Hobbies

Vai entender…


 

Estamos ainda em novembro, ou seja, exceto pela publicação do último dia 26, faz um ano (1 ano!!!!) que não publico aqui. E, no entanto, este ano tive mais visualizações e cliques do que em qualquer outro ano desde o início do blog! hahahahhahaha E ainda falta um mês e alguns dias pro final do ano, hein! Isso quer dizer que as estatísticas desse ano baterão qualquer recorde meu 😛

Acho que algumas pessoas me amam, e sempre vêm aqui pra ver se finalmente publiquei algo novo – como a resposta este ano foi constantemente um não, isso deu ao blog mais visualizações. Só tenho essa explicação 😛

Categorias: Computadores e a Internet, Computadores e Internet, Computers and Internet, Hobbies, Myself, Sem categoria | Deixe um comentário

The philosophy of composition


by Edgar Allan Poe

CHARLES DICKENS, in a note now lying before me, alluding to an examination I once made of the mechanism of “Barnaby Rudge,” says — “By the way, are you aware that Godwin wrote his ‘Caleb Williams’ backwards? He first involved his hero in a web of difficulties, forming the second volume, and then, for the first, cast about him for some mode of accounting for what had been done.”

I cannot think this the precise mode of procedure on the part of Godwin — and indeed what he himself acknowledges, is not altogether in accordance with Mr. Dickens’ idea — but the author of “Caleb Williams” was too good an artist not to perceive the advantage derivable from at least a somewhat similar process. Nothing is more clear than that every plot, worth the name, must be elaborated to its dénouement before any thing be attempted with the pen. It is only with the dénouement constantly in view that we can give a plot its indispensable air of consequence, or causation, by making the incidents, and especially the tone at all points, tend to the development of the intention.
There is a radical error, I think, in the usual mode of constructing a story. Either history affords a thesis — or one is suggested by an incident of the day — or, at best, the author sets himself to work in the combination of striking events to form merely the basis of his narrative — designing, generally, to fill in with description, dialogue, or autorial comment, whatever crevices of fact, or action, may, from page to page, render themselves apparent.

I prefer commencing with the consideration of an effect. Keeping originality always in view — for he is false to himself who ventures to dispense with so obvious and so easily attainable a source of interest — I say to myself, in the first place, “Of the innumerable effects, or impressions, of which the heart, the intellect, or (more generally) the soul is susceptible, what one shall I, on the present occasion, select?” Having chosen a novel, first, and secondly a vivid effect, I consider whether it can best be wrought by incident or tone — whether by ordinary incidents and peculiar tone, or the converse, or by peculiarity both of incident and tone — afterward looking about me (or rather within) for such combinations of event, or tone, as shall best aid me in the construction of the effect.

I have often thought how interesting a magazine paper might be written by any author who would — that is to say, who could — detail, step by step, the processes by which any one of his compositions attained its ultimate point of completion. Why such [column 2:] a paper has never been given to the world, I am much at a loss to say — but, perhaps, the autorial vanity has had more to do with the omission than any one other cause. Most writers — poets in especial — prefer having it understood that they compose by a species of fine frenzy — an ecstatic intuition — and would positively shudder at letting the public take a peep behind the scenes, at the elaborate and vacillating crudities of thought — at the true purposes seized only at the last moment — at the innumerable glimpses of idea that arrived not at the maturity of full view — at the fully matured fancies discarded in despair as unmanageable — at the cautious selections and rejections — at the painful erasures and interpolations — in a word, at the wheels and pinions — the tackle for scene-shifting — the step-ladders and demon-traps — the cock’s feathers, the red paint and the black patches, which, in ninety-nine cases out of the hundred, constitute the properties of the literary histrio.

I am aware, on the other hand, that the case is by no means common, in which an author is at all in condition to retrace the steps by which his conclusions have been attained. In general, suggestions, having arisen pell-mell, are pursued and forgotten in a similar manner.

For my own part, I have neither sympathy with the repugnance alluded to, nor, at any time, the least difficulty in recalling to mind the progressive steps of any of my compositions; and, since the interest of an analysis, or reconstruction, such as I have considered a desideratum, is quite independent of any real or fancied interest in the thing analyzed, it will not be regarded as a breach of decorum on my part to show the modus operandi by which some one of my own works was put together. I select “The Raven,” as most generally known. It is my design to render it manifest that no one point in its composition is referrible either to accident or intuition — that the work proceeded, step by step, to its completion with the precision and rigid consequence of a mathematical problem.
Let us dismiss, as irrelevant to the poem per se, the circumstance — or say the necessity — which, in the first place, gave rise to the intention of composing a poem that should suit at once the popular and the critical taste.
We commence, then, with this intention.

The initial consideration was that of extent. If any literary work is too long to be read at one sitting, we must be content to dispense with the immensely important effect derivable from unity of impression — [page 164:] for, if two sittings be required, the affairs of the world interfere, and every thing like totality is at once destroyed. But since, ceteris paribus, no poet can afford to dispense with any thing that may advance his design, it but remains to be seen whether there is, in extent, any advantage to counterbalance the loss of unity which attends it. Here I say no, at once. What we term a long poem is, in fact, merely a succession of brief ones — that is to say, of brief poetical effects. It is needless to demonstrate that a poem is such, only inasmuch as it intensely excites, by elevating, the soul; and all intense excitements are, through a psychal necessity, brief. For this reason, at least one half of the “Paradise Lost” is essentially prose — a succession of poetical excitements interspersed, inevitably, with corresponding depressions — the whole being deprived, through the extremeness of its length, of the vastly important artistic element, totality, or unity, of effect.

It appears evident, then, that there is a distinct limit, as regards length, to all works of literary art — the limit of a single sitting — and that, although in certain classes of prose composition, such as “Robinson Crusoe,” (demanding no unity,) this limit may be advantageously overpassed, it can never properly be overpassed in a poem. Within this limit, the extent of a poem may be made to bear mathematical relation to its merit — in other words, to the excitement or elevation — again in other words, to the degree of the true poetical effect which it is capable of inducing; for it is clear that the brevity must be in direct ratio of the intensity of the intended effect: — this, with one proviso — that a certain degree of duration is absolutely requisite for the production of any effect at all.

Holding in view these considerations, as well as that degree of excitement which I deemed not above the popular, while not below the critical, taste, I reached at once what I conceived the proper length for my intended poem — a length of about one hundred lines. It is, in fact, a hundred and eight.

