Quizzes and other curious stuff

No Brasil, nomes incomuns inspiram orgulho e provocam dores de cabeça


Quando entrou na adolescência, Wonarllevyston Garlan Marllon Branddon Bruno Paullynelly Mell Oliveira Pereira fez o que qualquer pessoa constrangida e preocupada com os insultos impiedosos de seus colegas poderia fazer: ele insistiu com seus pais e com os tribunais para deixá-lo mudar de nome.

“Eu nunca tive nada em comum com Marlon Brando”, disse ele, referindo-se ao ator norte-americano do qual ele herdou parte de seu nome. Por isso, com a permissão de seus pais e do sistema judiciário brasileiro, ele reduziu seus nove nomes para econômicos quatro epítetos: Bruno Wonarleviston Oliveira Pereira.

“Eu só não queria passar a vida atrelado a algo mais complicado do que esse nome que eu escolhi”, explicou Oliveira Pereira, estudante universitário de 19 anos.

Ter um nome incomum é algo extremamente comum no Brasil. Basta dar uma olhada nas timelines de amigos brasileiros no Facebook. Ou iniciar uma conversa durante um churrasco em uma tarde de domingo. Ou simplesmente ficar na fila um cartório e ouvir um daqueles carimbadores de documentos chamar as pessoas que aguardam seus papeis ficarem prontos.

Alguns nomes ouvidos país afora são surpreendentes.

Mike Tyson Schwarzenegger Pradella. Errolflynn Paixão. Charlingtonglaevionbeecheknavare dos Anjos Mendonça, é um encanador de 31 anos que prefere ser chamado de Chacha, nome que ele pronuncia num português melódico.

Alguns acadêmicos dizem que a prática dos nomes de batismo incomuns resulta de uma tendência de manter certos países ricos em maior estima do que o Brasil, fato que levou alguns pais a escolherem nomes cuja sonoridade estrangeira soaria supostamente distinta. A tradição menos disseminada de homenagear os presidentes dos Estados Unidos produziu nomes como Abraão Lynconn Sousa Santana e Francisco Lindon Johnson Menezes da Luz Júnior. E o outro lado do espectro ideológico também está representado por nomes como Mao Tse Tung Lima de Moura.Outros estudiosos dizem que essa tendência reflete séculos de imigração, conquistas e escravidão, um processo que gerou a miscigenação das culturas indígena, africana, europeia e asiáticas e produziu uma fusão de identidades. Em um país com uma variedade de tradições musicais, que vai desde a melodiosa bossa nova até o sertanejo, especialistas em nomes também mencionaram a maneira sonora com que alguns nomes de batismo incomuns soam quando são criados pelos pais.

Um nome como Sherlock Holmes da Silva, cuja pronúncia no Brasil é “chérloqui rolmis”, certamente tem um som diferenciado.

“Se você perguntar a alguém por que eles escolheram um determinado nome, eles dizem que é por causa do som”, disse Elaine Rabinovich, psicóloga que tem explorado as práticas de atribuição de nomes de batismo no Brasil. “As pessoas que fazem isso ainda não foram cooptadas pela cultura de massa. E eu acho isso ótimo”.

Alguns países, como a Alemanha e a Islândia, regulamentam de maneira rígida os nomes de batismo que os pais podem escolher para seus filhos. As autoridades de Portugal, a antiga metrópole que governava o Brasil colônia, fornece uma lista de nomes aprovados, que exige que os pais a mantenham a tradição. Essa lista permite um nome como Neóteles, mas não Neptuno.

Mas o Brasil, onde não vigora esse tipo de impedimento, está entre os países onde a tarefa de batizar um filho evoluiu para algo semelhante a um esporte competitivo. A vizinha Venezuela também é uma das candidatas nessa disputa, com seus Stalins, Nixons, Hiroshimas, Tutankamons e Taj Mahals. Honduras tem Llanta de Milagro (Pneu Milagroso). O Zimbábue tem seus Godknows, Lovemores e Learnmores.

No entanto, o Brasil é muito mais complicado e burocrático para as infelizes almas aprisionadas com nomes indesejados. Alterar o nome de alguém no Brasil requer a aprovação de um juiz, que pode decidir se é o nome é ridículo ou ofensivo. Mas geralmente o processo é longo, trabalhoso – assim como muitas questões burocráticas no Brasil – e requer um advogado.

“A tendência dos tribunais é negar as mudanças de nome”, disse Gerson Martins, um advogado especializado em ajudar os brasileiros alterar seus nomes. “Isso é uma pena, pois muitos nomes no Brasil são pouco mais do que uma sopa de letrinhas”.

Embora algumas pessoas que foram batizadas com nomes inacreditáveis tentem mudá-los, muitos brasileiros têm prazer em ter um nome que trava línguas, faz as pessoas ficarem de boca aberta ou é motivo para iniciar diálogos.

“Eu tenho um nome maravilhoso, que faz com que eu me destaque da multidão”, disse Creedence Clearwater Couto, 34, estudante cujo nome homenageia Creedence Clearwater Revival, a banda de rock norte-americana.

“Mas quase ninguém no Brasil sabe quem são eles, e 90% das pessoas não consegue pronunciar o meu nome corretamente”, disse Couto. “Mas foram os caras dessa banda que fizeram ‘Bad Moon Rising'”, acrescentou ele, referindo-se ao sucesso de 1969. “Eu me sinto honrado por ter sido batizado em homenagem a esses gênios artísticos”.

Enquanto a elite brasileira tende a optar por nomes tradicionais em português, como Pedro, Gabriel, Julia e Carolina, a cultura popular norte-americana exerce um fascínio claro sobre amplos setores da sociedade, o que explica nomes como Oleúde José Ribeiro, um atleta aposentado cujo primeiro nome corresponde à ortografia fonética de “Hollywood”.

Não muito longe de São Paulo, uma rede de TV descobriu recentemente uma família na qual sete filhos foram batizados em homenagem a Elvis Presley: Elvis, Elvisnei, Elvismara, Elvislei, Elvicentina, Elvislaine e Elvislene.

Os novatos nesse campo podem ficar um tanto desconcertados por esses nomes.

“No Brasil, nunca pense que ele ou ela está fazendo piada com seu nome”, escreveu em seu irônico texto “Brazil: A User’s Guide”, publicado pela revista Granta, o romancista mexicano Juan Pablo Villalobos, que vive em São Paulo. “Não importa o nome que eles lhe disserem, esse será o nome real deles”.

Alguns brasileiros afirmam que a tarefa de batizar os filhos já não é tão dotada de ousadias quanto antes. Ruy Castro, colunista de jornal, observou recentemente que nomes melodiosos como Eustáquio, Pancrácio, Hermenegilda e Hilária atualmente só são encontrados em lápides.

Outros alertam que a prática de atribuição de nomes de batismo esdrúxulos aos filhos já foi longe demais e que é necessário estabelecer limites.

“Nós chegamos ao ponto em que precisamos disparar o alarme”, disse Osny Machado Neves, 73, advogado que trabalhou durante mais de 35 anos em um cartório. Espantado com os nomes com os quais ele se deparou ao longo da carreira, Neves compilou cerca de 8.000 deles em um livro.

“Às vezes, os pais não compreendem o trauma que estão provocando em seus filhos”, disse Neves, citando nomes como Colapso Cardíaco.

Fontes de inspiração variam enormemente. José Miguel Porfirio, um acordeonista de Recife, batizou seus três filhos de Xerox, Autenticada e Fotocópia, palavras que ele viu em um aviso afixado na parede de um cartório civil.

E também há Petroswickonicovick Wandeckerkof da Silva Santos, 12, um prodígio do futebol que começou a treinar no Corinthians, um dos principais times do Brasil. Mesmo em um país cheio de nomes extraordinários, o primeiro nome do menino, com 19 letras, e seu primeiro sobrenome, com 12, causaram muita surpresa.

