Arquivo do mês: março 2017

É hoje!


Protestos pelo Brasil todo! Vamos lá!

Povo sem medo nas ruas

9h em Salvador, no Campo da Pólvora

15h em Fortaleza, na Praça da Bandeira

16h em São Paulo, na Avenida Paulista, em frente ao MASP
no Recife, na Praça do Diário
e em Brasília, na Rodoviária Plano

17h em Florianópolis, no Largo da Alfândega
em Belo Horizonte, na Praça da ALMG
no Rio de Janeiro, na Candelária

18h em Curitiba, na Praça Carlos Gomes
em Porto Alegre, na Esquina Democrática

Anúncios
Categorias: Notícias e política | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

The Nature of Ambition


CHIC CREEP

This short comic comes from Incidental Comics creator Grant Snider. Here, he perfectly personifies how ambition happens, what it can become, what can ruin it, and how you’ll pull through.

Image

Image

All is fair in love and ambition. If you like these comics and want to view more head to incidentalcomics.com

Hope you guys are having an amazing St. Patty’s day!

Stay Creepy

Ver o post original

Categorias: Sem categoria | Deixe um comentário

E então, que quereis?…


Fiz ranger as folhas de jornal
abrindo-lhes as pálpebras piscantes.
E logo
de cada fronteira distante
subiu um cheiro de pólvora
perseguindo-me até em casa.
Nestes últimos vinte anos
nada de novo há
no rugir das tempestades.

Não estamos alegres,
é certo,
mas também por que razão
haveríamos de ficar tristes?
O mar da história
é agitado.
As ameaças
e as guerras
havemos de atravessá-las,
rompê-las ao meio,
cortando-as
como uma quilha corta
as ondas.

Categorias: Books/Livros | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Meu outro blog


Levando em consideração essa crise econômica bravíssima, que me trouxe apenas propostas de trabalho indecentes (de verdade!), e a ainda-não-existência-de-um-projeto-de-pós-doc-meu (porque o assunto que quero abordar é complexo demais e não me sinto preparada para lidar com ele), comecei um blog para tentar angariar alunos particulares. Até agora, várias pessoas visitaram – tanto o blog quanto a página no Facebook, mas aluno que é bom…

Visitem e divulguem, se possível!

Categorias: Myself | Tags: , | Deixe um comentário

When pain is medicine


Sindhu S.
August 09, 2016 00:46 IST

When the time comes, we should take palliative care take charge and learn to let go.

A year ago, when I walked into the Intensive Care Unit and saw my father wailing and roiling in pain, all I wanted to do was run, somewhere far, where his cries wouldn’t reach me.

My 84-year-old father, my best friend, was enduring raw, intrusive medical procedures against his own wish. All skin and bones, he looked defenceless and at the mercy of doctors, his arms tied up, vulnerable, and agonised.
My father, the only person who could love me even when I wasn’t lovable; the one who taught me the rules of living simply, the one who told me my first stories during our evening walks, with whom I felt protected walking in the world.

The sight of him stripped of any sense of comfort or dignity on that hospital bed was unbearable. His frail body slipped out of his hospital dress, bared at the shoulder. He winced as a needle stuck in his neck wedged into the flesh when he rolled his head on the pillow in distress.

A feeding tube ran in through his nose, and went down his throat into his stomach.Catheter tubes were inserted into his bladder to drain out urine; another tube, attached to a suction pump, was passed down his windpipe, and used to remove fluid from the airway. Medics had attached monitoring equipment to measure bodily functions; wires ran out taking readings from his vital organs to display screens; showing his heart and pulse rate, airflow to his lung, oxygen levels and body temperature.

Tubes were inserted intravenously to supply essential fluids and antibiotics to cure a suspected blood infection. But no sedatives or painkillers were administered for fear his weak heart could not take more chemicals. The needle jammed into his central line – a really painful procedure I learnt — made it impossible for him to turn his head to the left. Dialysis took over the job as his kidneys had resigned to the idea of his dying. The machine cleansed his blood every night, during the last five nights, his heart protesting with two mild cardiac arrests.