My next thought concerned the choice of an impression, or effect, to be conveyed: and here I may as well observe that, throughout the construction, I kept steadily in view the design of rendering the work universally appreciable. I should be carried too far out of my immediate topic were I to demonstrate a point upon which I have repeatedly insisted, and which, with the poetical, stands not in the slightest need of demonstration — the point, I mean, that Beauty is the sole legitimate province of the poem.

A few words, however, in elucidation of my real meaning, which some of my friends have evinced a disposition to misrepresent. That pleasure which is at once the most intense, the most elevating, and the most pure, is, I believe, found in the contemplation of the beautiful. When, indeed, men speak of Beauty, they mean, precisely, not a quality, as is supposed, but an effect — they refer, in short, just to that intense and pure elevation of soul — not of intellect, or of heart — upon which I have commented, and which is experienced in consequence of contemplating “the beautiful.” Now I designate [column 2:] Beauty as the province of the poem, merely because it is an obvious rule of Art that effects should be made to spring from direct causes — that objects should be attained through means best adapted for their attainment — no one as yet having been weak enough to deny that the peculiar elevation alluded to, is most readily attained in the poem. Now the object, Truth, or the satisfaction of the intellect, and the object Passion, or the excitement of the heart, are, although attainable, to a certain extent, in poetry, far more readily attainable in prose. Truth, in fact, demands a precision, and Passion, a homeliness (the truly passionate will comprehend me) which are absolutely antagonistic to that Beauty which, I maintain, is the excitement, or pleasurable elevation, of the soul. It by no means follows from any thing here said, that passion, or even truth, may not be introduced, and even profitably introduced, into a poem — for they may serve in elucidation, or aid the general effect, as do discords in music, by contrast — but the true artist will always contrive, first, to tone them into proper subservience to the predominant aim, and, secondly, to enveil them, as far as possible, in that Beauty which is the atmosphere and the essence of the poem.

Regarding, then, Beauty as my province, my next question referred to the tone of its highest manifestation — and all experience has shown that this tone is one of sadness. Beauty of whatever kind, in its supreme development, invariably excites the sensitive soul to tears. Melancholy is thus the most legitimate of all the poetical tones.
The length, the province, and the tone, being thus determined, I betook myself to ordinary induction, with the view of obtaining some artistic piquancy which might serve me as a key-note in the construction of the poem — some pivot upon which the whole structure might turn.

In carefully thinking over all the usual artistic effects — or more properly points, in the theatrical sense — I did not fail to perceive immediately that no one had been so universally employed as that of the refrain. The universality of its employment sufficed to assure me of its intrinsic value, and spared me the necessity of submitting it to analysis. I considered it, however, with regard to its susceptibility of improvement, and soon saw it to be in a primitive condition. As commonly used, the refrain, or burden, not only is limited to lyric verse, but depends for its impression upon the force of monotone — both in sound and thought. The pleasure is deduced solely from the sense of identity — of repetition. I resolved to diversify, and so vastly heighten, the effect, by adhering, in general, to the monotone of sound, while I continually varied that of thought: that is to say, I determined to produce continuously novel effects, by the variation of the application of the refrain — the refrain itself remaining, for the most part, unvaried.

These points being settled, I next bethought me of the nature of my refrain. Since its application was to be repeatedly varied, it was clear that the refrain itself must be brief, for there would have been an insurmountable difficulty in frequent variations of [page 165:] application in any sentence of length. In proportion to the brevity of the sentence, would, of course, be the facility of the variation. This led me at once to a single word as the best refrain.

The question now arose as to the character of the word. Having made up my mind to a refrain, the division of the poem into stanzas was, of course, a corollary: the refrain forming the close to each stanza. That such a close, to have force, must be sonorous and susceptible of protracted emphasis, admitted no doubt: and these considerations inevitably led me to the long o as the most sonorous vowel, in connection with r as the most producible consonant.
The sound of the refrain being thus determined, it became necessary to select a word embodying this sound, and at the same time in the fullest possible keeping with that melancholy which I had predetermined as the tone of the poem. In such a search it would have been absolutely impossible to overlook the word “Nevermore.” In fact, it was the very first which presented itself.

The next desideratum was a pretext for the continuous use of the one word “nevermore.” In observing the difficulty which I at once found in inventing a sufficiently plausible reason for its continuous repetition, I did not fail to perceive that this difficulty arose solely from the pre-assumption that the word was to be so continuously or monotonously spoken by a human being — I did not fail to perceive, in short, that the difficulty lay in the reconciliation of this monotony with the exercise of reason on the part of the creature repeating the word. Here, then, immediately arose the idea of a non -reasoning creature capable of speech; and, very naturally, a parrot, in the first instance, suggested itself, but was superseded forthwith by a Raven, as equally capable of speech, and infinitely more in keeping with the intended tone.

I had now gone so far as the conception of a Raven — the bird of ill omen — monotonously repeating the one word, “Nevermore,” at the conclusion of each stanza, in a poem of melancholy tone, and in length about one hundred lines. Now, never losing sight of the object supremeness, or perfection, at all points, I asked myself — “Of all melancholy topics, what, according to the universal understanding of mankind, is the most melancholy?” Death — was the obvious reply. “And when,” I said, “is this most melancholy of topics most poetical?” From what I have already explained at some length, the answer, here also, is obvious — “When it most closely allies itself to Beauty: the death, then, of a beautiful woman is, unquestionably, the most poetical topic in the world — and equally is it beyond doubt that the lips best suited for such topic are those of a bereaved lover.”

I had now to combine the two ideas, of a lover lamenting his deceased mistress and a Raven continuously repeating the word “Nevermore” — I had to combine these, bearing in mind my design of varying, at every turn, the application of the word repeated; but the only intelligible mode of such combination is that of imagining the Raven employing the word in [column 2:] answer to the queries of the lover.

And here it was that I saw at once the opportunity afforded for the effect on which I had been depending — that is to say, the effect of the variation of application. I saw that I could make the first query propounded by the lover — the first query to which the Raven should reply “Nevermore” — that I could make this first query a commonplace one — the second less so — the third still less, and so on — until at length the lover, startled from his original nonchalance by the melancholy character of the word itself — by its frequent repetition — and by a consideration of the ominous reputation of the fowl that uttered it — is at length excited to superstition, and wildly propounds queries of a far different character — queries whose solution he has passionately at heart — propounds them half in superstition and half in that species of despair which delights in self-torture — propounds them not altogether because he believes in the prophetic or demoniac character of the bird (which, reason assures him, is merely repeating a lesson learned by rote) but because he experiences a phrenzied pleasure in so modeling his questions as to receive from the expected “Nevermore” the most delicious because the most intolerable of sorrow.