O rapaz disse que levou algum tempo para aprender a pronunciar seu próprio nome. Seu pai, José Ivanildo dos Santos, um técnico de futebol, foi questionado repetidas vezes sobre sua escolha.

“A mulher do cartório me disse que o nome era horrível e me chamou de louco”, disse Santos, em entrevista transmitida pela TV. “Mas eu disse a ela que o nome do meu filho seria do jeito que eu queria”.

Tradutor: Cláudia Gonçalves

Categorias: Quizzes and other curious stuff | Deixe um comentário

Natal e…matemática??


Matemáticos criam fórmula de trigonometria para fazer decoração perfeita da árvore de Natal

Matemáticos da Universidade de Sheffield, na Grã-Bretanha, conseguiram uma solução para aqueles que debatem sobre como decorar a árvore de Natal perfeita.

A Sociedade de Matemática da universidade aceitou o desafio de decorar uma árvore de forma que as folhas verdes e o brilho estivessem em proporção harmoniosa, evitando que ficasse sem graça ou espalhafatosa.

Em sua tentativa, chegaram à seguinte fórmula: para o número ideal de bolas, extraia a raiz quadrada de 17, divida o resultado por 20 e multiplique pela altura da árvore em centímetros.

Para o comprimento da fita decorativa (festão), que envolve os galhos, multiplique 13 por Pi (3,1415), divida o resultado por 8 e então multiplique pela altura da árvore; já para o comprimento das luzes, multiplique Pi pela altura da árvore. O tamanho (em centímetros) da estrela ou do anjo que ficam no topo da árvore, é preciso dividir a altura da árvore por 10.

“Por exemplo, uma árvore de Natal de 180 centímetros (1,8 metro) precisaria de 37 bolas, cerca de 919 centímetros de festão e 565 centímetros de luzes. E seria necessário um anjo ou estrela de 18 centímetros para arrematar a decoração perfeita”, destacou a universidade.

Para aqueles que se interessaram na fórmula, mas preferem um jeito mais fácil de descobrir a proporção mais adequada para sua decoração natalina, a universidade disponibiliza uma calculadora fácil de usar no seu site.

Categorias: Quizzes and other curious stuff | Tags: , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Titília e o Demonão *rs*


Meu amor
Minha Titília

Eu já não namoro a ninguém depois que lhe dei minha palavra de honra, e assim não lhe mereço teus ataques. E quanto a dizer-me que lhe não dei parte de ter ido a Botafogo tu engana-se, pois à noite eu lhe disse (por tal sinal) que tinha ido com a Imperatriz no carro e a passo. Sinto infinito depois de tanto tempo de prova mecê ache ainda capaz de lhe fazer traições e infidelidades

Este que se considera e afirma ser seu amante fiel, constante, desvelado, agradecido e verdadeiro

O Imperador

O romance entre dom Pedro 1º e Domitila de Castro, a marquesa de Santos, é um dos relacionamentos mais notórios da história do Brasil. Segundo Paulo Rezzutti, arquiteto, urbanista e pesquisador da história de São Paulo, o namoro não era muito diferente do que seria hoje.

“Dom Pedro teve muitas mulheres, mas somente ela durou tanto tempo”, disse Rezzutti em entrevista à Livraria da Folha. “Inclusive ele foi amante da irmã da Domitila. Ele conseguiu ser amante da irmã da amante”.

Rezzutti, durante as pesquisas para escrever a biografia “Domitila: A Verdadeira História da Marquesa de Santos”, em 2010, encontrou 94 cartas de d. Pedro 1º à marquesa. As missivas, escritas entre 1823 e 1827, estavam guardadas no Hispanic Society of America, um museu de Nova York dedicado à história de espanhóis, portugueses e latino-americanos.

Esses registros formam publicados em 2011, no livro “Titília e o Demonão”. Quase todos eram assinadas pelo imperador como “fiel, constante, desvelado, agradecido amante”.

Para manter o interesse de d. Pedro 1º, Domitila conhecia a técnica oriental de contração dos músculos circunvaginais chamada de pompoarismo. “A carta que eu descobri da própria irmã dela, a baronesa de Sorocaba, contando, já aos 60 anos de idade, a respeito de pompoarismo. Tanto ela quanto a marquesa conheciam o pompoarismo, sabiam o que era o pompoarismo”.

Casado com d. Leopoldina, princesa austríaca importada da Europa, o imperador não refreava seus instintos sexuais. Domitila se tornou sinônimo de devassidão, cercada de escândalos e relatos de abuso de mordomias do império.

Para outros, ela é uma benfeitora da cidade de São Paulo. Mulher que estimulou a cultura, protegeu os doentes e famintos e supostamente doou o terreno para a construção do cemitério da Consolação, no qual está enterrada.

Em “Domitila: A Verdadeira História da Marquesa de Santos”, Rezzutti, que esteve presente como consultor na exumação da família real, procura evitar o maniqueísmo que envolve a nobre. “Marquesa dos santos ou dos demônios?”, escreve no livro.

Marquesa de Santos foi esfaqueada pelo marido; veja livro

Domitília de Castro Canto e Mello, a marquesa de Santos, não era uma beldade. Sua fama atravessou quase dois séculos graças, principalmente, a seu caso extraconjugal com o imperador d. Pedro 1º. Ela se envolveu em diversos escândalos e, por sua infidelidade, chegou a ser agredida pelo marido.

“Certo pendor para a gordura, três partos, cicatrizes, um rosto fino e comprido, aceso pelo olhar moreno. Domitília, mãe de três filhos e acusada de adultério, foi esfaqueada pelo marido quando voltava às escondidas para casa. Toda a cidade conhecia as escapadelas da futura marquesa. A fama envergonhava sua família”, conta Mary del Priore em “Histórias Íntimas”.

A autora aponta que esse foi um período de devassidão e hipocrisia. “A história de amantes prolonga, sem dúvida, um movimento que existia há séculos. A diferença é que a simples relação de dominação –como a que houve entre senhores e escravas durante o período colonial– deu lugar a uma relação venal, que o cinismo do século tingiu de cores da respeitabilidade. Por vezes, até apimentou com sentimentos. E o exemplo vinha de cima.”

A conduta do primeiro imperador também não era aprovada. Os Andrada, principalmente o “bom de copo” José Bonifácio, pensavam que a libertinagem comprometia a imagem internacional do país.

Mary também assina “Ancestrais: Uma Introdução à História da África Atlântica”“A Família no Brasil Colonial”“500 Anos Brasil: Histórias e Reflexões“Festas e Utopias no Brasil Colonial” e “Matar para Não Morrer” já venceu duas vezes o prêmio Casa Grande & Senzala e um Jabuti por obra de relevo em ciências sociais.

Categorias: Notícias e política, People, Quizzes and other curious stuff | Tags: , , , , , , , , | Deixe um comentário

Pés pequenos nem sempre são mais atraentes nas mulheres, diz estudo


Que absurdo este estudo! Absurdo, digo eu, absuuuuurdoooooo!!! 😛

Pés pequenos e delicados costumam ser considerados o ideal para mulheres na maior parte do mundo, mas uma tribo que vive no norte da Sumatra na Indonésia discorda disso.

Uma nova pesquisa revela que o povo Karo Batak, que vive em aldeias rurais na parte norte da ilha indonésia de Sumatra, considera as mulheres com pés grandes mais atraentes.

A descoberta vai contra a idéia de que a beleza tem “tamanho único” para os seres humanos e de que as noções do que é atraente estão de alguma forma determinadas no DNA humano, dizem os pesquisadores.

