se em uma organização militar formada em parte por germânicos e em parte por hunos. Essa organização foi a incubadora dos últimos oficiais do Império. E, em 455, quando o último príncipe da dinastia teodosiana desapareceu, foram esses comandantes bárbaros que passaram a designar os novos imperadores. Os visigodos ofereceram assim a púrpura ao senador gaulês Ávito em 456; no ano seguinte, o italiano Majoriano deveu seu trono ao apoio do general suevo Ricimero. Sem dúvida, Constantinopla tentou retomar o controle do Ocidente, mas sem um verdadeiro sucesso.

Aliás, o fracasso de um príncipe vindo do Oriente, Júlio Nepos, contribuiu para esvaziar a credibilidade da instituição imperial. Em contrapartida, os habitantes das províncias aprenderam a apreciar as qualidades de seus dirigentes bárbaros.

Nos anos 460, Sidônio Apolinário escreveu que os burgúndios eram selvagens que fediam a manteiga rançosa. Dez anos mais tarde, ele fechou o nariz e celebrou seu senso de justiça. Por sua vez, os últimos imperadores de Roma nada tinham de “romanos”, no sentido tradicional do termo. Anício Olíbrio (472) era aparentado aos vândalos; seu sucessor Glicério (473-474) era muito próximo dos burgúndios. Quanto a Rômulo Augústulo (475-476), apesar de seu nome sonoramente romano, provinha de uma família estabelecida do outro lado do limes. Seu pai, o ilustre patrício Orestes, era, de resto, um antigo colaborador de Átila.

Em 476, a Itália romana não era mais guardada senão por mercenários de identidade étnica incerta e sem dúvida muito mesclada. Pagos sem regularidade, esses soldados escolheram um rei na pessoa do chefe hérulo Odoacro. O homem era um instrutor de sabre, herético ainda por cima, mas possuía grande experiência e gozava de boa reputação tanto junto aos combatentes quanto aos senadores. Sob suas ordens, o jovem Rômulo Augústulo foi deposto.

Rômulo Augústulo sai de cena Com esse gesto, Odoacro não pretendia contestar a autoridade romana. Pelo contrário! As insígnias imperiais foram oficialmente expedidas para Constantinopla, em sinal de submissão do novo rei da Itália ao império universal, que a partir daquele momento se considerava reunificado. Quanto a Rômulo, ele recebeu a oferta de um belo domínio rural acompanhado por uma renda vitalícia.

Roma não foi construída num só dia; ela tampouco caiu em um só dia, quer se tratasse de um dia do ano 410 ou de 476. Em termos culturais, o Império não cessou de irradiar sobre o Ocidente bárbaro, que continuou a utilizar sua língua, sua moeda, seus livros de direito, e que aceitou até mesmo, em pouco tempo, converter-se a sua religião, o catolicismo. Os únicos colapsos notáveis foram políticos e militares. Ora, a esse respeito, é complexo estabelecer a responsabilidade dos bárbaros: os homens que fizeram cair o Império do Ocidente foram também aqueles que, até o fim, tentaram sustentá-lo.

BRUNO DUMÉZIL é historiador e especialista em civilizações bárbaras

Leia mais matérias do Dossiê “O crepúsculo de Roma” na História Viva 122

 

Categorias: Sem categoria | Deixe um comentário

O problema do estupro na Índia e como os homens indianos o veem


Anand Giridharadas

“Pela força, nunca acontece”, declarou Singh Yadav Dharampal sobre o estupro.

Ele estava em pé com um bando de homens numa barbearia próxima ao mercado Sarojini Nagar. A maioria dos homens concordou.

Há um ano, um estupro coletivo fatal, no qual um grupo de homens num ônibus atacou repetidamente uma jovem estudante de fisioterapia e a feriram internamente com uma barra de ferro, manchou o nome desta cidade. Esse caso e outros provocaram um verdadeiro exame de consciência nacional. Mas a ideia de estupro como uma impossibilidade física é um dos muitos mitos sobre a violência sexual que continuam circulando entre os homens na Índia. Isso também vale para a noção de que as mulheres são simultaneamente vítimas e autoras dos estupros que enfrentam.