Perceiving the opportunity thus afforded me — or, more strictly, thus forced upon me in the progress of the construction — I first established in mind the climax, or concluding query — that to which “Nevermore” should be in the last place an answer — that in reply to which this word “Nevermore” should involve the utmost conceivable amount of sorrow and despair.

Here then the poem may be said to have its beginning — at the end, where all works of art should begin — for it was here, at this point of my preconsiderations, that I first put pen to paper in the composition of the stanza:
“Prophet,” said I, “thing of evil! prophet still if bird or devil!
By that heaven that bends above us — by that God we both adore,
Tell this soul with sorrow laden, if within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden whom the angels name Lenore —
Clasp a rare and radiant maiden whom the angels name Lenore.”
Quoth the raven — “Nevermore.”

I composed this stanza, at this point, first that, by establishing the climax, I might the better vary and graduate, as regards seriousness and importance, the preceding queries of the lover — and, secondly, that I might definitely settle the rhythm, the metre, and the length and general arrangement of the stanza — as well as graduate the stanzas which were to precede, so that none of them might surpass this in rhythmical effect. Had I been able, in the subsequent composition, to construct more vigorous stanzas, I should, without scruple, have purposely enfeebled them, so as not to interfere with the climacteric effect.

And here I may as well say a few words of the versification. My first object (as usual) was originality. The extent to which this has been neglected, in versification, is one of the most unaccountable things in the world. Admitting that there is little [page 166:] possibility of variety in mere rhythm, it is still clear that the possible varieties of metre and stanza are absolutely infinite — and yet, for centuries, no man, in verse, has ever done, or ever seemed to think of doing, an original thing. The fact is, originality (unless in minds of very unusual force) is by no means a matter, as some suppose, of impulse or intuition. In general, to be found, it must be elaborately sought, and although a positive merit of the highest class, demands in its attainment less of invention than negation.

Of course, I pretend to no originality in either the rhythm or metre of the “Raven.” The former is trochaic — the latter is octametre acatalectic, alternating with heptameter catalectic repeated in the refrain of the fifth verse, and terminating with tetrameter catalectic. Less pedantically — the feet employed throughout (trochees) consist of a long syllable followed by a short: the first line of the stanza consists of eight of these feet — the second of seven and a half (in effect two-thirds) — the third of eight — the fourth of seven and a half — the fifth the same — the sixth three and a half. Now, each of these lines, taken individually, has been employed before, and what originality the “Raven” has, is in their combination into stanza; nothing even remotely approaching this combination has ever been attempted. The effect of this originality of combination is aided by other unusual, and some altogether novel effects, arising from an extension of the application of the principles of rhyme and alliteration.

The next point to be considered was the mode of bringing together the lover and the Raven — and the first branch of this consideration was the locale. For this the most natural suggestion might seem to be a forest, or the fields — but it has always appeared to me that a close circumscription of space is absolutely necessary to the effect of insulated incident: — it has the force of a frame to a picture. It has an indisputable moral power in keeping concentrated the attention, and, of course, must not be confounded with mere unity of place.
I determined, then, to place the lover in his chamber — in a chamber rendered sacred to him by memories of her who had frequented it. The room is represented as richly furnished — this in mere pursuance of the ideas I have already explained on the subject of Beauty, as the sole true poetical thesis.

The locale being thus determined, I had now to introduce the bird — and the thought of introducing him through the window, was inevitable. The idea of making the lover suppose, in the first instance, that the flapping of the wings of the bird against the shutter, is a “tapping” at the door, originated in a wish to increase, by prolonging, the reader’s curiosity, and in a desire to admit the incidental effect arising from the lover’s throwing open the door, finding all dark, and thence adopting the half-fancy that it was the spirit of his mistress that knocked.
I made the night tempestuous, first, to account for the Raven’s seeking admission, and secondly, for the effect of contrast with the (physical) serenity within the chamber.

I made the bird alight on the bust of Pallas, also for [column 2:] the effect of contrast between the marble and the plumage — it being understood that the bust was absolutely suggested by the bird — the bust of Pallas being chosen, first, as most in keeping with the scholarship of the lover, and, secondly, for the sonorousness of the word, Pallas, itself.

About the middle of the poem, also, I have availed myself of the force of contrast, with a view of deepening the ultimate impression. For example, an air of the fantastic — approaching as nearly to the ludicrous as was admissible — is given to the Raven’s entrance. He comes in “with many a flirt and flutter.
Not the least obeisance made he — not a moment stopped or stayed he,
But with mien of lord or lady, perched above my chamber door.
In the two stanzas which follow, the design is more obviously carried out: —
Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling
By the grave and stern decorum of the countenance it wore,
“Though thy crest be shorn and shaven thou,” I said, “art sure no craven,
Ghastly grim and ancient Raven wandering from the nightly shore —
Tell me what thy lordly name is on the Night’s Plutonian shore!”
Quoth the Raven “Nevermore.”
——
Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning — little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no living human being
Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door —
Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
With such name as “Nevermore.”
——
The effect of the dénouement being thus provided for, I immediately drop the fantastic for a tone of the most profound seriousness: — this tone commencing in the stanza directly following the one last quoted, with the line,
But the Raven, sitting lonely on that placid bust, spoke only, etc.

From this epoch the lover no longer jests — no longer sees any thing even of the fantastic in the Raven’s demeanor. He speaks of him as a “grim, ungainly, ghastly, gaunt, and ominous bird of yore,” and feels the “fiery eyes” burning into his “bosom’s core.” This revolution of thought, or fancy, on the lover’s part, is intended to induce a similar one on the part of the reader — to bring the mind into a proper frame for the dénouement — which is now brought about as rapidly and as directly as possible.

With the dénouement proper — with the Raven’s reply, “Nevermore,” to the lover’s final demand if he shall meet his mistress in another world — the poem, in its obvious phase, that of a simple narrative, may be said to have its completion. So far, every thing is within the limits of the accountable — of the real.

