Saúde e bem-estar

Mudança


“Eu, hein! Não mudo nem de cidade, quanto mais de país!”

Ouvir isso da minha prima me fez pensar quantas vezes me mudei. Justo eu, que adora estabilidade! Me lembro de Interlagos. Depois, da casa antiga. Em seguida, mudamos para Presidente Epitácio. Guarulhos. Casa antiga de novo. Casa nova no lugar da antiga. Québec. Uberlândia. Casa nova-agora-já-ficando-antiga. E, finalmente, nosso apartamento. Primeiro, nós dois com uma porquinha. Depois, só nós dois. Depois, nós e o cachorrinho. Agora, nós e os dois bebês. E pensar que existem pessoas que passam 20, 40, 50 anos no mesmo país, na mesma cidade, no mesmo bairro…na mesma casa! E sempre sós. Ou com a(s) mesma(s) pessoa(s). Inconcebível pra mim. Deve ser legal…ou não?

Categorias: Myself, Saúde e bem-estar | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Notes on Writing Weird Fiction


By H. P. Lovecraft

My reason for writing stories is to give myself the satisfaction of visualising more clearly and detailedly and stably the vague, elusive, fragmentary impressions of wonder, beauty, and adventurous expectancy which are conveyed to me by certain sights (scenic, architectural, atmospheric, etc.), ideas, occurrences, and images encountered in art and literature. I choose weird stories because they suit my inclination best—one of my strongest and most persistent wishes being to achieve, momentarily, the illusion of some strange suspension or violation of the galling limitations of time, space, and natural law which for ever imprison us and frustrate our curiosity about the infinite cosmic spaces beyond the radius of our sight and analysis. These stories frequently emphasise the element of horror because fear is our deepest and strongest emotion, and the one which best lends itself to the creation of nature-defying illusions. Horror and the unknown or the strange are always closely connected, so that it is hard to create a convincing picture of shattered natural law or cosmic alienage or “outsideness” without laying stress on the emotion of fear. The reason why time plays a great part in so many of my tales is that this element looms up in my mind as the most profoundly dramatic and grimly terrible thing in the universe. Conflict with time seems to me the most potent and fruitful theme in all human expression.

While my chosen form of story-writing is obviously a special and perhaps a narrow one, it is none the less a persistent and permanent type of expression, as old as literature itself. There will always be a small percentage of persons who feel a burning curiosity about unknown outer space, and a burning desire to escape from the prison-house of the known and the real into those enchanted lands of incredible adventure and infinite possibilities which dreams open up to us, and which things like deep woods, fantastic urban towers, and flaming sunsets momentarily suggest. These persons include great authors as well as insignificant amateurs like myself—Dunsany, Poe, Arthur Machen, M. R. James, Algernon Blackwood, and Walter de la Mare being typical masters in this field.]

As to how I write a story—there is no one way. Each one of my tales has a different history. Once or twice I have literally written out a dream; but usually I start with a mood or idea or image which I wish to express, and revolve it in my mind until I can think of a good way of embodying it in some chain of dramatic occurrences capable of being recorded in concrete terms. I tend to run through a mental list of the basic conditions or situations best adapted to such a mood or idea or image, and then begin to speculate on logical and naturally motivated explanations of the given mood or idea or image in terms of the basic condition or situation chosen.

The actual process of writing is of course as varied as the choice of theme and initial conception; but if the history of all my tales were analysed, it is just possible that the following set of rules might be deduced from the average procedure:

(1) Prepare a synopsis or scenario of events in the order of their absolute occurrence — not the order of their narration. Describe with enough fulness to cover all vital points and motivate all incidents planned. Details, comments, and estimates of consequences are sometimes desirable in this temporary framework.
(2) Prepare a second synopsis or scenario of events — this one in order of narration (not actual occurrence), with ample fulness and detail, and with notes as to changing perspective, stresses, and climax. Change the original synopsis to fit if such a change will increase the dramatic force or general effectiveness of the story. Interpolate or delete incidents at will—never being bound by the original conception even if the ultimate result be a tale wholly different from that first planned. Let additions and alterations be made whenever suggested by anything in the formulating process.

(3) Write out the story—rapidly, fluently, and not too critically — following the second or narrative-order synopsis. Change incidents and plot whenever the developing process seems to suggest such change, never being bound by any previous design. If the development suddenly reveals new opportunities for dramatic effect or vivid storytelling, add whatever is thought advantageous—going back and reconciling the early parts to the new plan. Insert and delete whole sections if necessary or desirable, trying different beginnings and endings until the best arrangement is found. But be sure that all references throughout the story are thoroughly reconciled with the final design. Remove all possible superfluities—words, sentences, paragraphs, or whole episodes or elements—observing the usual precautions about the reconciling of all references.

(4) Revise the entire text, paying attention to vocabulary, syntax, rhythm of prose, proportioning of parts, niceties of tone, grace and convincingness or transitions (scene to scene, slow and detailed action to rapid and sketchy time-covering action and vice versa. . . . etc., etc., etc.), effectiveness of beginning, ending, climaxes, etc., dramatic suspense and interest, plausibility and atmosphere, and various other elements.