Hard to convince

It was a harrowing experience, having to watch him suffer the insufferable. I stood by his side trying to convince all those who seemed to have a say on his life that it was a cruel line of treatment they were imposing. I knew he had always wanted to die peacefully and painlessly, but neither the doctors nor other close relatives, who were in charge before I could reach his side, would listen.

‘‘Is there hope of him getting well and out of hospital alive?’’ I asked the duty doctor the next morning, crushing sadness, when my mother was not around.

‘‘He has multiple organ failure,’’ the doctor said. ‘‘Over that, he has blood and urinary infection. His kidneys are not functioning. The situation is bad.’’

‘‘If the situation is that bad, why can’t you get rid of all these wires and needles, and give him some sedative so he can sleep?’’ I asked. ‘‘And why continue with dialysis, something so painful and risky?’’
‘‘We can’t stop treatment. We are supposed to do everything we can to keep the patient alive,’’ he said.
For whose benefit?

I didn’t get it. Why keep the patient alive for a few more days, if it involved excruciating pain? Keep the patient alive for whose benefit? Was he a mere specimen for medical students who came around to learn practical lessons each day? But I didn’t want to infuriate the doctors in whose hands we had surrendered his body, and who had broken down his body into isolated segments only they could put back together again, if at all. He was rolled into the hospital as one semi-conscious whole three days ago!

I was desperate to change something that would provide even the slightest relief. ‘‘How about giving some medication to give him pain relief? Surely you must have some medicine for that?’’

‘‘It is risky. Last night he had a mild cardiac arrest during dialysis. He is already under heavy medication for the blood infection. It could get complicated,’’ the doctor said, looking at me with sympathy.

‘‘Complicated? You mean he could die?’’ I asked, feeling more helpless. No reply, except a kind look.

A few feet away, my father was heaving and groaning with heart- wrenching constancy. Nurses and student-doctors walked around doing their job, deaf and blind to the cries from the ward.

‘‘Please give him some medication for pain relief. Please, please, please,’’ I begged, wanting to cry out loud. The doctor smiled at my concern.

‘‘I will ask my senior doctor tomorrow if we can give him some sedative,’’ he said.

When I went into the ICU the same evening, my father was sleeping. ‘‘We have given him a mild dose of pain relief medication,’’ the same doctor I had made the request that morning said. I felt some relief.

The next morning, and another dialysis later, my father was again writhing in pain and distressed beyond words. I begged the senior doctor in whose charge my father was for more pain relief as she sat flipping through his file.‘‘He can’t be feeling so much pain after all the medication we give him. He would be too drowsy to feel any. He is being fussy. He starts screaming even when the nurses are cleaning him up,’’ she said.

Elusive peace

Exactly my point, I thought. If it is hurting him so much, why can’t you pull out those dreadful needles and let him die in peace? But I wasn’t the doctor, and at that point in time I wasn’t very clear about what was going on as against what better could be done.

That evening I walked to his bedside, holding back my fear and despair. He was whimpering, with half-open eyes, looking around, but not seeing me. The trauma and medication had affected his sight. I was distraught watching him suffer thus, stripped of dignity. I remembered the time my grandmother was bedridden and fed with a tube, years ago. When she cried in pain, when the nurse changed her feeding tube, my father would run out of the house, out of the gate, covering his ears. And here he was suffering the same fate, only much worse.

Another morning, and after another session of dialysis, neither my mother nor me had the courage or the heart to go in. We could only see him twice a day, for five minutes in the mornings and five in the evenings. Only one person was allowed to visit at a time. Mornings after dialysis were living hell for him. I wanted to go in later when he was asleep. Adarsh, a young neighbour who used to take care of my father in his last days much like a grandson, went in. He came back upset, said my father was beseeching God in his restiveness.