Em vez disso, “influências culturais e sociais locais desempenham um papel mais importante na escolha de um parceiro ou parceira do que alguns psicólogos evolucionistas estão dispostos a aceitar”, disse Geoff Kushnick, antropólogo da Universidade de Washington, num comunicado de imprensa da universidade.

Sua equipe acredita que a preferência dos Karo Batak por pés grandes está ligada à sua cultura rural e agrícola, bem como à sua distância da mídia ocidental.

Ao participar do estudo, um homem Karo Batak disse: “Por que alguém gostaria de uma mulher com pés pequenos? Como ela poderia trabalhar na plantação de arroz?”

Amostras

O estudo envolveu 159 adultos Karo Batak. Para cada um deles foram mostrados cinco desenhos de uma mulher descalça, com o cabelo comprido puxado para trás e usando uma camisa e uma saia até a metade da panturrilha. Os desenhos eram idênticos, exceto pelo fato de as mulheres desenhadas terem diferenças sutis no tamanho dos pés.

Os homens e mulheres que participaram do estudo avaliaram as mulheres com pés maiores como mais atraentes. As mulheres com pés menores, no entanto, foram consideradas menos atraentes.

Isso é contrário à preferência geral por pés menores nas mulheres, que se estende por muitas sociedades, incluindo Irã, Lituânia, Brasil, Estados Unidos e Índia.

Mas a preferência não é universal – os pesquisadores observaram que as pessoas no Camboja, Papua Nova Guiné e Tanzânia também preferem mulheres com pés maiores. Este tipo de preferência pareceu mais prevalente nas sociedades rurais com menos acesso à mídia ocidental.

Ampliar

A variedade de preferências contraria a noção de aspectos “universais” de atratividade que alguns dizem ser “inerentes aos seres humanos e que evoluíram dezenas de milhares de anos atrás”, diz Kushnick. A nova pesquisa sugere que a cultura local “pode superar as preferências inatas”, diz ele.

“O estudo oferece mais provas do potencial que a cultura tem para dirigir a evolução humana”, acrescentou. “Uma vez que as preferências na escolha de um parceiro determinam a seleção sexual, é possível que as diferenças entre homens e mulheres no tamanho relativo dos pés sejam produto da evolução recente.”

O estudo foi publicado em 30 de maio na revista “Human Nature”. A Associação Psicológica Norte-Americana fornece mais informações sobre atratividade.

Categorias: People, Quizzes and other curious stuff | Tags: , , , , , , , | 5 Comentários

Palavrão


Aaaah, que pena!!!

Com 63 letras, palavra mais longa da língua alemã é extinta

Vocábulo designava lei sobre exame de carne bovina da época da doença da vaca louca. UE recomendou abolição

A língua alemã, conhecida por seus substantivos gigantes e teoricamente infinitos, perdeu dua palavra mais longa: a até então campeã “Rindfleischetikettierungsüberwachungsaufgabenübertragungsgesetz” não existe mais.

Abreviada para RkReÜAÜG, a palavra de 63 letras significa “a lei concernente à delegação de deveres para a supervisão de marcação de gado e etiquetação de bife” (aqui). Ela havia sido criada em 1999, durante a crise da chamada doença da vaca louca e foi reconhecida somente oito anos depois, quando “Grundstücksverkehrsgenehmigungszuständigkeitsübertragungsverordnung” (“regulação governando a delegação de autoridade concernente à permissões de transferências de propriedades”), de 67 letras, foi aposentada.

Na semana passada, foi a vez de RkReÜAÜG. O Parlamento regional do estado de Mecklenburg Vorpommern seguiu a decisão da União Europeia de que o exame de rebanhos saudáveis à procura da doença não era mais necessário – e tampouco a palavra alemã.

Categorias: Quizzes and other curious stuff | Tags: , , , | Deixe um comentário

O Papalagui


Comentários de Tuiávii, chefe da tribo
Tiavéia nos mares do sul,
recolhidos por Erich Scheurmann

IV
As coisas em quantidade
empobrecem o
 Papalagui 

Reconhecereis também o Papalagui por seu desejo de nos convencer de que somos pobres, miseráveis e precisamos de muita ajuda e compaixão porque não temos as “coisas”. Vou contar-vos, amados irmãos das muitas ilhas, o que é uma coisa. O coco é uma coisa; o apanha-moscas, a tanga, a concha, o anel, o prato que se come, o enfeite que se põe na cabeça, tudo isso são coisas. Mas há duas espécies de coisas. Há coisas que o Grande Espírito é que faz, sem ninguém, que não custam esforço nem trabalho algum, como o coco, a concha e a banana. E há coisas que são os homens que fazem, que custam muito trabalho e esforço: o anel, o prato, o apanha-moscas.

O álii, então, acha que nos faltam as coisas que ele próprio faz com as mãos, as coisas dos homens, pois nas coisas do Grande Espírito ele não pensa. Ora, quem é mais rico, quem mais do que nós tem as coisas do Grande Espírito? Olhai em volta, olhai longe, longe, até onde a borda da terra sustenta a abóbada azul. Tudo está cheio de grandes coisas: a floresta virgem com seus pombos selvagens, os colibris e papagaios, a lagoa com suas holotúrias, conchas, lagostas, e outros bichos aquáticos, a praia com seu claro semblante e a pele macia da areia, a grande água, capaz de enfurecer-se como um guerreiro e sorrir como uma taopu; a imensa abóbada azul, que a toda hora se transforma, carregada de grandes flores que nos dão luz dourada e prateada. Por que é que havemos de ser loucos a ponto de querer mais coisas além das belas coisas do Grande Espírito?

Jamais poderemos criar como ele cria porque o nosso espírito é por demais pequeno e fraco em comparação com o poder do Grande Espírito. A nossa mão é fraca demais comparada com a sua grande e poderosa mão. Tudo quanto fizermos será medíocre; nem vale a pena falar disso. Podemos alongar com um pau o nosso braço, aumentar o oco da nossa mão com uma tanoa (1). mas não há Samoano nem Papalagui capaz de fazer uma palmeira nem o tronco de uma kava.

O Papalagui acredita, decerto, que pode fazer coisas assim porque se julga tão forte quanto o Grande Espírito. É por isto que milhares e milhares de mãos, da manhã à noite, não fazem mais do que fabricar coisas: coisas humanas que não sabemos para que servem e cuja beleza não percebemos. E o Papalagui está sempre procurando inventar mais coisas novas. Com as mãos febris, o rosto cor de cinza, as costas curvas, seu olhar se ilumina de alegria quando consegue fazer uma coisa nova. E todos logo querem ter a nova coisa; adoram-na, contemplam-na, cantam-na em sua língua.

Ó irmãos, acreditai no que vos digo: ocultei-me atrás dos pensamentos do Papalagui e vi o que ele quer, como se o iluminasse o sol do meio-dia. Destruindo, onde quer que vá as coisas do Grande Espírito, o Papalagui com sua própria força pretende dar vida, novamente, àquilo que matou, convencendo-se assim de que é o Grande Espírito porque faz muitas coisas.

Irmãos, imaginai que de repente venha a grande tempestade, arrancando a floresta virgem com as suas montanhas, com toda a folhagem e todas as árvores, levando todos os animais da lagoa, não deixando sequer uma flor de hibisco para que nossas moças enfeitem seus cabelos. Que tudo quanto vemos desapareça, mais nada reste além da areia: que a terra fique parecendo uma mão chata, estendida, ou um morro pelo qual escorreu a lava ardente -todos nós teremos saudades da palmeira, da concha, da floresta, de tudo teremos saudades. Lá onde estão as cabanas dos Papalaguis, os lugares que chamam cidades, lá, no entanto, a terra está deserta tal qual uma mão vazia e, por isto, o Papalagui fica louco, imagina ser o Grande Espírito, a fim de esquecer o que não tem. Porque está muito pobre, porque a sua terra está muito triste, o Papalagui pega nas coisas, ajunta-as, feito o doido que ajunta folhas murchas e com elas enche a sua cabana. Mas é também por isto que nos inveja e deseja que fiquemos tão pobres quanto ele.