A raven, having learned by rote the single word “Nevermore,” and having escaped from the custody of its owner, is driven, at midnight, through the violence of a storm, to seek admission at a window from which a light still gleams — the chamber-window of a student, occupied half in poring over a volume, half in dreaming of a beloved mistress deceased. [page 167:]

The casement being thrown open at the fluttering of the bird’s wings, the bird itself perches on the most convenient seat out of the immediate reach of the student, who, amused by the incident and the oddity of the visiter’s demeanor, demands of it, in jest and without looking for a reply, its name. The raven addressed, answers with its customary word, “Nevermore” — a word which finds immediate echo in the melancholy heart of the student, who, giving utterance aloud to certain thoughts suggested by the occasion, is again startled by the fowl’s repetition of “Nevermore.” The student now guesses the state of the case, but is impelled, as I have before explained, by the human thirst for self-torture, and in part by superstition, to propound such queries to the bird as will bring him, the lover, the most of the luxury of sorrow, through the anticipated answer “Nevermore.”

With the indulgence, to the utmost extreme, of this self-torture, the narration, in what I have termed its first or obvious phase, has a natural termination, and so far there has been no overstepping of the limits of the real.
But in subjects so handled, however skilfully, or with however vivid an array of incident, there is always a certain hardness or nakedness, which repels the artistical eye. Two things are invariably required — first, some amount of complexity, or more properly, adaptation; and, secondly, some amount of suggestiveness — some under[[-]]current, however indefinite of meaning. It is this latter, in especial, which imparts to a work of art so much of that richness (to [column 2:] borrow from colloquy a forcible term) which we are too fond of confounding with the ideal.It is the excess of the suggested meaning — it is the rendering this the upper instead of the under[[-]]current of the theme — which turns into prose (and that of the very flattest kind) the so called poetry of the so called transcendentalists.

Holding these opinions, I added the two concluding stanzas of the poem — their suggestiveness being thus made to pervade all the narrative which has preceded them. The under-current of meaning is rendered first apparent in the lines —
“Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!”
Quoth the Raven “Nevermore!”

It will be observed that the words, “from out my heart,” involve the first metaphorical expression in the poem. They, with the answer, “Nevermore,” dispose the mind to seek a moral in all that has been previously narrated. The reader begins now to regard the Raven as emblematical — but it is not until the very last line of the very last stanza, that the intention of making him emblematical of Mournful and Never-ending Remembrance is permitted distinctly to be seen:

And the Raven, never flitting, still is sitting, still is sitting,
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon’s that is dreaming,
And the lamplight o’er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
Shall be lifted — nevermore.

Notes:
The quotations from “The Raven” are centered here for the convenience of the reader. As the columns are rather narrow, these quotations are not centered, or even indented, in the original, but presumably would have been had space allowed.

Source: http://www.eapoe.org/works/essays/philcomp.htm

Categorias: Books/Livros, Entertainment, Health and wellness, Hobbies, Quotes, Sem categoria | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Demorou, mas fiz!


Tem uma publicação neste blog, de abril de 2013, que é sempre uma das mais populares: a da receita da geléia de pimenta. Sempre tem alguém que a visualiza. Só não sei se alguém já tentou fazê-la na cozinha…

Pois bem! Demorou, mas lá fui eu outro dia testar meus dons culinários, bem como a eficácia – ou falta de! – da receita que peguei no site Yahoo (que já não está mais no ar, como atesta o link no post…).

Tinha umas frutas aqui em casa e na casa do meu irmão (que viajou) que iam estragar e estavam ficando velhas, então aproveitei que ia fazer um chutney com essas frutas (vide receita mais abaixo) e já mandei ver também na geléia. É extremamente fácil de fazer, e leva pouco tempo pra ficar pronta (o tanto de tempo pra você preparar os ingredientes, e mais 20 minutos no fogo).

Resultado: deu uns 240-250 gramas de geléia, e ficou linda. Da cor que está na figura da minha publicação! Só que ela ficou ardida demais para a maioria das pessoas (eu adoro, mas tomo copões d’água em seguida hahahahah). Então eu sugeriria colocaram apenas uma ou duas pimentas, ao invés das quatro sugeridas na receita original…(vou inclusive editar minha publicação com esta observação). NEM PRECISO dizer que tem que usar luvas na hora de picar as pimentinhas, certo??? Não façam como eu em outras ocasiões…cortei pimenta, muita pimenta. Não conseguia dormir por conta do ardor nas pontas dos dedos, tive que embeber algodão em leite e ir dormir assim. Em outra ocasião, lavei bem a mão, e assoei o nariz. Minha narina parecia uma fornalha de dragão! Outra vez cortei pimenta, lavei melhor ainda a mão…e cocei o canto do olho. Affff!!! Não adianta, é uma peste…por mais que você tenha cortado só uma reles pimenta, umazinha só, é suficiente pra que você se arrependa de não ter usado luvas de borracha-látex.

Outra coisa: não dá pra colocar na geladeira. Quer dizer, claro que dá, mas a geléia fica dura demais. Ela já é bem consistente e pegajosa, difícil de lidar. Quando colocada na geladeira, vira praticamente algo duro. Então a estou mantendo em temperatura ambiente, e tem dado certo. Pelo menos não estragou até agora (já faz uma semana). Comi com batata frita (delícia!!!), com arroz, com frango…dá muito certo com vários tipos de comida. Acho que só não dá certo se você passar no pão! *risos*

Quanto ao chutney, que ficou delicioso também e rendeu muuuuuuito!, tive que realizar alterações na receita. Enormes.

– Não coloquei uva-passa porque não tinha;
– não usei 500 gramas de maçãs nem de peras, usei as que tinha aqui, ou seja, 3 maçãs grandes e 6 ou 7 daquelas perinhas-mini (que são verdes e duras por fora mas estão maduras)
(por isso acho que o gosto do vinagre ficou mais forte do que era pra ser)
– não tinha açúcar mascavo aqui, então usei do normal;
– piquei 1 cebola e coloquei (na receita original nem tem nada de cebola), e espremi o suco de 1 laranja para tentar ver se quebrava o vinagre forte (mas deveria ter colocado mais uma ou duas laranjas!);
– ao invés de colocar a pimenta em flocos, coloquei 1 pimenta sem sementes picada.

A receita original é esta (vou copiar aqui, caso o link saia do ar no futuro):

Chutney de pera e maçã

Ingredientes

500 g de maçãs, descascadas e cortadas em cubinhos;
300 g de peras, descascadas e cortadas em cubinhos;
370 ml de vinagre de maçã;
20 g de gengibre finamente ralado;
200 g de uvas-passas brancas, picadinhas;
400 g de açúcar mascavo;
1 colher (chá) de sal;
1/2 colher (chá) de pimenta calabresa em flocos.