The sheer torture

The same evening I walked into the ward after my mother had come out. Even as I was approaching his bed I heard him plead, his voice slurred. ’’Please don’t torture me.’’ His swollen palms were red, bearing evidence of the many failed attempts made to get a vein. His arms were tied to the side of the cot so he wouldn’t pull out the tubes when he was more conscious. Through his half-open eyes I could see his pupils dashed around blindly. My heart bled each time he moaned. I wanted to die in his place.

Somehow, holding back tears, I stood by his side, and slipped my fingers into his folded hand, which lay inert by his side. He gently closed his hand around my trembling fingers. I knew then that even in his grave suffering, he was trying to comfort me as only a father can. His eyelids twitched, as if to tell me he was awake and listening but unable to respond.

‘‘Don’t worry father,’’ I said in his ears. ‘‘I am trying to get you out of this place. Meanwhile, please pray, so you won’t feel much pain.’’ I couldn’t say more. When I walked out, my mother went in to see her husband of fifty- plus years. ‘‘He isn’t looking any better,’’ she said with moist eyes when she came out. We sat on chairs outside the ward, among scores of visitors waiting for their turn to go in and see their loved ones, or were there to hand over food or medicines.

‘‘We can’t even sit with him. If he were in a room, I could speak to him and make him feel better,’’ my mother said, anguish riding over love.

‘‘I think he will come home safely. He is only 84. I am sure he will live for at least a few more years,’’ she said, as if to assure me we were in the right place.

I didn’t think so. But a look at her face, and I decided to hold my tongue. She looked tired and confused. She was diabetic, had high blood pressure and cholesterol. She had been looking after my father for many years, administering his insulin shots, checking his blood sugar with the home kit, rushing him to hospital in the ambulance in the middle of the night when he became delirious with blood sugar dips. I couldn’t distress her more, not then.

Love, disoriented

My father was attached to my mother, and fully dependent on her in his last few years. I remember how, a few weeks ago, in a hospital closer home, before he was referred to this big place, he told nurses, ‘‘She is my mother,’’ pointing to his own wife. He was mixed-up from frequent hospitalisation, disoriented in time and place.

My eyes were tearing up. I didn’t want my mother to see me cry. I walked across the dim waiting room as it started raining and stared into the dark outside the window, where I stood wiping my tears, training my mind for another sleepless night when my father would be put through another torturous round of dialysis.

‘‘Every night I go to bed praying to God to give me a peaceful death in my sleep, a painless quick death,’’ his words from the past made me desperate to get him out of the place.

But I didn’t know what options I had to stop his pain, or whether I had any. Worried to hell, I stood there with no idea of the existence of something called palliative care.

One more night later, another duty doctor called me outside the ward and told me the blood report had arrived that morning and it said my father didn’t have any blood infection, for which they were treating him with strong drugs for a week now! Could they not have waited till the report came before starting such painful medication?

I went in to see my father, heartbroken and angry about the situation. He was faintly pleading to no one in particular, ‘‘Please don’t torture me.’’ I died a thousand deaths in that single moment.

Forms to be filled

I requested the doctor to stop all painful treatment immediately and prescribe painkillers instead. He said he too wanted to do that but first I should fill up the required forms. I did so immediately.
Before I left the ward, I had promised father I would shift him back home at the earliest. I asked my father to pray in the meantime. He started chanting prayers almost immediately. He could hear us all the while! Tears gushed out of my eyes.

An hour later, they called me again to the ICU to inform me that my father had died of a cardiac arrest. When I saw him lie still like an empty shell, shocked and relieved in death, my faith in humanity was crushed to dust. My father passed away a day before we could move him to palliative care, even though I came across the word only the day he died. I will regret it for the rest of my life.

A year on, I still cannot forget his helpless days on that hospital bed. I cannot get over his cries. I get sudden weeping spells in the middle of a workday.