Mostra que é muito pobre aquele que precisa de coisas em quantidade porque, assim, prova que lhe faltam as coisas do Grande Espírito. O Papalagui é pobre porque é obcecado pelas coisas, sem as quais já não consegue viver. Quando do dorso da tartaruga faz uma ferramenta com que alisa os cabelos, depois de neles passar óleo, o Papalagui ainda faz uma pele para a ferramenta e para esta pele faz um pequeno baú e para o pequeno baú faz outro grande; tudo ele coloca em peles e baús. Tem baús para as tangas, para as roupas de cima e de baixo, para os panos com que se enxuga, com que limpa a boca, e outros panos mais; baús para as peles que põe nas mãos e para as peles que põe nos pés, para o metal redondo e o papel pesado, para as provisões de boca e para o livro sagrado, para tudo, para tudo mesmo. Ele faz muitas coisas quando apenas uma é suficiente, ele faz inumeráveis coisas. Se fores à cozinha do europeu, verás uma quantidade de pratos, tijelas, potes que nunca serão usados. E para cada comida há uma tanoa diferente, e mais outra para a água, para a kava européia, para o coco, para os pombos.

As cabanas européias têm tantas coisas que, mesmo se cada habitante de uma aldeia samoana enchesse suas mãos e seu braços, a aldeia inteira não bastaria para levá-las todas. Numa só cabana existem tantas coisas que a maioria dos chefes brancos precisam de muitos homens e mulheres que nada fazem senão pôr todas estas coisas nos lugares em que devem estar e limpá-las da areia que as cobre. E mesmo a taopu mais importante passa muito do seu tempo contando as muitas coisas que tem, arrumando-as, limpando-as.
Sabeis, irmãos, que não minto, que vos digo o que, em verdade vi, sem tirar, nem pôr. Podeis acreditar que existem, na Europa, homens que levam à própria fronte o cano de fogo para se matarem porque acham melhor morrer do que viver sem as coisas. Pois o Papalagui embriaga de todas as formas o seu espírito e se convence de que não pode viver sem as coisas, tal qual o homem não vive sem comida.

Foi por isto que jamais vi cabana na Europa onde pudesse deitar-me na esteira; onde alguma coisa não me impedisse de esticar os membros. Todas as coisas brilhavam como relâmpagos, todas berravam com a boca das suas cores, de tal forma que não conseguia fechar os olhos. Jamais consegui encontrar a verdadeira tranqüilidade, jamais fiquei tão desejoso de minha cabana de Samoa, onde nada mais tenho do que minhas esteiras e o rolo em que ponho a cabeça para dormir; onde nada me atinge senão o brando vento alísio do mar.

Quem poucas coisas tem julga-se pobre, sente-se triste. Não há Papalagui que cante, que seja alegre, se só tiver, como cada um de nós, apenas uma esteira e um prato. Os homens e as mulheres do mundo dos Brancos sofreriam em nossas cabanas e correriam a buscar madeira do bosque, carapaças de tartaruga, vidro, arame, pedras coloridas e muitas outras coisas; e poriam suas mãos em movimento, da manhã à noite, até que as suas casas se enchessem de coisas pequenas e grandes; coisas que se estragam com facilidade, que qualquer fogo, qualquer grande chuva tropical destrói, sempre obrigando a fazer outras novas.

Quanto mais se é europeu de verdade, de mais coisas se precisa. É por isto que as mãos do Papalagui estão sempre fazendo coisas. £ por isto que o rosto de muitos Brancos se mostra cansado e triste; é por isto que pouquíssimos dentre eles têm tempo para ver as coisas do Grande Espírito, para brincar na praça da aldeia, inventar e cantar canções alegres, dançar à claridade do sol e dar aos corpos a alegria para a qual todos fomos feitos (2).

Os Papalaguis precisam fazer coisas, precisam guardá-las. Elas se prendem e se agarram a eles como formiguinhas de areia. Os Papalaguis cometem crimes a sangue-frio para se apossarem das coisas. Guerreiam entre si, mas não é pela honra, nem para medir a sua força verdadeira; é só para ter as coisas.

No entanto, eles sabem quanto é pobre a vida deles; senão, não haveria tantos Papalaguis que são muito estimados porque passam a vida inteira mergulhando pêlos em líquidos de várias cores e com eles jogando belas imagens em esteiras brancas; copiando todas as bonitas coisas de Deus, com todas as nuances das cores, com toda a alegria sincera de que são capazes. Modelam também criaturas de barro mole, sem tanga, moças tão bonitas, com movimentos livres e tão belos quanto a taopu de Matautu ou formas de homens que brandem a clava, retesam o arco e perseguem o pombo selvagem na floresta: homens de barro para os quais o Papalagui constrói cabanas alegres, e vem gente de longe para visitá-los e apreciar sua divina beleza. Ficam todos parados olhando, embrulhados nas suas muitas tangas. Vi Papalaguis chorando de emoção ao contemplar tanta beleza, a beleza que eles mesmos perderam.

Os homens brancos gostariam de trazer para nós os seus tesouros, suas coisas, para que nós também fôssemos ricos. Estas coisas, no entanto, não são mais do que flechas envenenadas que matam aqueles em cujo peito se penduram. “Precisamos obrigá-los a ter necessidades”, ouvi da boca de certo homem que conhece a nossa terra. Necessidades, quer dizer, coisas. “Pois só assim eles terão verdadeiro gosto pelo trabalho”, disse então o homem inteligente. Queria dizer que nós também devemos pôr as nossas mãos a trabalhar, fazendo coisas; coisas para nós, sim, mas em primeiro lugar coisas para o Papalagui. Nós também devemos ficar cansados, cinzentos, curvados.

Irmãos das muitas ilhas, precisamos velar e ter juízo porque as palavras do Papalagui são doces como a banana, mas cheias de dardos escondidos, capazes de nos privar de toda luz e de toda alegria. Jamais nos esqueçamos de que só precisamos de poucas coisas além daquelas que são do Grande Espírito. Ele nos deu os olhos para ver as suas coisas; e para vê-las todas é preciso mais do que uma vida de homem. A boca do homem branco nunca disse maior inverdade do que esta: “As coisas do Grande Espírito não valem”. As coisas deles é que valem muito, é que valem mais. No entanto, as coisas dele que são tantas e tão relampejantes e cintilantes,que atraem e seduzem tanto e de tantas formas, até hoje não fizeram mais bonito o corpo do Papalagui, não lhe deram mais brilho aos olhos, não lhe fortaleceram o juízo.

Portanto, essas coisas de nada servem; o que o Papalagui diz, o que nos quer impor, é animado pelo espírito mau e seu pensamento é carregado de veneno.

Notas:
1. Recipiente de pau, com vários pés, onde se fabrica a bebida nacional.
2. As comunidades samoanas reúnem-se com muita freqüência para brincar e dançar. A dança pratica-se desde a adolescência. Cada aldeia tem suas canções e seu poeta. À tarde e à noite canta-se em todas as cabanas. É muito agradável tanto pela riqueza da língua em vogais quanto pela sensibilidade musical muito apurada dos insulares.