Modo de fazer

1 Coloque as peras e maçãs numa panela, juntamente com o vinagre, e cozinhe em fogo baixo, por 5-10 minutos, até que as frutas fiquem macias.
2 Adicione o gengibre, as uvas-passas e o açúcar e cozinhe por mais 5 minutos, até que os ingredientes fiquem bem incorporados. Tempere com sal e pimenta – tente encontrar um balanço entre o doce, o salgado e o picante.
3 Despeje o chutney ainda quente em potes de conserva esterilizados. Feche bem e deixe esfriar completamente.
4 Sirva o chutney como complemento de uma refeição leve, com um queijo picante, pão, peras e maçãs frescas.

Categorias: Hobbies, Myself, Saúde e bem-estar | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Variadas


Fui à mostra “O triunfo da cor” no Centro Cultural Banco do Brasil hoje, finalmente! Depois (sempre deixo pra depois, eu sei :P, e muitas vezes não funciona *rs*) escrevo mais detalhes, mas só digo uma coisa: meu andar favorito não foi o que tem Van Gogh, Cézanne nem Gauguin. Foi o terceiro andar, maravilhoso!!!! Vão lá ver, fica até 7 de julho e é muito bonita! E pode tirar foto sem flash com celular 🙂 Um dos meus quadros favoritos lá:

E este outro, Naufrage:

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Outro dia *alguém* me perguntou a respeito das festas juninas – essa pessoa achava que todo mundo faz festa aleatoriamente em junho apenas pra pular fogueira, soltar fogos, bater papo, comer e beber coisas gostosas e engordativas (o que não deixa de ser verdade também! hahahahhaha), e não sabia que neste mês há dias comemorativos de pelo menos 4 santos – a saber, São João, Santo Antônio, São Pedro e São Paulo. Se você se inclui no time dos que não sabiam que se tratava desses santos, favor ler esses links da Wiki! 😛

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Ainda preciso escrever sobre o filme Truman, que o gato “adorou” *rs* Assistimos durante o feriado (Páscoa? Não lembro…) quando estávamos em Santos. Finalmente um filme bom!!!

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Semana passada ensinei alguns palavrões básicos em Inglês durante a aula, por considerar que é essencial saber quando ou se você está sendo xingado numa língua que você não conhece direito…e, sobretudo, para que se possa responder à altura 😛 Tiraram foto da minha lousa, afff…espero que não dê processo depois!!! Todos maiores de idade na sala, claro!

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

…e por falar em maior de idade: descobri que a avó de um dos meus alunos tem 61 anos de idade. Minha mãe tem 63! Ele me disse que a mãe o teve aos 18 anos de idade – portanto, ela hoje tem 42 anos de idade. Ou seja, sou velha o suficiente para ter um filho cavalão de 17 anos de idade, que estaria prestando vestibular agora!!! Credo! Pior que isso: tenho aluno que nasceu em 2001. Nesses momentos eu realmente me sinto velha. Coroca. Afinal, me lembro nitidamente de tudo o que aconteceu em 2001 – estava no terceiro ano da faculdade, já dava aulas de Inglês…afff!!!

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Ultimamente (= nos últimos anos) tenho a mania de ler vários livros concomitantemente. Alguns às vezes ficam pra trás. Outros são lidos até o final. Atualmente, estou lendo ao mesmo tempo mais livros do que o normal. Vejamos…

The ocean at the end of the lane – Neil Gaiman – Comecei a ler ontem, durante a prova dos alunos! Estou na página 20 (letrinha pequeeeenaaa, arre!), mas já deu pra ver que vou ler rapidinho, e que é ótimo!

The Snow Queen and other winter stories – vários autores – comecei a ler em novembro do ano passado! Não levem a mal, as histórias são maravilhosas – tem coisas do Hans Christian Andersen (a história que dá título ao livro está aqui neste post), do Oscar Wilde, dos irmãos Grimm, tem histórias folclóricas anônimas, enfim…tem de tudo. Quis ler quando estava no verão, porque o calor era insuportável e, quando a narrativa é boa, ela tem o poder de me transmitir qualquer sensação térmica, independente do ambiente em que eu esteja. Por isso, leio coisas sobre o inverno no verão, e coisas sobre o calor no inverno 🙂 Quando faço o oposto, quase morro! *rs* Agora, vejam só, cá estamos no verão e ainda estou lendo. Ficou parado muito tempo, enquanto eu cuidava da Lilith…e me trazia memórias dela, por isso não quis mais pegar. Mas vou retomar agora. Estou na página 319, e não tem problema ler ao mesmo tempo que outros livros, pois são contos independentes (via de regra curtos…).

The Magicians – Lev Grossman – Comprei aleatoriamente meses atrás, baseando minha decisão na orelha! Nunca ouvi falar no autor ou no título.

Na capa estava escrito “Estreia em breve no Sy-Fy” (canal de televisão), mas procurei no canal e não achei nada. Esta semana, finalmente estreou a série na TV. Só vi os primeiros minutos, não deu tempo de assistir. Aí, resolvi tirar o livro da estante e começar a ler para comparar esses primeiros minutos da série com o livro. Claro que o livro é melhor, dã! 😛 Então vou ler (estou na página 63, comecei há dois dias. Vai ser rapidinho também), apesar de ser parte de uma trilogia, e eu não ter os outros 2 livros…ODEIO quando termino um livro e não tenho o restante para prosseguir!

(é o caso do livro Queen of the Tearling, que li ano passado e tô até agora esperando achar a continuação numa loja qualquer, mas pelo jeito vou ter que recorrer à internet…disseram também que os direitos autorais foram vendidos para o cinema, e que a Emma Watson faria o papel principal, mas até agora, não ouvi mais nada!)

(também preciso achar a continuação dos livros da Elle Casey! Sei que ela lançou pelo menos um que ainda não li, e deve lançar mais uns 2 ou 3…)

Best ghost stories – vários autores, excelente! Tem conto do Charles Dickens, do Sir Walter Scott, do Robert-Louis Stevenson, do Rudyard Kipling…espetacular! Alguns dão medinho, heheheh 🙂 Estou na página 171, e tampouco tem problema de ler junto com outras coisas porque, como a Snow Queen, é uma coletânea de contos, e quero mais é que dure bastante mesmo! 😀

– Mario de Sá Carneiro – Obra completa (volume único). – tem de tudo aqui! Poesia, prosa, correspondência, teatro. Estou na página 86, na parte de poesia. Bem sombrias, melancólicas e-ou nostálgicas. Estilo crise existencial, sabe? Me lembra Fernando Pessoa (ele mesmo e um de seus heterônimos hehehehe).