“Se alguém tentasse estuprar minha filha, ela lhe bateria com um sapato”, disse Yadav, funcionário do mercado, sobre sua filha de 15 anos. “Não há como um homem estuprá-la.”

Apenas para garantir, porém, Yadav, 45, retirou-a da escola e a levou de volta para o vilarejo. Caso contrário, disse ele, como ele poderia saber o ela que estava fazendo?

Esses pressupostos e modos de falar sobre as mulheres podem ser encontrados por todos os degraus da escada social de Déli. Considere o caso recente de Tarun Tejpal, um cruzado contra a má conduta e editor de um jornal sensacionalista que se demitiu depois de ser acusado de ter atacado sexualmente uma subordinada. Numa correspondência que vazou, o que a mulher detalhou como a retirada de sua calcinha e penetração física a força foi descrito por Tejpal como “brincadeiras de bêbado” –brincadeiras que, como o tango, pedem duas pessoas para acontecer.

Falar de estupro com tantos homens de Déli é descobrir um abismo entre o mundo de suas mentes, repleto de ideias medievais sobre as mulheres, e o mundo da megacidade moderna na qual se encontram. Na verdade, muitos homens –inclusive os que estavam na barbearia aquele dia– atribuem o problema do estupro à mudança social vertiginosa que criou novas tentações num ritmo muito mais rápido do que novos hábitos para lidar com elas.

O barbeiro simplifica dessa forma: o estupro não é culpa do homem. “É culpa dos tempos”, disse ele. Ele disse que o estupro é o resultado de más escolhas feitas pelas mulheres. “Que vestem o tipo de roupa errado, comem o tipo errado de comida, vai para os lugares errados.”

É uma ideia familiar, aqui e em outros lugares, de que as mulheres atraem os homens ao estupro por usar saias particularmente bonitas. Os homens são homens, diz o argumento, o que aparentemente significa que eles serão estupradores. O barbeiro ofereceu uma metáfora: “onde quer que haja uma vela e fogo, a vela derreterá.” O fogo é sempre a mulher. A vela é o homem.”

Um menino de dez anos chamado Durgesh estava em pé por ali, esperando seu pai cortar o cabelo. Seu rosto tinha tristeza e foi revelado que sua irmã, Ratna, estava trancada na prisão juvenil. Ela também havia sido uma vítima da modernidade. Ela conseguiu um emprego, o que a levou a fazer um empréstimo, o que levou a comprar um celular, o que levou a fazer planos com amigos estranhos, o que levou ao álcool, o que levou a cheirar entorpecentes num pedaço de pano, o que a levou à cadeia.

Quando Ratna sair no ano que vem, Durgesh quer que ela volte para a aldeia ancestral onde vive a família, no Estado de Uttar Pradesh. “Caso contrário”, diz ele, ” ela vai ficar mimada de novo”.

Enquanto os homens falavam, um pouco de feminismo veio à tona. Yadav falava sobre retirar sua filha da escola quando um homem que passava, usando um blusão com os dizeres “Dois mais três é igual a 5”, irrompeu, exclamando: “Isso não está certo!”

Mas Yadav continuou falando. O que de fato acontece, segundo ele, é que as mulheres trocam sexo por dinheiro para comprar roupas bonitas. Quando as mães descobrem e as confrontam, elas chamam o que aconteceu de estupro para proteger sua honra.

“Se os pais têm apenas 10 rúpias e a filha está usando roupas de 100 rúpias, onde ela está conseguindo essas roupas?”, disse Yadav. Muitos dos homens concordaram. Ele não estava sozinho em assumir que a maioria das mulheres está a algumas roupas cobiçadas de distância da prostituição.

O homem da camiseta matemática foi persuadido. “Quem sou eu para julgar?”, disse. Ele, que se ergueu em defesa das mulheres, desistiu com a mesma rapidez.