* * *

V
O Papalagui não tem tempo

O Papalagui gosta do metal redondo e do papel pesado; gosta de meter para dentro da barriga muitos líquidos que saem das frutas mortas, além da carne do porco e da vaca, e de outros animais horríveis; mas ele gosta, principalmente, daquilo que não se pode pegar e que, no entanto, existe: o tempo. Fala muito no tempo, diz muita tolice a respeito do tempo. Nunca existe mais tempo do que aquele que vai do nascer ao pôr do sol e, no entanto, isto nunca é suficiente para o Papalagui. O Papalagui nunca está satisfeito com o tempo que tem;e acusa o grande Espírito por não lhe ter dado mais. Chega a blasfemar contra Deus, contra a sua grande sabedoria, dividindo e subdividindo em pedaços cada dia que se levanta de acordo com um plano muito exato. Divide o dia tal qual um homem partiria um coco mole com uma faca em pedaços cada vez menores. Todos os pedaços têm nome: segundo, minuto, hora. O segundo é menor do que o minuto, este é menor do que a hora; juntos, minutos e segundos formam a hora e são precisos sessenta minutos e uma quantidade maior de segundos para fazer o que se chama hora.
É uma coisa complicada que nunca entendi porque me faz mal estar pensando mais do que é necessário em coisas assim pueris. Mas o Papalagui disso faz uma ciência importante: os homens, as mulheres, até as crianças que mal se têm nas pernas usam na tanga, presa a correntes grossas de metal, ou pendurada no pescoço, ou atada com tiras de couro ao pulso, certa pequena máquina, redonda, na qual lêem o tempo, leitura que não é fácil, que se ensina às crianças, aproximando-lhes do ouvido a máquina para diverti-las.
Esta máquina, fácil de carregar em dois dedos, parece-se por dentro com as máquinas que existem dentro dos grandes navios, que todos vós conheceis. Mas também existem máquinas do tempo grandes e pesadas, que se colocam dentro das cabanas, ou se suspendem bem alto para serem vistas de longe. Para indicar que passou uma parte do tempo, há do lado de fora da máquina uns pequenos dedos; ao mesmo tempo, a máquina grita e um espírito bate no ferro que está do lado de dentro. Sim, produz-se mesmo muito barulho, um grande estrondo nas cidades européias quando uma parte do tempo passa.

Ao escutar este barulho, o Papalagui queixa-se: “Que tristeza que mais uma hora tenha se passado”. O Papalagui faz, então, uma cara feia, como um homem que sofre muito; e no entanto logo depois vem outra hora novinha.
Só consigo entender isso pensando que se trata de doença grave. “O tempo voa!”; “O tempo corre feito um corcel!”; “Dêem um pouco mais de tempo”: são as queixas do Branco.

Digo que deve ser uma espécie de doença porque, supondo que o Branco queira fazer alguma coisa, que seu coração queime de desejo, por exemplo, de sair para o sol, ou passear de canoa no rio, ou namorar sua mulher, o que acontece? Ele quase sempre estraga boa parte do seu prazer pensando, obstinado: “Não tenho tempo de me divertir”. O tempo que ele tanto quer está ali, mas ele não consegue vê-lo. Fala em uma quantidade de coisas que lhe tomam o tempo, agarra-se, taciturno, queixoso, ao trabalho que não lhe dá alegria, que não o diverte, ao qual ninguém o obriga senão ele próprio. Mas, se de repente vê que tem tempo, que o tempo está ali mesmo, ou quando alguém lhe dá um tempo — os Papalaguis estão sempre dando tempo uns aos outros, é uma das ações que mais se aprecia — aí não se sente feliz, ou porque lhe falta o desejo, ou está cansado do trabalho sem alegria. E está sempre querendo fazer amanhã o que tem tempo para fazer hoje.

Certos Papalaguis dizem que nunca têm tempo: correm feito loucos de um lado para outro, como se estivessem possuídos pelo aitu; e por onde passam levam a desgraça e o pavor por terem perdido o seu tempo. É um estado horrível, esta possessão que não há médico que cure, que contagia muitos homens e os faz desgraçados.

Todo Papalagui é possuído pelo medo de perder o seu tempo. Por isso todos sabem exatamente (e não só os homens, mas as mulheres e as criancinhas), quantas vezes a lua e o sol saíram desde que, pela primeira vez, viram a grande luz. De fato, isso é tão sério que, a certos intervalos de tempo, se fazem festas com flores e comes e bebes. Muitas vezes percebi que achavam esquisito eu dizer, rindo, quando me perguntavam quantos anos tinha: “Não sei…” “Mas devias saber”. Calava-me e pensava que era melhor não saber.

Ter tantos anos significa ter vivido um número preciso de luas. É perigoso esta maneira de indagar e contar o número das luas porque assim se chega a saber quantas luas dura a vida da maior parte dos homens. Todos prestam muita atenção nisso e, passando um número muito grande de luas, dizem: “Agora, não vou demorar a morrer”. E então essas pessoas perdem a alegria e morrem mesmo dentro de pouco tempo.

Pouca gente há na Europa que tenha tempo, de fato; talvez ninguém mesmo. É por isto que quase todos levam a vida correndo com a velocidade de pedras atiradas por alguém. Quase todos andam olhando para o chão e balançando com os braços para caminhar o mais depressa possível. Se alguém os faz parar, dizem, mal-humorados: “Não me aborreças, não tenho tempo, vê se aproveitas melhor o teu.” Dá a impressão de que aquele que anda depressa vale mais e é mais valente do que aquele que anda devagar.
Vi um homem com a cabeça estourando, os olhos virados, a boca aberta feito a de um peixe agonizante, a cara passando de vermelha a verde, batendo com as mãos e os pés, porque um criado tinha chegado um pouquinho mais tarde do que prometera. Esse pouquinho era para ele um grande prejuízo, prejuízo irreparável. O criado teve de ir-se embora, o Papalagui expulsou-o e recriminou-o: “Roubaste-me tempo demais! Quem não presta atenção ao tempo não merece o tempo que tem!”

Só uma vez é que deparei com um homem que tinha muito tempo, que nunca se queixava de não tê-lo, mas era pobre, sujo, e desprezado. Os outros passavam longe dele, ninguém lhe dava importância. Não compreendi essa atitude porque ele andava sem pressa, com os olhos sorrindo, mansa, suavemente. Quando lhe falei, fez uma careta e disse, tristemente: “Nunca soube aproveitar o tempo; por isto, sou pobre, sou um bobalhão”. Tinha tempo, mas não era feliz.

O Papalagui emprega todas as forças que tem e todos os seus pensamentos tentando alongar o tempo o mais possível. Serve-se da água e do fogo, da tempestade, dos relâmpagos que brilham no céu para fazer parar o tempo. Põe rodas de ferro nos pés, dá asas às palavras que diz para ter mais tempo. Mas para que todo este  esforço?

O que é que o Papalagui faz com o tempo? Nunca compreendi bem embora pelos seus gestos e suas palavras, ele sempre tenha me dado a impressão de alguém a quem o Grande Espirito convidou para um fono.

Acho que o tempo lhe escapa tal qual a cobra na mão molhada, justamente porque o segura com força demais. O Papalagui não espera que o tempo venha até ele, mas sai ao seu alcance, sempre, sempre, com as mãos estendidas e não lhe dá descanso, não deixa que o tempo descanse ao sol. O tempo tem de estar sempre perto dele, cantando, dizendo alguma coisa. Mas o tempo é quieto, pacato, gosta de descansar, de deitar-se à vontade na esteira. O Papalagui não sabe perceber onde está o tempo, não o entende e é por isto que o maltrata com os seus costumes rudes.