A quinta onda – Rick Yancey – Também parte de uma trilogia, mas consegui comprar as sequências (o terceiro comprei em Inglês por não achar em Português – o gato vai ter que se virar pra ler, tadinho!). Estou na página 30.

O gigante enterrado – Kazuo Ishiguro. Sou fã desse hómi! Ele é um autêntico japa-britânico *rs* Virei fã desde que li The remains of the day, e depois comecei a ler Never let me go (pois é, outro inacabado…). Comprei em português mesmo, porque não achei em Inglês. Depois até achei o original, mas tava caro! Tô na página 43, ainda boiando…ele não nos localiza direito nem no tempo, nem no espaço. E tem um lance estranho de perda coletiva de memória rolando! Vamos ver no que vai dar…tem uma resenha dele aqui, que fala que a história se passa na época Xis, mas só se der pra concluir mais tarde na narrativa, porque até onde li, não dá pra saber.

PS – esqueci de falar! Ano passado, li um livrinho do Tolkien pro qual eu não dava nada, Smith of Wooton Major. MUITO legal!!!!! Recomendadíssimo, para fãs e não-fãs do Tolkien! Mas é lógico que quem gosta de faerie vai curtir mais 😉

Categorias: Books/Livros, Entertainment, Food and drink, Hobbies, Myself, Religion, Saúde e bem-estar, Several things! | 1 Comentário

Minhas novas divas!


Nem precisa falar que são ambas Russas…os Russos comandam o gelo, não tem jeito! 😀

PS – Sacanagem da arbitragem (de novo…) ter colocado a Wagner em segundo lugar e a Pogo em terceiro…tadinha da Pogo, não merecia isso!!! 😦

Categorias: Hobbies, Sports | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Tese sobre teses


Um amigo me mandou, em 18 de setembro de 2014 (!!) – nossa, ainda não me conformo como não vi a mensagem dele até ontem…- reflexões a respeito das dissertações de mestrado e teses de doutorado. Depois, se ele me permitir, reproduzo aqui o que ele disse. De toda forma, dentre outros textos, ele me indicou a leitura de um crônica do Mario Prata sobre o assunto.

Lá vai um trecho do texto do Prata, caso o link não funcione futuramente:

O mais interessante na tese é que, quando nos contam, são maravilhosas, intrigantes. A gente fica curiosa, acompanha o sofrimento do autor, anos a fio. Aí ele publica, te dá uma cópia e é sempre – sempre – uma decepção. Em tese. Impossível ler uma tese de cabo a rabo.

São chatíssimas. É uma pena que as teses sejam escritas apenas para o julgamento da banca circunspeta, sisuda e compenetrada em si mesma. E nós?

(…)

Escrever uma tese é quase um voto de pobreza que a pessoa se autodecreta. O mundo para, o dinheiro entra apertado, os filhos são abandonados, o marido que se vire. Estou acabando a tese. Essa frase significa que a pessoa vai sair do mundo. Não por alguns dias, mas anos. Tem gente que nunca mais volta.

E, depois de terminada a tese, tem a revisão da tese, depois tem a defesa da tese. E, depois da defesa, tem a publicação. E, é claro, intelectual que se preze, logo em seguida embarca noutra tese. São os profissionais, em tese. O pior é quando convidam a gente para assistir à defesa. Meu Deus, que sono. Não em tese, na prática mesmo.

Orientados e orientandos (que nomes atuais!) são unânimes em afirmar que toda tese tem de ser – tem de ser! – daquele jeito. É pra não entender, mesmo. Tem de ser formatada assim. Que na Sorbonne é assim, que em Coimbra também. Na Sorbonne, desde 1257. Em Coimbra, mais moderna, desde 1290.

Em tese (e na prática) são 700 anos de muita tese e pouca prática.

Não tenho permissão para publicar nem a crônica do Prata e nem os questionamentos do meu amigo, mas posso colar minha resposta a ele aqui, afinal, é de minha autoria 😉

Adoro o Mario Prata, ele escreve muito bem! E só ele mesmo para trazer um assunto como teses acadêmicas para o mundo da crônica…que bom que você me apontou essa, acabei de ler.

Os pontos que ele levanta, e os que você levanta, são cruciais, obviamente. Não posso falar por todos, então vou falar apenas da minha experiência, e do que observo por aí.

Venho lendo dissertações e teses desde o segundo ano da faculdade (se soubesse a respeito delas desde o primeiro, teria lido mais algumas, mas eu era tonta e ignorante *rs*). Escolhi um tema difícil para fazer um trabalho final quando estava no segundo ano, e um dos professores me recomendou uma visita à sessão de teses da biblioteca…foi como se estivesse descobrindo outro mundo, uma espécie de biblioteca “palalela”. Não é muito difícil perceber que aquelas prateleiras estão entre as menos frequentadas de todas, o que é uma pena, pois é conhecimento público obtido com dinheiro público e muito esforço pessoal (como o Prata descreveu perfeitamente na crônica dele – aposto que ele teve contato diário com mais de uma pessoa nessa situação, heheheh, tadinho!) que poderia estar sendo transmitido e não está…um conhecimento obtido a partir de inúmeras leituras e destrinchado, muitas vezes mais didático (bom, nem todos os autores de tese se preocupam com o aspecto da inteligibilidade, como bem observou o Prata, mas há várias exceções!).

De lá para cá acho que essa situação não mudou muito, isso que é mais deprimente. Sinto que existe, além da falta de acesso (quem não é da universidade não pode retirar teses), preconceito – é como se pensassem que, por determinado estudo não ter sido publicado, ou seja, ratificado por uma editora comercial, ele não valesse a pena (mesmo tendo passado por banca examinadora duas vezes, hein!).