Tradutor: Eloise De Vylder

_____

Comentários dos leitores:

No Brasil o estupro contra as mulheres ocorre todos os dias…Nas músicas depreciativas e vulgares que reduzem as mulheres a cadelas e objetos…A essa necessidade estúpida que as mulheres por aqui têm de agradar aos homens e viver somente para coisas fúteis como o corpo, a beleza..Por aqui as mulheres também são tratadas como lixo…E o pior…aceitam a sua condição e muitas vezes compactuam com os homens para perpetuar toda essa situação degradante..Poucas são as que têm alguma coisa na cabeça e vão estudar e trabalhar…a maioria engravida ainda menores e vai passando de homem em homem, de filho em filho tentando achar alguém que as sustente..

Tem brasileiro que odeia tanto o Brasil, que por maisque a notícia sobre um outro país seja horrenda, sempre acharão um jeito de dizer que o Brasil é ainda pior. Se você acha isso mesmo, porque não vai morar na Índia, se lá é melhor que o Brasil?

Categorias: News and politics, Notícias e política | Tags: , , , , , | Deixe um comentário

Festa do livro da USP 2013


http://www.edusp.com.br/festadolivro/index.asp

Categorias: Sem categoria | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Exercício diário é antídoto contra gula de fim de ano


A semana marcou o início da época do ano em que comemos demais e nos movimentamos de menos, acompanhada por uma piora na saúde e um aumento drástico nos arrependimentos. Porém, um estudo feito em boa hora sugere que um pouquinho de exercício todos os dias pode ajudar a apagar ou a diminuir muitos dos efeitos maléficos, mesmo que você passe o resto do dia deitado no sofá se empanturrando de torta.

Para realizar esse importante experimento, publicado na internet em outubro pela revista The Journal of Physiology, cientistas da Universidade de Bath, na Inglaterra, reuniram um grupo de 26 jovens saudáveis. Todos se exercitavam regularmente e nenhum deles era obeso. Avaliações básicas de seu estado de saúde, incluindo biópsias do tecido adiposo, confirmaram que todos tinham metabolismos e controles glicêmicos normais, sem sintomas iniciais de diabetes.

Os cientistas pediram em seguida que os voluntários colocassem em risco suas saúdes impecáveis passando bastante tempo sentados e comendo exageradamente.

O excedente de energia é gerado quando uma pessoa consome mais calorias do que é capaz de queimar. Se nada for feito, o excedente de energia contribui, conforme todos sabemos, para vários tipos de problemas de saúde, incluindo resistência à insulina – frequentemente o primeiro passo em direção ao diabetes – e outros problemas metabólicos.

Comer demais e fazer poucos exercícios são duas das causas do excedente de energia. Juntos, seus efeitos negativos são exacerbados, frequentemente em um período extremamente curto de tempo. Estudos iniciais revelaram que até mesmo alguns dias de pouca atividade e alimentação excessiva podem dar início a mudanças negativas na saúde de nossos corpos.

Alguns dos experimentos também revelaram que os exercícios impedem os efeitos negativos desse tipo de comportamento, em grande parte – acredita-se – por meio da redução do excedente de energia, pois ele queima parte dessas calorias excessivas. No entanto, poucos cientistas suspeitavam que os exercícios poderiam fazer ainda mais; eles podem ter efeitos fisiológicos que vão além de eliminar o excesso de energia.

Para testar essa possibilidade, seria necessário manter um excedente de energia, mesmo com exercícios. Portanto, foi isso que os pesquisadores da Universidade de Bath pediram para os voluntários fazerem.

O método foi muito simples. Eles dividiram aleatoriamente os voluntários em dois grupos, um dos quais deveria correr todos os dias a um ritmo moderadamente forte durante 45 minutos. Os outros não deveriam praticar qualquer exercício.

Os membros de ambos os grupos também foram informados de que deveriam deixar de se movimentar tanto, diminuindo o número de passos que davam para não mais de 10.000 e de 4.000 em média, conforme observado por pedômetros. Os exercícios que o outro grupo fazia nas esteiras não entravam para a contagem de passos. A não ser quando corriam, o grupo era tão inativo quanto o outro.