A new direction

But my father did not pass away without pointing me in a new direction – palliative Care – a term I heard the morning he died. It was an old friend of his, a much younger person than him, who I had called for advice. He said: ‘‘Oh no. We need to give him palliative care immediately. Let me call a doctor friend of mine who is into pain relief. We will move him out at the earliest. I had felt hope for the first time, after many days when I heard those words. But a couple of hours later, my father passed away.

A year since I know something as beautiful and gentle as palliative care was available as a treatment option, close by, just a call away.

My father died a painful death due to overtreatment after enduring seven days of cruel life-sustaining clinical interventions in a private medical college hospital, alone.

And all he wanted to do in the end was sleep, not eat or drink, just rest and slide into the other world surrounded by his loved ones, with the ease of falling asleep, dying a natural death.

(The author, based in Mumbai, is working on a book on the quality of elderly deaths in India. She is involved in a campaign led by Pallium India to make the end of life painless for the terminally ill. E-mail: cyndhu@gmail.com )

Categorias: Sem categoria | Deixe um comentário

12


Hoje faz exatamente 12 anos que comecei este blog. Achando que escreveria todos os posts em Inglês, Francês e Português hahahahhahahah Como eu era tonta! E tinha muito tempo livre, claro 😉

décimo segundo aniversário do blog!

Categorias: Myself | Tags: , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Debate para hoje


Longo debate, aliás…no início de fevereiro, uma amiga repassou esta publicação, que reproduzo abaixo, caso algum dia o post do Facebook suma:

“Meu nome? F. L.* Então, eu não tô nessa vida porque eu quero, né…eu tenho 27 anos e me prostituo desde os 13. Vim lá de Minas Gerais pra São Paulo, porque meu pai faleceu quando eu era bebê ainda e meu padrasto batia muito na minha mãe. Eu não aguentava ver aquilo, mas mesmo assim eu ficava lá, até o dia em que ele me estuprou. Eu tentei matar ele com um facão, mas mesmo depois disso minha mãe ficou do lado dele. Aí eu peguei cadeia, cumpri a pena e fugi pra cá.

Quando cheguei, eu morei com a minha tia, mas ela não me ajudava, só deixava eu dormir lá. Então, pra tirar um dinheiro eu fui me prostituir, fiz programa até os 17, que foi quando fui trabalhar numa boate lá na Praça da Árvore, fiquei um tempo lá, mas não deu certo, aí viajei o Brasil todo fazendo programa e voltei pra cá faz três anos.

Nessas andanças eu morei com travesti, com viado, sapatão. Só não voltei pra minha tia porque eu sou viciada no pó desde que entrei na boate e ela não gostava, mas nunca roubei, sempre trabalhei pra ter a droga.
A gente não faz programa porque gosta, mas é um vício, é ver sua filha de 3 anos precisando de comida e você ter que ganhar um dinheiro fácil sem roubar. Mas é muito perigoso, já colocaram arma na minha barriga duas vezes pra não pagar, já me sequestraram e soltaram no meio da rodovia lá pra Mairiporã de madrugada, não é fácil.
Eu nunca quero isso pra minha filha, não é vida pra ninguém. Ela pode dar pra quem quiser, mas não quero que ela viva isso aqui. Meu sonho é sair desse lugar e ficar de boa, voltar com meu ex-marido e fazer uma família com ele, minha filha e o nenê que tá vindo. Aqui o capeta engorda todo dia.”

Embaixo da publicação, minha amiga comentou:

“Não há nada de “empoderador” em uma prática que NÃO é a escolha da maioria de suas praticantes e que corrobora na objetificação e subvalorização das mulheres. Quantos bordéis para mulheres irem ter sua primeira relação sexual existem? Só esse fato já mostra que é algo sexista, que não deve ser romantizado ou aceito como um “trabalho qualquer”.