Mas teve sim uma mudança significativa: as teses passaram a ser disponibilizadas online. Isso ocorreu a partir do ano de 2001, se não me engano. As mais antigas não estão online (eles devem ter um projeto para digitalizar todo o acervo, mas imagino que isso demore séculos, ainda mais que a galera escrevia pra caramba antes, já que os prazos para completar mestrado e doutorado giravam em torno de 10-15 anos…), mas a informação “fresquinha”, sim. Tudo bem que o pessoal de hoje não é nenhum Antonio Candido…até porque, como dito anteriormente, a gente mal entra no mestrado e no doutorado e já tem que qualificar e defender em seguida….e os prazos continuam diminuindo….quando a prioridade das agências financiadoras passa a ser o dinheiro e produtividade, como se pesquisa e conhecimento fossem produzidas numa linha de montagem, e as universidades se tornam reféns delas por conta de falta de verba, dá nisso 😦 Mesmo assim, melhor disponibilizar tudo, ainda que de qualidade inferior, do que não haver acesso a nada ou a quase nada.

Algumas teses são super populares, e o motor de busca permite baixar qualquer tese de qualquer faculdade da nossa universidade, ou seja, não se tem mais que encarar aquela burocracia toda, ir pingando de faculdade em faculdade, de biblioteca em biblioteca, procurando as obras manualmente e, depois de encontrar o que interessa, ainda tentar obter autorização da faculdade de origem e da que está emprestando a tese, blablabla…achei maravilhoso!

Já baixei, por pura curiosidade, teses de astronomia (não deu pra entender grande coisa *rs*), medicina (sobre um problema de saúde da minha mãe), psicologia (sobre depressão, assunto sobre o qual acho essencial ler), etc. Aliás, as teses digitais me ajudaram inclusive de última hora, quando estava prestando concurso e não tinha tempo de procurar material fisicamente. E continuam me ajudando agora que dou aulas sobre assuntos nos quais não sou especialista, e sobre os quais aprendi há muitos anos, na graduação…baixo o conteúdo e estudo antes de preparar minha aula. Nem sempre encontro tudo o que gostaria, o que não é de se espantar, considerando-se o desestímulo para qualquer um que queira prosseguir seus estudos e pesquisa 😦 Ouvi dizer inclusive que estão sobrando bolsas!!! Na minha época (agora estou soando velhinha MESMO! *rs*) tinha fila de espera pelas bolsas…eu mesma só consegui bolsa no último ano do meu mestrado. Já no doutorado consegui de cara (quem quer fazer doutorado???).

Tudo isso para dizer que sou super fã de teses *rs* Tem as mal escritas? Claro! Tem as irrelevantes, ou com temas irrelevantes? Vixe, é o que mais tem! (outro dia li uma do Recife, sobre tatuagens de periguetes hahahahah) E tem as complicadas, arrogantes, que foram escritas “em código”, apenas para “os pares” lerem e entenderem. Mesmo assim, os benefícios do acesso às informações superam tudo isso.

Ah, esqueci de dizer que, fora essa minha mania de procurar teses e lê-las por conta própria (coisa que todo estudante universitário deveria fazer), no departamento ao qual eu pertencia enquanto doutoranda havia nosso grupo de estudos, que tinha reuniões mensais. O professor incentivava que todos apresentassem aos colegas sobre o que estavam estudando, em que pé estava o projeto, o que já havia sido descoberto durante os estudos e assim por diante. Quando chegava a hora da qualificação, éramos incentivados a comparecer para ver como seriam as críticas àquele trabalho que já estávamos acompanhando há tempos…idem na defesa. O autor disponibilizava a tese antes da defesa para quem quisesse ler, então na defesa a gente não ficava “boiando”, acompanhávamos e sabíamos exatamente do que a banca estava falando. Claro que cada um tem sua própria pesquisa, então a tendência majoritária é quase não dar bola para o trabalho alheio e nem ler o que foi escrito, pela falta de tempo, mas eu li tudo o que os outros orientandos da minha época escreveram, dava o maior orgulho dos meus colegas, tinha coisas muito boas! Não sei se este espírito colaborativo permaneceu lá ou se se esvaiu, tudo depende de quão bem as pessoas se dão umas com as outras….naquela época a gente era super sincronizado uns com os outros, tinha uma camaradagem e tal. Espero que tenha permanecido!

Sim, a questão sempre foi e continua sendo discutir sobre assuntos interessantes e extremamente relvantes com um público muito restrito. Você começou seu texto, e o Mario Prata fez o mesmo na crônica dele, questionando quem vai ler, se é que alguém vai ler, tanta tese importante escrita. E que esse conhecimento vai cair no vácuo. Pois bem. Se eu tivesse parado assim que escrevi meu mestrado e meu doutorado, talvez isso acontecesse mesmo. Só que, depois disso, prestei concurso e hoje leciono (aliás, são minhas últimas semanas aqui, snifff, estou ficando um pouco deprê por conta disso…) numa universidade pública, o que me permite compartilhar tudo o que descobri nos meus estudos, o que aprendi com meus professores e o que continuo aprendendo ao preparar minhas aulas. Não faz sentido estudar e manter esse conhecimento a sete chaves…não entendo por que raios tem gente que faz isso, muito menos por que tem gente que GOSTA de fazer isso, mantém o conhecimento trancado para si e para os “poucos eleitos”. Só pode ser falta de auto-estima, não tem outra explicação…uma pessoa “normal” tem curiosidade, pergunta, vai atrás, lê, e depois que descobriu pelo menos parte das respostas vai querer contar pros outros, não tem como não fazer isso, ainda mais se o assunto é relevante, importante e concerne a todos os seres humanos!!!

Então é isso: você não deve ter receio de entrar de cabeça nisso por conta de que pouca gente vá ler seu trabalho, porque existem outras formas de você expor e continuar este trabalho para um público muito maior (claro que salas de aula não se comparam à audiência da Globo, mas já é alguma coisa…até porque dali vão sair formadores de opinião também). Claro, eu posso estar expondo informações incompletas, opiniões debatíveis, etc., mas pelo menos estou tentando fazer minha parte, e não baseando-me apenas em achismo, e sim no que pesquisei.

Falei, falei, e não li os 5 trabalhos que você me recomendou 😦 E preciso ir, fiquei sem tempo!! Beijos!