Foi solicitado que ambos os grupos comessem substancialmente mais. Os voluntários que não se exercitavam aumentaram o consumo diário de calorias em 50%, quando comparados aos que se exercitavam, ao passo que o grupo que se exercitava consumiu quase 75% mais calorias, levando-se em conta os 25% adicionais que substituíram a energia queimada durante o treinamento.

No geral, o excedente de energia diário de cada grupo era basicamente o mesmo.

O experimento continuou por sete dias. Então, ambos os grupos retornaram ao laboratório para realizar mais testes, incluindo novas análises de insulina e uma nova biópsia do tecido adiposo.

Os resultados foram impressionantes. Depois de apenas uma semana, os jovens que não se exercitaram exibiram uma queda significativa na qualidade do controle glicêmico do sangue e, de forma igualmente preocupante, as células adiposas que passaram pela biópsia pareciam ter desenvolvido uma cepa prejudicial. Essas células, examinadas por meio de técnicas sofisticadas de testes genéticos, estavam destacando uma série de genes que podem contribuir para mudanças metabólicas pouco saudáveis e suprimindo genes potencialmente importantes para um metabolismo que funcione corretamente.

Malefícios neutralizados

Todavia, os voluntários que se exercitaram uma vez ao dia, apesar de apresentarem excessos de energia similares, não exibiam os mesmos efeitos negativos. Seu controle glicêmico continuou a funcionar corretamente e as células adiposas exibiam muito menos alterações potencialmente indesejadas na expressão de genes, quando comparada às dos jovens sedentários.

“A prática de exercícios pareceu cancelar completamente muitas das mudanças induzidas pelo excesso de alimentação e pela queda nas atividades”, afirmou Dylan Thompson, professor de ciências da saúde da Universidade de Bath, além de autor sênior do estudo. E nos casos em que os exercícios não eliminavam os efeitos negativos, acrescentou, eles os “aliviavam”, deixando o grupo que se exercitou “em melhor condição que o que não se exercitou”.

Do ponto de vista científico, essa descoberta sugere que os efeitos metabólicos da alimentação excessiva e da falta de atividade física são multifacetados, afirmou Thompson, com um excedente de energia que gera mudanças genéticas e outras mudanças fisiológicas. Entretanto, é impossível dizer o quanto os exercícios revertem esses efeitos com base nesse experimento, afirmou Thompson. As diferenças em como o metabolismo de cada grupo utilizou as gorduras e os carboidratos pode ter um papel, assim como a liberação de determinadas moléculas por parte dos músculos que se exercitaram, o que ocorreu apenas entre os jovens que correram.

Contudo, o que é mais interessante para o momento é a mensagem prática do estudo, que diz que “se você está passando por um momento de muito consumo e poucas atividades” – também conhecido como fim de ano – “um pouquinho de exercícios todos os dias pode ajudar a prevenir as mudanças negativas, ao menos no curto período”, afirmou Thompson. Naturalmente, seu estudo envolveu homens jovens e em boa forma e um período relativamente prolongado de exercícios. No entanto, as descobertas provavelmente também se aplicam, segundo ele, a outros grupos, como adultos mais velhos, mulheres e talvez até mesmo com um nível mais moderado de exercícios.

Essa é uma possibilidade na qual vale a pena apostar, enquanto os pratos de torta se acumulam.

fonte: http://boaforma.uol.com.br/noticias/redacao/2013/12/06/exercicio-diario-e-antidoto-contra-gula-de-fim-de-ano-mostra-estudo.htm

Categorias: Natal/Christmas, New Year/Ano Novo, Saúde e bem-estar | Tags: | 1 Comentário

Prostituição infantil – revoltante…cuidado!!!


Cada passo das meninas exploradas sexualmente em Manaus era orientado.

Roupa certa, horário no salão, modos de arrancar dinheiro dos clientes, truques para esconder a menstruação, pílulas do dia seguinte e até um aborto são citados em papéis da investigação obtidos pela reportagem.

Os programas aconteciam em qualquer hora e lugar: estacionamentos, escritórios, casas, motéis, barcos. Custavam a partir de R$ 300.