Aí começou o debate no mural dela, que reproduzo aqui:

“Sem romantizar… Mas ser realista é lutar pra melhorar as condições de trabalho desumanas a que essas mulheres são submetidas ou lutar pra acabar de vez com uma profissão que depende diretamente dá manutenção do machismo? Qual a utopia a se perseguir, e qual o discurso a se manter que não corrobora com o machismo (tanto o contra como o a favor podem fazer o mesmo). Acho que o lugar dá prostituta é um dos nós mais complicados do feminismo, porque não dá também pra tomar uma posição do tipo “não devia existir, portanto luto contra”, porque tem gente que depende daquilo pra viver, e sem aquilo não tem pra onde correr. É embaçado…”

“Sim, é uma questão bem complexa, mas por ser um dos alicerces da objetificação e subvalorização das mulheres não creio que adotar medidas para “regulamentar a profissão” seja o caminho. Naturalmente não se trata de marginalizar ainda mais quem está na prostituição, mas oferecer alternativas muito boas para quem quer sair dessa vida de riscos.”

“Mas isso seria o ideal… Que só vai acontecer no apocalipse zumbi junto com as alternativas para ex-presidiários. E enquanto não chega, o que fazer dessas mulheres?”

“O fim da escravidão também aparecia como uma utopia….claro que devemos considerar que ainda há trabalho escravo hoje em dia e que acabar com a escravidão sem dar alternativas para o povo liberto não foi o ideal. Mas prefiro crer que proibir a escravidão é melhor do que “regulamentá-la”.

Enquanto não chega o fim da prostituição, oferecer outras opções para estas mulheres é a saída. Creio que um mísero Bolsa Família, pago diretamente às mulheres, contribuiu para evitar que muitas caíssem na prostituição.
Enquanto houver a mercantilização do corpo feminino não poderemos falar em emancipação feminina.”

“Eu acho que pode ser um caminho, sim… assim como acho que oferecer seringa pra quem usa heroína é um caminho (ok, a comparação parece meio doida, mas vou tentar explicar).

Acho que a regulamentação aproxima as trabalhadoras do sexo dos serviços públicos de assistência e as coloca novamente sob a égide do Estado. Sozinhas, essas medidas não resolvem o problema, mas podem abrir caminho pra outras formas de intervenção que ajudem quem quer sair da prostituição… No pior dos casos, pelo menos terão acesso a assistência médica, jurídica, aposentadoria, etc…”

“E sem falar que a prostituição depende estruturalmente dessa condição desumanizada das mulheres, é isso poderia gerar formas de independência a longo prazo”

“Continuaremos naturalizando as mulheres enquanto objetos, não vejo isso como solução.”

“Ai gente, muito difícil…. mesmo…. Acho que não tem resposta pronta, talvez regulamentar ajude a caminhar o processo, talvez não e atrase a crítica à prostituição, de toda forma é insuficiente… Mas o fundamental acho é criar espaços de diálogo com essas mulheres via estado e fora dele, ONGs sérias, grupos de mulheres enfim, porque a coisa não vai melhorar sem disposição da sociedade civil de dialogar e colaborar, e olhar pra esse submundo sem sete pedras na mão. O mesmo vale pros presidiários, como os Racionais alertam faz tempo. Parece que é como a droga, fácil de entrar, difícil de sair, quanto mais vulnerabilidade social mais difícil.

E também não podemos esquecer que quanto mais “sobe” o “nível” da prostituta, mais você encontra mulheres que não querem sair da “vida” (vida?), que preferem ganhar de 5 a 30 mil no puteiro do que 2 mil em outro serviço. E tb não sei se a proibição mudaria muita coisa no caso dos Bahamas da vida, que vão continuar existindo pros homens ricos que pagam 300 reais a hora de sexo. Conheci puta que gosta do que faz e não larga. Mas acho que a maioria é como o caso acima, vulnerabilidade social extrema, histórico de abuso etc.