Ó amados irmãos! Nunca nos queixamos do tempo; amamo-lo conforme vem, nunca corremos atrás dele, nunca pensamos em ajuntá-lo nem em parti-lo. Nunca o tempo nos falta, nunca nos enfastia. Adiante-se aquele dentre nós que não tem tempo! Cada um de nós tem tempo em quantidade e nos contentamos com ele. Não precisamos de mais tempo do que temos e, no entanto, temos tempo que chega. Sabemos que no devido tempo havemos de chegar ao nosso fim e que o Grande Espírito nos chamará quando for sua vontade, mesmo que não saibamos quantas luas nossas passaram. Devemos livrar o pobre Papalagui, tão confuso, da sua loucura! Devemos devolver-lhe o verdadeiro sentido do tempo que perdeu. Vamos despedaçar a sua pequena máquina de contar o tempo e lhe ensinar que, do nascer ao pôr do sol, o homem tem muito mais tempo do que é capaz de usar.

* * *

VI
Deus ficou mais pobre
por causa do Papalagui

O Papalagui pensa de modo estranho e muito confuso. Está sempre pensando de que maneira uma coisa pode lhe ser útil, de que forma lhe dá algum direito. Não pensa quase nunca em todos os homens, mas num só, que é ele mesmo.

Quem diz: “Minha cabeça é minha, não é de mais ninguém”, está certo, está realmente certo, ninguém pode negar. Ninguém tem mais direito à sua própria mão do que aquele que tem a mão. Até aí dou razão ao Papalagui. Mas é que ele também diz: “A palmeira é minha”, só porque ela está na frente da sua cabana. É como se ele próprio tivesse mandado a palmeira crescer.

Mas a palmeira nunca é dele: nunca. A palmeira é a mão que Deus nos estende de sob a terra. Deus tem muitas mãos, muitas mesmo. Toda árvore, toda flor, toda grama, o mar, o céu, as nuvens que o cobrem, tudo isso são mãos de Deus. Podemos pegá-las e nos alegrar, mas não podemos dizer: “A mão de Deus é minha mão”. £ o que, no entanto, diz o Papalagui. “Lau” em nossa língua quer dizer “meu” e também “teu”; é quase a mesma coisa. Mas na língua do Papalagui quase não existem palavras que signifiquem coisas mais diversas do que “meu” e “teu”.

Meu é apenas, e nada mais, o que me pertence; teu é só, e nada mais, o que te pertence. £ por isto que o Papalagui diz de tudo quanto existe por perto da sua cabana: “É meu”. Ninguém tem direito a essas coisas, senão ele. Se fores à terra do Papalagui e alguma coisa vires, uma fruta, uma árvore, água, bosque, montinho de terra, hás de ver sempre perto alguém que diz: “Isto é meu! Não pegues no que é meu!” Mas se pegares, te chamarão gatuno, o que é uma vergonha muito grande, e só porque ousastes tocar num “meu” do teu próximo. Os amigos deles os servos dos chefes mais importantes te põem correntes, te levam para o fale pui pui (1) e serás banido pela vida inteira.

Para ninguém pegar em coisas que o outro declarou como suas, determina-se com exatidão, por meio de leis, o que pertence e o que não pertence a certa pessoa. E existem, na Europa, homens que mais não fazem do que impedir que estas leis sejam violadas, ou seja, im pedir que se tire do Papalagui aquilo que ele pegou para si. Desta forma, o Papalagui quer dar a impressão de que, realmente, garantiu um direito, como se fosse Deus quem lhe tivesse definitivamente cedido o que tem; como se, de fato, pertencesse a ele e não a Deus, a palmeira, a árvore, a flor, o mar, o céu com as suas nuvens.

O Papalagui precisa fazer leis assim e precisa ter quem lhe guarde os muitos “meus” que tem, para que aqueles que não têm nenhum ou têm pouco “meu” nada lhe tirem do seu “meu”. De fato, enquanto há muitos pegando muitas coisas para si, há também muitos que nada têm nas mãos. Nem todos sabem os segredos, os sinais misteriosos com os quais se consegue ter muitas coisas; é necessário que se tenha uma coragem especial, que nem sempre se concilia com o que chamamos “honra”. Até pode ser que aqueles que pouco têm nas mãos (porque não querem ofender a Deus, porque não lhe tiram nada) sejam os melhores de todos os Papalaguis. Mas são poucos, certamente.

Quase todos furtam de Deus sem sentir vergonha. Nem sabem fazer outra coisa. Nem sabem, muitas vezes, que estão fazendo mal porque todos fazem a mesma coisa, e nem pensam nisso, e nem se envergonham. Há uns que recebem o seu “meu” (e é muito) das mãos do pai, no momento em que nascem. Em todo caso Deus quase nada mais tem, os homens lhe tiraram quase tudo, tudo transformaram em “meu” e “teu”. Deus já não pode repartir igualmente a todos o seu Sol, que foi feito para todos, porque há uns que dele gozam mais do que os outros.

Muitas vezes, só um pequeno número de Papalaguis aproveita os belos e grandes lugares ensolarados, enquanto muitos ficam na sombra e só recebem alguns fracos raios de sol. Deus já não pode se alegrar verdadeiramente, pois já não é o mais alto álii sili (2) em sua grande casa. O Papalagui renega-o quando diz: “Isto é meu”. Mas ele não se dá conta disso, por mais que pense. Pelo contrário, declara que o que faz é honesto e justo; mas é desonesto e injusto perante Deus.

Se pensasse direito, o Papalagui saberia que coisa alguma que não sejamos capazes de segurar nos pertence; saberia que, no fundo, nada há que possamos segurar. E também veria que se Deus nos deu a sua grande casa é para que todos nela encontrassem lugar e alegria. E ela é bastante grande, tem para todos um lugarzinho claro, uma alegriazinha; para todos existe certamente onde ficar debaixo da palmeira, um lugar onde colocar os pés, onde parar. Como é que Deus havia de esquecer um dos seus filhos! E no entanto há tantos que procuram o lugarzinho que Deus lhes destinou!

O Papalagui não ouve o mandamento de Deus e se dá o direito de fazer suas próprias leis; por isto é que Deus lhe manda muitos inimigos da propriedade. Manda-lhe a umidade e o calor para destruir o seu “meu”, manda-lhe a velhice, deixa que ele se desfaça, que apodreça. E mais ainda: dá ao fogo e à tempestade o poder de destruir-lhe os tesouros. Principalmente, no entanto, põe-lhe na alma o medo, medo de perder aquilo de que se apossou. O sono do Papalagui nunca é de fato profundo: precisa estar sempre de vigília para que não lhe seja tirado, de noite, o que juntou durante o dia. O Papalagui precisa estar sempre com as mãos e o pensamento segurando o que é “meu”. E como o “meu” o atormenta, sem parar, escarnecendo-o e dizendo-lhe: “Já que me tiraste de Deus, castigo-te, mando-te todos os sofrimentos”!

Mas castigo muito pior do que o medo Deus impôs ao Papalagui.

Impôs-lhe a luta entre os que só têm um pequeno “meu”, ou nenhum, e os que se apossaram de um grande “meu”. É luta acesa, dura, que persiste dia e noite; luta que todos têm de aturar, que a todos corrói a alegria de viver. Os que têm são obrigados a dar, mas coisa alguma dão; os que nada têm querem ter, mas coisa alguma ganham. Também estes são raramente animados pelo zelo divino: é que chegaram cedo ou tarde demais para roubar, ou foram por demais inábeis, ou não tiveram oportunidade. São pouquíssimos os que pensam que Deus é quem foi roubado. E é raro ouvirem a voz do homem justo. que manda devolver tudo a Deus.