Garotas virgens, chamadas de “lacradas”, valiam muito nesse mercado. Um agenciador contou ter “vendido” uma delas por R$ 2.200.

“Ela ficou muito destruída. […] Era virgem mesmo, parece assustada quando voltou”, disse um suspeito, em gravação autorizada pela Justiça.

Entre os clientes -homens ricos- havia quem fizesse pedidos por meninas “tipo bebezinha”. As garotas eram como produtos. “Cata alguma coisa lá que a gente tem que mudar nosso cardápio, né?”, disse um dos agenciadores, sobre a necessidade de recrutar novas meninas.

MÃE

As garotas eram aliciadas em festas e academias. “Mas [que seja] uma bonitinha, bobinha, sem estilo de mulher”, disse um outro recrutador.

Adolescentes menstruadas eram orientadas a usar algodão molhado no canal vaginal para esconder o sangramento. “Se tu fizer o truque direitinho, não sangra, não”, disse um agenciador. Se relutavam em atender alguém, vinham as ameaças.

A existência da rede começou a vir à tona em maio de 2012, quando a mãe de uma garota de 13 anos desconfiou da filha que chegava tarde e com roupas caras. Achou um celular e a mensagem: “Tem um amigo meu que dá R$ 400, quer? É rapidinho, dentro do carro, ele é casado.”

Na delegacia, a menina contou que fora convencida por uma amiga a sair com um empresário e, no dia seguinte, uma mulher lhe telefonou oferecendo mais “babados”.

A adolescente listou nomes de clientes, conhecidos na cidade, e a operação começou.

DENÚNCIA

Quando a ação policial foi deflagrada, em novembro do ano passado, 20 pessoas foram indiciadas sob suspeita de corrupção de menores, favorecimento da prostituição, rufianismo (obtenção de lucro através de exploração sexual) e, em alguns casos, estupro de vulnerável.

O Ministério Público ofereceu denúncia. Mas a Justiça, um ano depois, ainda analisa se abrirá processo -e reconhece que a investigação anda a passos lentos.

Para o desembargador Rafael Romano, atual relator do caso no Tribunal de Justiça do Amazonas, o excesso de suspeitos e o fato de haver “gente conhecida” afetam os trabalhos. O caso está sob segredo de Justiça.

“O processo já passou por alguns relatores. Passa de um para outro, que diz que não quer. Tem muita gente conhecida, de colégio, deputado, tinha prefeito. Província, né? Continua a província”, disse.

No final de 2012, Polícia Civil e Ministério Público estavam na fase final das investigações, quando, via ação judicial, um dos suspeitos teve acesso ao teor da operação.

Foi então que policiais e promotores aceleraram e desencadearam a operação Estocolmo, com 46 mandados de busca e apreensão. À época, dez agenciadores foram presos, mas logo liberados.

O caso tramita sob sigilo em segunda instância -passou ao TJ por haver foro privilegiado de dois suspeitos.

____________________________

A rotina da estudante Giovana (nome fictício) mudou radicalmente aos 14 anos.

De família pobre, da periferia de Manaus, ela foi tomada pela curiosidade ao ver uma amiga rodeada de presentes, dinheiro e carros.

Em pouco tempo, passou até a cabular aula para entrar na rede de exploração sexual.

Não demorou e passou a fazer de seis a sete programas por dia. E ela ainda nem havia completado 15 anos.

“Emendava um programa no outro. Não parava. Ganhávamos dinheiro muito fácil. Mas, como diz o ditado, tudo que vem fácil vai fácil”, disse à Folha a adolescente, hoje com 17 anos e, segundo ela, longe dos encontros sexuais.

Há um ano, a rede de exploração sexual da qual Giovana fazia parte foi desbaratada pela polícia em Manaus.

Agora, a Folha teve acesso a detalhes das investigações sobre a forma de atuação do esquema que servia a grupos de empresários e políticos do Amazonas e que recrutava garotas pobres, com idades a partir de 12 anos.