E uma vez que nosso hipócrita estado não proíbe a prostituição, ela deveria ser regulamentada mesmo se não for ser proibida. Ridículo, proíbe aborto e não prostituição. Ridículo”

“Sobre a “polêmica” envolvendo a fala política de uma trabalhadora do sexo organizada num programa da Globo e a reação que tá rolando a essa fala.

Essas discussões sempre começam com “você é a favor ou contra a pauta x?”, e a briga segue entre quem é a favor e quem é contra. Um monte de gente, “teóricas e teóricos” do trabalho sexual, discutindo a favor ou contra um espantalho da discussão feita por trabalhadoras organizadas, que tem suas demandas, fruto de organização políticas, tratadas como “só mais uma opinião” dentro do balaio.

Tá errado. Tá errado pra caralho. Isso começa com a organização política das trabalhadoras. E já começou. Faz tempo. Desde 20, em Hamburgo, com o sindicato de prostitutas comunistas citado por Lenin em carta a Zetkin, se precisam desse tipo referência pra ouvir. E estão organizadas hoje, e têm demandas políticas.

Sigo, e sigo acreditando que deveríamos todas seguir, do lado da organização política e de caráter trabalhista das mulheres da nossa classe. Que sigam se organizando e se fortalecendo, enquanto mulheres e enquanto categoria, mais e mais. Sigo, como acredito que deveríamos, acreditando que a luta organizada de trabalhadoras deve ser fortalecida, não silenciada; incentivada, não pixada de “o que faz o feminismo sangrar”, como tivemos o desprazer de ler.

Se há discordâncias políticas, que elas sejam tratadas, como são, dentro do movimento das trabalhadoras em luta. Mas quanto é toda a sociedade e o próprio senso comum versus a organização política de mulheres trabalhadoras, não deveria ser muito difícil escolher o lado.

O feminismo revolucionário sangra, isso sim, quando há luta contra a organização política de caráter trabalhista das mulheres da nossa classe.”

“”Precisamos parar urgentemente de falar de prostituição como se fosse ato sexual. Não é. Prostituição é sobre dominação masculina, trata do exercício de poder masculino sobre os corpos femininos. Toda a ideia de que é possível comercializar corpos de mulheres, estabelecer preços sobre cada parte a ser tocada (“consumida”) ou sobre o que se pode fazer com cada pedaço do corpo , tudo isso parte da objetificação da mulher, da ideia de que nossos corpos podem ser desmembrados e a esses pedaços de carne atribuir valor de acordo com o prazer que podem dar aos homens.

É necessário um enfrentamento de questões simples, como por exemplo: por que a prostituição é historicamente uma atividade destinada às mulheres ou, no máximo, àqueles homens que assumem símbolos de feminilidade como parte de sua identidade? Por que os prostituintes* são em sua maioria pessoas do sexo masculino?

Nada disso é coincidência. A prostituição é uma ferramenta de exploração histórica intimamente ligada à submissão imposta às mulheres desde que o patriarcado as separou entre aquelas que serviriam para a procriação (esposas/mães) e aquelas destinadas apenas a dar prazer sexual aos homens (prostitutas). E quando eu falo patriarcado eu espero que vocês não imaginem um ser sem forma espalhando maldade, mas um sistema que se materializa na vida de todas as mulheres, onde os agentes responsáveis pelo estabelecimento e perpetuação desse sistema são aqueles que se beneficiam dessa exploração: membros da casta favorecida, os do sexo masculino.

Procurar e encontrar respostas para essas perguntas vai nos mostrar que não é possível um movimento de emancipação das mulheres sem que este tome como pauta fundamental e urgente a eliminação dessa exploração sexual, que não é compatível lutar pelas mulheres e ao mesmo tempo apoiar sua submissão. Nenhuma mulher será emancipada enquanto a dominação masculina e a submissão feminina** existirem. São dois lados complementares da estrutura patriarcal e para destruir essa estrutura precisamos atacar na base, eliminando todas as formas de exploração do sexo feminino. Todas, sem exceção.