Categorias: Books/Livros, Hobbies, Notícias e política, People, Quotes | Tags: , , , | Deixe um comentário

Hehehehe


Estou assistindo TV – mais especificamente, uma emissora que nunca vejo, o Rede Brasil. Suponho que seja uma emissora gratuita. Enfim, adorei as propagandas que vi! Diariamente tem aquelas séries japonesas toscas – Jaspion, Changeman, Ultra Seven, Ultra Man, Jiban, Sailor Moon…acabei de ver Ultra Man, e agora está passando o Batman – sim, aquele antigão, super tosco, com direito aos “POW!” hahahahha Muuuito bom! Recomendo 🙂 E não só aos nostálgicos 😉

Categorias: Entertainment, Hobbies | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Saiba como evitar afogamento infantil, a 2ª maior causa de morte de crianças


O verão está chegando e nada como uma piscina ou praia para se refrescar. Só que os adultos não podem descuidar nem por um segundo dos pequenos nesses momentos de lazer. O afogamento infantil é a segunda maior causa de morte de crianças de 1 a 14 anos, segundo a ONG Criança Segura  _a primeira é o trânsito.

“A principal dica de prevenção é a supervisão por parte do adulto de forma constante e atenta em todo lugar com água”, diz Lia Gonsales, coordenadora de mobilização da ONG Criança Segura.

Engana-se quem pensa que o risco de afogamento existe apenas em piscina, praia, rio ou represa. Lia diz que crianças pequenas podem se afogar em baldes, bacias, banheiras e até mesmo no vaso sanitário (mãe relata susto que teve com a queda do filho na piscina; leia).

“Bastam três dedos de água para uma criança pequena se afogar”, diz Lia. Entende-se por pequena as crianças de até 4 anos.

Segundo ela, as características físicas de crianças deixas faixa etária contribuem para afogamentos domésticos em lugares como balde ou banheira com água. “A cabeça é a parte mais pesada do corpo e elas ainda não têm muita habilidade motora para levantar com rapidez e sair dessa situação de perigo.

Mas as crianças maiores também devem ficar sob supervisão de um adulto enquanto estiverem na água _a ONG recomenda essa atenção até os 14 anos.

Lia diz que os mais velhos podem se submeter a situações de risco por terem a falsa ideia de independência, até mesmo aqueles que sabem nadar ou estão aprendendo. “Não é recomendável que a criança ou jovem fique sozinho na água. É preciso orientá-lo e alertá-lo sobre o risco de certas brincadeiras, pois ainda não tem noção do perigo.”

Levantamento da Criança Segura com base em números do SUS mostra que 103 crianças foram hospitalizadas por afogamento de janeiro a agosto de 2013. Desse total, quase metade (48) tinha de 1 a 4 anos. Por tipo, a maior ocorreu dentro de piscinas.

Apesar da maior parte das hospitalizações decorrerem de afogamento em piscinas, acidentes em águas naturais lideram os motivos de óbitos: 424 dos 1.115 casos registrados em 2011 _dados mais recentes.

Prevenção

Para evitar afogamento dentro de casa, Lia recomenda que crianças de até 4 anos não tenham acesso a baldes, bacias, banheiras, tanques ou vasos sanitários. Em relação a esse último caso, a orientação é que a porta do banheiro esteja sempre fechada e que o vaso sanitário tenha uma trava de fechamento _equipamento disponível em lojas de artigos infantis.

Para quem tem piscina em casa, a recomendação é que ela seja fechada, ou seja, não deve ter livre acesso para crianças.

Outra dica é matricular as crianças em escolas de natação. “É importante que a criança aprenda a nadar a partir de 4 anos. Alguns pediatras indicam que esse aprendizado comece até mais cedo”, afirma Lia.

Segundo ela, o único equipamento considerado preventivo são os coletes salva-vidas. As boias de braço ou de sentar não entram nessa categoria. “Esses outros são para diversão, mas não previnem afogamentos.”

Em relação à prevenção na praia, ela diz que o melhor é conhecer o local onde você está. “E nunca, de jeito nenhum, deixar a criança sem supervisão.”

Minha companheira de Maternar, a jornalista Giovanna Balogh, escreveu em 2011 sobre cursos de natação para crianças. Leia o texto e veja fotos

fonte: http://maternar.blogfolha.uol.com.br/2013/11/25/saiba-como-evitar-afogamento-infantil-a-2a-maior-causa-de-morte-de-criancas/

Categorias: Health and wellness, Hobbies, Notícias e política, Saúde e bem-estar, Sports | Tags: , , , , , | Deixe um comentário

Aurora

Uma imagem vale mil palavras, então...

Pedazos de miel en jaula

La existencia, la introspección y la experiencia

Filosofia Animada

Sitio Virtual onde se encontra o registro das práticas educacionais do Prof. Daniel Carlos.

throughdanielleseyes

Words, thoughts, and snapshots of life.

Dirty Sci-Fi Buddha

Musings and books from a grunty overthinker

BaileyBee

The Hive

Chairybomb

Honest Furniture Reviews

ricardo barros elt

Thinking and Living English

BA -VISUAL LESSON PLANS

for English teachers.

viralelt.wordpress.com/

Viral Videos for Higher Level ELT | Ian James | @ij64

Progressive Transit

For better communities and a higher standard of living...

Josh, Naked

A mental birthday suit

colossalvitality

Just another WordPress.com site

sindhuspace

Claiming the better half for women in a Man's World

Cybele's Haus of Digital Pain

kismetly crestfallen

Amanda Ricks

Helping Create A Web For People-First.

CamiNique

Blog literário

wolf4915

Writing, Photography, Digital Art, Painting + News!

Le Blog BlookUp

Imprimez et transformez vos contenus digitaux, blogs et réseaux sociaux, en magnifiques livres papier sur blookup.com

Dr. Eric Perry, PhD

Psychology to Motivate | Inspire | Uplift

Jornal Acorda Getúlio

Os alunos fazem a escola

Kate Gale: A Mind Never Dormant

The life of a writer/editor

Biblioteca Florestan

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP

Photography Art Plus

Photography, Animals, Flowers, Nature, Sky

Vegan Children's Stories

Vegan Children's Stories

Cafe Book Bean

Talk Books. Drink Coffee.

marioprata.net

Site oficial do escritor Mario Prata

Eric Schlehlein, Author

(re)Living History, with occasional attempts at humor and the rare pot-luck subject. Sorry, it's BYOB. All I have is Hamm's.

Through Open Lens

Home of Lukas Kondraciuk Photography

OldPlaidCamper

The adventures of an almost outdoorsman...

PROVERBIA

"Crítica Social, Lírica y Narrativa"

Top 10 of Anything and Everything - The Fun Top Ten Blog

Animals, Gift Ideas, Travel, Books, Recycling Ideas and Many, Many More

gaygeeks.wordpress.com/

Authors, Artists, Geeks, Husbands

DaniellaJoe's Blog

crochet is my favorite fiber art and my goal is to become a real artist...