O Ministério Público ofereceu denúncia. A Justiça ainda analisa se abrirá processo.

O caso está sob sigilo no Tribunal de Justiça do Amazonas. Um cônsul, um prefeito e um deputado estadual estão entre os suspeitos de fazer parte do esquema.

“Às vezes no meio da aula eles [agenciadores] me avisavam sobre algum programa por mensagem de celular, então me buscavam na escola e me levavam até o local do encontro. Depois, me levavam de volta pra escola ou pra casa”, disse a menina.

IDENTIDADE

“Na média, num dia, podia ganhar R$ 2.000, R$ 3.000. Variava de R$ 300 a R$ 400 [cada programa]”, completa.

Segundo a garota, a maioria dos clientes sabia que ela não tinha 18 anos -quando necessário, diz, usava uma identidade falsificada.

A vida dela, conta, mudou de novo quando a rede veio à tona, em novembro de 2012.

Policiais foram até a casa dela para apreender computadores e celulares. “A reação da minha mãe foi péssima. Ela desmaiou, foi uma coisa muito horrível”, afirma.

Outros parentes de garotas ouvidos pela reportagem relataram semelhante reação quando o caso foi revelado.

Com medo, Giovana afirma que apagou seus perfis nas redes sociais e passou a fazer, também, um curso profissionalizante. Hoje sonha com uma universidade.

“Não falo com mais ninguém, perdi o contato com todos. Eu vi e revi o que eu fazia e agora faço diferente. Quero estudar e ter meu próprio negócio.”

Categorias: Notícias e política | Tags: , , , | Deixe um comentário

Aurora

Uma imagem vale mil palavras, então...

Pedazos de miel en jaula

La existencia, la introspección y la experiencia

Filosofia Animada

Sitio Virtual onde se encontra o registro das práticas educacionais do Prof. Daniel Carlos.

throughdanielleseyes

Words, thoughts, and snapshots of life.

Dirty Sci-Fi Buddha

Musings and books from a grunty overthinker

BaileyBee

The Hive

Chairybomb

Honest Furniture Reviews

ricardo barros elt

Thinking and Living English

BA -VISUAL LESSON PLANS

for English teachers.

viralelt.wordpress.com/

Viral Videos for Higher Level ELT | Ian James | @ij64

Progressive Transit

For better communities and a higher standard of living...

Josh, Naked

A mental birthday suit

colossalvitality

Just another WordPress.com site

sindhuspace

Claiming the better half for women in a Man's World

Cybele's Haus of Digital Pain

kismetly crestfallen

Amanda Ricks

The People-First Digital Marketing Specialist.

CamiNique

Blog literário

wolf4915

Writing, Photography, Digital Art, Painting + News!

Le Blog BlookUp

Imprimez et transformez vos contenus digitaux, blogs et réseaux sociaux, en magnifiques livres papier sur blookup.com

Dr. Eric Perry, PhD

Psychology to Motivate | Inspire | Uplift

Jornal Acorda Getúlio

Os alunos fazem a escola

Kate Gale: A Mind Never Dormant

The life of a writer/editor

Biblioteca Florestan

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP

Photography Art Plus

Photography, Animals, Flowers, Nature, Sky

Vegan Children's Stories

Vegan Children's Stories

Cafe Book Bean

Talk Books. Drink Coffee.

marioprata.net

Site oficial do escritor Mario Prata

Eric Schlehlein, Author

(re)Living History, with occasional attempts at humor and the rare pot-luck subject. Sorry, it's BYOB. All I have is Hamm's.

Through Open Lens

Home of Lukas Kondraciuk Photography

OldPlaidCamper

The adventures of an almost outdoorsman...

PROVERBIA

"Crítica Social, Lírica y Narrativa"

Top 10 of Anything and Everything - The Fun Top Ten Blog

Animals, Gift Ideas, Travel, Books, Recycling Ideas and Many, Many More

gaygeeks.wordpress.com/

Authors, Artists, Geeks, Husbands

DaniellaJoe's Blog

crochet is my favorite fiber art and my goal is to become a real artist...