*O termo prostituinte refere-se àquele que paga, difere do prostituidor, que é aquele que alicia para a prostituição, também chamado de proxeneta ou cafetão.

**Vou deixar aqui um trecho que me parece instigante sobre essas questões:
“A prostituição emerge da submissão do corpo das mulheres. Se não fosse assim, teriam homens na beira das estradas e mulheres comprando/pagando eles. Mas homens não podem ‘escolher’ se prostituir. Mulheres não têm uma sexualidade dominante e não foram criadas para verem homens como seus objetos sexuais. Prostituição é sobre os direitos e privilégios dos homens de dominação e objetificação sexual da mulher. Se existisse igualdade então mulheres não poderiam ‘escolher’ se prostituir porque não existiria prostituição.” (Sheila Jeffreys)”” [Via Tamy Snow]”

Categorias: Notícias e política | Tags: , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Das últimas


Ultimate beastmaster

Não acredito que fiquei torcendo por uns caras passando por obstáculos, mas o fato é que fiquei 😛 hehheheh Muito bom o programa, assistam no Netflix se tiverem. O que estraga é o Rafinha Bastos, que co-host com o Anderson Silva.

Escalador.  Altura: 1,68  Peso: 62kg

Escalador.
Altura: 1,68
Peso: 62kg

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Aniversário da Keiko hoje. Ainda é engraçado pensar que uma amizade iniciada por carta em 1997 entre uma menina do Brasil e uma moça do Japão duraria tanto tempo, e que a gente se encontraria cara a cara na Itália quase 20 anos depois…:)

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

A tontura do cruzeiro parece ter passado. Mas vou continuar tomando cuidado, e levantando devagar toda vez que deitar.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Demorou mais de um mês, mas consegui voltar ao documentário The act of killing e terminá-lo ontem. Aproveitando que já estava “embalada”, também vi o documentário seguinte dele, The look of silence, também sobre o mesmo assunto, só que de outra perspectiva. Foram socos e facadas no estômago, claro. É o tipo de coisa que você não quer acreditar que tenha acontecido. Mostra, vivas e majoritariamente felizes!, as pessoas que fizeram aquilo, e que não têm vergonha de olhar pra câmera e contar o que fizeram. Não dá. É deprimente, é revoltante, é horrível. Adorei porque o Joshua Oppenheimer narrou o inenarrável.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Retomando o contato com o italiano: Chiuso per lutto, de Gianni Simoni. Estou no capítulo 10, e só agora é que parece que ocorreu um assassinato. Fiz a besteira de pesquisar no Google pra não ter que ir pro quarto pegar o nome do autor, e vi que a sinopse contém spoilers ahahhahaha: “Il commissario Miceli è al suo primo giorno di pensione, quando una lettera del Ministero lo informa che, a causa di un errore di calcolo, gli toccherà lavorare un altro anno. Tuttavia, nel frattempo, Grazia Bruni, fresca di nomina a nuovo commissario, ha preso servizio. Si ritrovano così a dover collaborare, gomito a gomito, l’esperto e saggio Miceli e la giovane e risoluta Bruni. E dietro le quinte, come sempre, c’è l’ex giudice Petri a dar loro una mano. Questa volta il caso, anzi i casi, di omicidio, sono due: due uomini assassinati con inaudita violenza. E il buon vecchio Petri, per una curiosa fatalità, li conosceva entrambi. Così, suo malgrado, si troverà personalmente coinvolto nelle indagini. E se, in un primo momento, le piste sembrano chiare, ben presto si confondono, si incrociano, sembrano diventare una sola, finché… si perdono tutte le tracce. A Petri, a lui solo, l’onere di conoscere la verità, ma di doverne portare il peso in silenzio”.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Pais foram pra Epitácio, então hoje vou lá ver a Luninha.

Categorias: Myself | Deixe um comentário