Ó irmãos, que é que pensais do homem cuja cabana é tão grande que dá para uma aldeia inteira e que não oferece ao viajante o seu teto por uma noite? Que é que pensais do homem que tem um cacho de bananas nas mãos e não dá uma só fruta a quem, faminto, ávido, lhe pede? Vejo a zanga nos vossos olhos, o maior desprezo nos vossos lábios. E vede que é isso que o Papalagui faz a todo momento. E mesmo que tenha cem esteiras nenhuma dá ao que nenhuma tem. Pelo contrário, acusa-o e censura-o por não ter. Pode estar com a cabana cheia de mantimentos até o alto, muito mais do que ele e sua aiga comem em 100 anos. Não sairá à procura dos que não têm o que comer, dos que estão pálidos de fome. E há muitos Papalaguis pálidos de fome.

A palmeira deixa cair as folhas e frutos que estão maduros. Mas o Papalagui vive como se a palmeira quisesse retê-los. “São meus! Não os tereis! Jamais deles comereis!” Mas como faria então a palmeira para dar novos frutos? A palmeira é muito mais sábia do que o Papalagui.

Também entre nós existem muitos que possuem mais do que outros. É certo também que honramos o nosso chefe que tem muitas esteiras, muitos porcos, mas é só a ele que honramos, e não às esteiras e aos porcos. Estas coisas fomos nós mesmos que lhe demos de presente, como alofa, para mostrar-lhe o nosso contentamento, para louvar a sua grande coragem, a sua grande inteligência. Mas o Papalagui o que honra são as esteiras e os porcos em quantidade que seu irmão possui; pouco lhe importa sua coragem ou sua inteligência. O irmão que não tem esteiras nem porcos poucas honras recebe, ou não recebe honra alguma.

 Como as esteiras e os porcos não vão por si mesmos à procura dos pobres e famintos, o Papalagui também não vê razão para levá-los aos seus irmãos. O que ele respeita não são os irmãos, mas sim, apenas, as esteiras e os porcos; daí porque os guarda para si. Se amasse os irmãos, se os honrasse, se não vivesse lutando com eles pelo “meu” e pelo “teu”, levar-lhes-ia as esteiras que não usasse para que eles participassem desse grande “meu”. O Papalagui daria aos irmãos a sua própria esteira em lugar de atirá-los à noite escura.

Mas o Papalagui não sabe que Deus deu a palmeira, a banana, o taro precioso, todas as aves do bosque, todos os peixes do mar, para todos nós usufruirmos e sermos felizes; para todos e não apenas para uns poucos dentre nós, enquanto outros morrem de fome e passam dificuldades. Se Deus colocou muitos bens na mão de um homem foi para que repartisse com seu irmão; senão a fruta apodrece em sua mão. Deus estende a todos os homens as muitas mãos que tem e não quer que uns tenham mais do que os outros; nem que alguns digam: “O sol é para mim; a sombra, para ti”. O sol é para todos nós.
Se tudo estiver na mão justa de Deus, não haverá luta, nem miséria. O Papalagui, este astuto, quer-nos convencer de que nada a Deus pertence; pertence a cada um aquilo que consiga segurar na mão. Tapemos os ouvidos a quem diz estas sandices e pratiquemos a boa sabedoria: “A Deus tudo pertence!”

* * *

Notas:
1 Prisão
2 Senhor
Nota do Autor: Quem sabe que os indígenas de Samoa vivem na mais completa comunidade compreenderá o desprezo com que Tuiávii fala de nossa concepção de propriedade. Não existe em Samoa, realmente, o conceito de meu e teu no sentido em que o adotamos. Em todas as viagens que fiz, os nativos sempre partilhavam comigo, de modo absolutamente natural, o teto, as esteiras, a comida: tudo. Não foram raros os casos em que ouvi de um chefe estas palavras com que logo de início me saudava: “O que é meu é também teu.” Os insulares não conhecem a noção de furto, roubo, porque tudo pertence a todos; e tudo pertence a Deus.

Categorias: Quizzes and other curious stuff, Religion, Saúde e bem-estar | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Au au!


kkkkkkk

tumblr_mj0wnv8tRL1qzrlhgo5_500 tumblr_mj0wnv8tRL1qzrlhgo1_500 tumblr_mj0wnv8tRL1qzrlhgo3_r1_500 tumblr_mj0wnv8tRL1qzrlhgo4_500 tumblr_mj0wnv8tRL1qzrlhgo9_500 tumblr_mj0wnv8tRL1qzrlhgo6_500 tumblr_mj0wnv8tRL1qzrlhgo2_500 tumblr_mj0wnv8tRL1qzrlhgo8_500 tumblr_mj0wnv8tRL1qzrlhgo7_500 tumblr_mj0wnv8tRL1qzrlhgo10_500 tumblr_misu94OZs41rp53keo1_500

Categorias: Imagens/Images, Jokes, Photos, Quizzes and other curious stuff | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 3 Comentários

Images


602835_208191639318672_1345868813_n

482420_208173699320466_1326326394_n208382_199571116847391_1912405832_n

star fish in Bora Bora

539054_207768009361035_1827964026_n

69669_207759582695211_31019230_n

481920_208190959318740_116310436_n

Ethiopian opal geode.
540003_207758126028690_575316379_n 556634_207757046028798_556780213_n
An almost full-circle rainbow, seen at the Zambian side of the Victoria Falls
Image credit: Nicole Cambre / Rex Features

734080_207598166044686_1691656043_n

Irlanda
46728_207597389378097_1911122151_n
Hungria
602974_207596126044890_2057405701_n
South Ari Atoll, Maldives.
483005_207205492750620_1073125864_n
Velella
601338_207056402765529_1230376281_n
Eilean Donan Castle, Scotland.
601075_207054706099032_1102337859_n
Beautiful Rainbow cloud over the Himalayas
387598_205309289606907_65405431_n
The William Ricketts Sanctuary, Australia.
537198_205304456274057_532075870_n
The Wizard’s Hat of Bandon, Oregon
76369_205164742954695_1406859562_n
Glass Floor Ocean Cottage, The Maldives.
543999_205163822954787_1534090666_n

Amazingly beautiful lavender fields in Provence, France.
537367_204793902991779_1746471609_n
Corkscrew Falls, Hocking Hills, Ohio.
554346_204793669658469_2042480974_n

Natural Pool-Skradinski Buk-With Natural Waterfall,Krka National Park,Croatia.
601157_204792962991873_1243471320_n

Tree House Staircase, Ostego Lake, New York.
556615_204788872992282_1839668968_n
Centenary Wisteria in bloom in California. Its length is more than 150 meters, and the occupied area – 4000 square meters. meters. Weight exceeding 200 tons.
44732_204603026344200_634339366_n
Thermal baths inside a cave – Miskolc Tapolca, Hungary.
23415_204232746381228_1330647479_n
Pleneau Bay Iceberg, Antarctica.
205760_204231843047985_19636709_n

Forest Path, Warsaw, Poland.
19205_204230076381495_653658910_n

9th century Monastery of Tatev in southeastern Armenia.
64907_204228033048366_1442881928_n

Natural mineral hot spring pools Pammukale, Turkey.
196351_204057486398754_332161968_n

Mount Roraima, Venezuela – One of the oldest geological formations on Earth
.312484_203700246434478_2065975386_n

Kaya Mawa Resort, Lake Malawi, Africa!
269391_203697886434714_438869720_n

Wisteria sinensis in full bloom, Weinheim, Germany!
379183_203697399768096_1973411020_n

Anhumas Abyss where the sun rays touch the bottom of the ocean.
21993_203476396456863_1143912178_n

A spectacular view of the Milky Way, in Canterbury, New Zealand.
530628_203103556494147_162187937_n

Canada Lynx: The Ghost Cat of the North
523197_203102286494274_209625408_n

Chile, lightning flashes around the ash plume of the Puyehue-Cordon Caulle volcano chain near Entrelagos.
385242_203101463161023_709997543_n

Cephalonia Island, Melissani Cave – Greece.
419655_203100323161137_473599275_n

Le Moana Resort, Bora Bora island.
550057_203080139829822_1914636954_n
Purple tulips, Hyde Park, London, England.
14961_202398143231355_797012371_n

Neapolitan Mastiff named Hercules, is the biggest dog in the world.
184774_202396159898220_2106180647_n

Daigo Temple in Autumn ~ Kyoto, Japan.
558440_202148669922969_497467888_n

Dinning on water at Tahiti Islands.
528846_201606586643844_1663857414_n
Kayaking Glacier Bay, Alaska.
552929_201257370012099_68164795_n

Glacial Waterfall, Svalbard Islands, Norway.
25944_200801993390970_2106857841_n

Forest Portal, The Magic Woods, Brocéliande
via greyusper tumblr.
554446_200799746724528_1316336074_n

Bamboo Forest, Kyoto, Japan.
398160_200617426742760_1376578589_n

Green of Summer, Chamarande,France.
148355_200614486743054_1799447644_n

Cherry tree pond in Sakura, Japan.
149304_200601966744306_2059602218_n

Natural pool in Thassos, Giola Lagoon, Greece.
602774_200208823450287_592133248_n

The Crimson Forest in Gryfino, Poland.
543893_200205660117270_1476533441_n

Poland has a forest full of bent pine trees (Crooked Forest).
65808_200077003463469_873788858_n

Fascinating evening view of the Butchart Gardens located in Brentwood Bay, British Columbia, Canada.
252750_200051393466030_451682591_n
Mount Fuji, Japan.
537047_199760066828496_90715938_n

Old Mill, Black Forest, Germany.
549891_199758173495352_1447891172_n

Tidal Basin in Washington DC, USA.
394960_199569753514194_1898700844_n

Illuminated Sand Castle, Noosa, Australia.
603071_199242530213583_1208488102_n

Where the Caribbean meets the Atlantic in Eleuthera, Bahamas.
72499_198969300240906_659900379_n

Portaledges (hanging tents) at High Ropes Forest, Germany.
535411_198116530326183_2083636366_n

A fairytale tunnel in England – Time tunnel. There’s another

  • one like this in Stoke climsland Cornwall at a place called Rowden lane.
    543966_198114086993094_2057227676_n

    Tiny Real-Life Dragon Photographed in Indonesia!!No, this is not a photoshop trick. A Reddit user by the name of Biophilia_curiosus captured this insanely cool species of gliding lizard in Buton, Indonesia.According to Wikipedia, it’s called Draco volans, or the Flying Dragon. They are native to the southwest tropical forests of Asia and India, including Borneo and the Philippine Islands.In order to move from one place to another, Flying Dragons will spread the skin flaps along their abdomens and glide out of trees or from other high areas. When the Flying Dragon is about to take off, it will point its head toward the ground. Interestingly, they never glide when it is raining or when it is windy.
    396162_197913007013202_585016716_n

    Ik Kil, Yucatán, Mexico.
    75999_197117360426100_1471237259_n

    Castle Vischering, Germany.
    24426_197096673761502_1378730147_n

    Volcano, Iceland
    Photograph by Sigurdur Hrafn Stefnisson (National Geography Mag).
    76083_196975357106967_1120239831_n
    406159_196721383799031_1507842134_n

    The Cliffs of Moher are located at the southwestern edge of the Burren region in County Clare, Ireland.
    46104_196716917132811_653030473_n

    Northern Lights over a marsh landscape in Iceland.
    406137_196391213832048_528838744_n

    Renting a glass igloo in Finland to sleep under the northern lights is a great attraction!
    64919_196390573832112_1362793869_n
    lava flows touching the ocean – Hawaii, United States.
    734234_196389677165535_1058504772_n

    beautiful Algarve, Portugal.
    18992_196019790535857_213958522_n

    Ponthus Beech, Bretagne, France.
    602978_196018950535941_1230383347_n
    Bali’s Tanah Lot Sea Temple
    887_196017180536118_1519728529_n
    Lion RockFamous all over the world monument in Lucerne, Switzerland – the dying lion.
    It was carved into the rock in memory of the Swiss who heroically died in 1792, in the battle of Paris. The American writer Mark Twain called the sculpture a sad and touching images of stone.
    393140_195984707206032_1080202820_n
    Ice Architecture, China’s annual ice festival.
    427764_195638067240696_1754689907_n
    Malta, where the water is so amazingly clear that it looks like the boat is hovering.
    65811_195250970612739_789921658_n
    Hidden Beach
    Marieta Islands, Puerto Vallarta, Mexico
    217955_195249833946186_1065730147_n
    Forest house, Norway.
    406063_195234493947720_222050414_n
    Phugtal Gompa in south-eastern Zanskar, Ladakh, India.
    486265_194832650654571_1485983871_n
    Magic Winter in old Montreal, Canada.
    27314_194674117337091_581288366_n
    Meditating monks at Pongour Falls, the largest waterfall in Dalat, Vietnam.
    397698_194672827337220_1512075302_n
    Chile, Patagonia.
    207778_194379814033188_1369808390_n
    • Dunnottar Castle, Scotland
Categorias: Entertainment, Health and wellness, Hobbies, Imagens/Images, People, Photos, Quizzes and other curious stuff, Saúde e bem-estar, Several things!, Travel | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

Aurora

Uma imagem vale mil palavras, então...

Pedazos de miel en jaula

La existencia, la introspección y la experiencia

Filosofia Animada

Sitio Virtual onde se encontra o registro das práticas educacionais do Prof. Daniel Carlos.

throughdanielleseyes

Words, thoughts, and snapshots of life.

Dirty Sci-Fi Buddha

Musings and books from a grunty overthinker

BaileyBee

The Hive

Chairybomb

Honest Furniture Reviews

ricardo barros elt

Thinking and Living English

BA -VISUAL LESSON PLANS

for English teachers.

viralelt.wordpress.com/

Viral Videos for Higher Level ELT | Ian James | @ij64

Progressive Transit

For better communities and a higher standard of living...

Josh, Naked

A mental birthday suit

colossalvitality

Just another WordPress.com site

sindhuspace

Claiming the better half for women in a Man's World

Cybele's Haus of Digital Pain

kismetly crestfallen

Amanda Ricks

The People-First Digital Marketing Specialist.

CamiNique

Blog literário

wolf4915

Writing, Photography, Digital Art, Painting + News!

Le Blog BlookUp

Imprimez et transformez vos contenus digitaux, blogs et réseaux sociaux, en magnifiques livres papier sur blookup.com

Dr. Eric Perry, PhD

Psychology to Motivate | Inspire | Uplift

Jornal Acorda Getúlio

Os alunos fazem a escola

Kate Gale: A Mind Never Dormant

The life of a writer/editor

Biblioteca Florestan

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP

Photography Art Plus

Photography, Animals, Flowers, Nature, Sky

Vegan Children's Stories

Vegan Children's Stories

Cafe Book Bean

Talk Books. Drink Coffee.

marioprata.net

Site oficial do escritor Mario Prata

Eric Schlehlein, Author

(re)Living History, with occasional attempts at humor and the rare pot-luck subject. Sorry, it's BYOB. All I have is Hamm's.

Through Open Lens

Home of Lukas Kondraciuk Photography

OldPlaidCamper

The adventures of an almost outdoorsman...

PROVERBIA

"Crítica Social, Lírica y Narrativa"

Top 10 of Anything and Everything - The Fun Top Ten Blog

Animals, Gift Ideas, Travel, Books, Recycling Ideas and Many, Many More

gaygeeks.wordpress.com/

Authors, Artists, Geeks, Husbands

DaniellaJoe's Blog

crochet is my favorite fiber art and my goal is to become a real artist...