(5) Prepare a neatly typed copy—not hesitating to add final revisory touches where they seem in order.

The first of these stages is often purely a mental one—a set of conditions and happenings being worked out in my head, and never set down until I am ready to prepare a detailed synopsis of events in order of narration. Then, too, I sometimes begin even the actual writing before I know how I shall develop the idea—this beginning forming a problem to be motivated and exploited.

There are, I think, four distinct types of weird story; one expressing a mood or feeling, another expressing a pictorial conception, a third expressing a general situation, condition, legend, or intellectual conception, and a fourth explaining a definite tableau or specific dramatic situation or climax. In another way, weird tales may be grouped into two rough categories—those in which the marvel or horror concerns some condition or phenomenon, and those in which it concerns some action of persons in connexion with a bizarre condition or phenomenon.

Each weird story—to speak more particularly of the horror type—seems to involve five definite elements: (a) some basic, underlying horror or abnormality—condition, entity, etc.—, (b) the general effects or bearings of the horror, (c) the mode of manifestation—object embodying the horror and phenomena observed—, (d) the types of fear-reaction pertaining to the horror, and (e) the specific effects of the horror in relation to the given set of conditions.

In writing a weird story I always try very carefully to achieve the right mood and atmosphere, and place the emphasis where it belongs. One cannot, except in immature pulp charlatan–fiction, present an account of impossible, improbable, or inconceivable phenomena as a commonplace narrative of objective acts and conventional emotions. Inconceivable events and conditions have a special handicap to overcome, and this can be accomplished only through the maintenance of a careful realism in every phase of the story except that touching on the one given marvel. This marvel must be treated very impressively and deliberately — with a careful emotional “build-up” — else it will seem flat and unconvincing. Being the principal thing in the story, its mere existence should overshadow the characters and events. But the characters and events must be consistent and natural except where they touch the single marvel. In relation to the central wonder, the characters should shew the same overwhelming emotion which similar characters would shew toward such a wonder in real life. Never have a wonder taken for granted. Even when the characters are supposed to be accustomed to the wonder I try to weave an air of awe and impressiveness corresponding to what the reader should feel. A casual style ruins any serious fantasy.

Atmosphere, not action, is the great desideratum of weird fiction. Indeed, all that a wonder story can ever be is a vivid picture of a certain type of human mood. The moment it tries to be anything else it becomes cheap, puerile, and unconvincing. Prime emphasis should be given to subtle suggestion—imperceptible hints and touches of selective associative detail which express shadings of moods and build up a vague illusion of the strange reality of the unreal. Avoid bald catalogues of incredible happenings which can have no substance or meaning apart from a sustaining cloud of colour and symbolism.

These are the rules or standards which I have followed — consciously or unconsciously — ever since I first attempted the serious writing of fantasy. That my results are successful may well be disputed — but I feel at least sure that, had I ignored the considerations mentioned in the last few paragraphs, they would have been much worse than they are.

Source: http://www.hplovecraft.com/writings/texts/essays/nwwf.aspx

Categorias: Books/Livros, Entertainment, Health and wellness, Saúde e bem-estar | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Demorou, mas fiz!


Tem uma publicação neste blog, de abril de 2013, que é sempre uma das mais populares: a da receita da geléia de pimenta. Sempre tem alguém que a visualiza. Só não sei se alguém já tentou fazê-la na cozinha…

Pois bem! Demorou, mas lá fui eu outro dia testar meus dons culinários, bem como a eficácia – ou falta de! – da receita que peguei no site Yahoo (que já não está mais no ar, como atesta o link no post…).

Tinha umas frutas aqui em casa e na casa do meu irmão (que viajou) que iam estragar e estavam ficando velhas, então aproveitei que ia fazer um chutney com essas frutas (vide receita mais abaixo) e já mandei ver também na geléia. É extremamente fácil de fazer, e leva pouco tempo pra ficar pronta (o tanto de tempo pra você preparar os ingredientes, e mais 20 minutos no fogo).

Resultado: deu uns 240-250 gramas de geléia, e ficou linda. Da cor que está na figura da minha publicação! Só que ela ficou ardida demais para a maioria das pessoas (eu adoro, mas tomo copões d’água em seguida hahahahah). Então eu sugeriria colocaram apenas uma ou duas pimentas, ao invés das quatro sugeridas na receita original…(vou inclusive editar minha publicação com esta observação). NEM PRECISO dizer que tem que usar luvas na hora de picar as pimentinhas, certo??? Não façam como eu em outras ocasiões…cortei pimenta, muita pimenta. Não conseguia dormir por conta do ardor nas pontas dos dedos, tive que embeber algodão em leite e ir dormir assim. Em outra ocasião, lavei bem a mão, e assoei o nariz. Minha narina parecia uma fornalha de dragão! Outra vez cortei pimenta, lavei melhor ainda a mão…e cocei o canto do olho. Affff!!! Não adianta, é uma peste…por mais que você tenha cortado só uma reles pimenta, umazinha só, é suficiente pra que você se arrependa de não ter usado luvas de borracha-látex.

Outra coisa: não dá pra colocar na geladeira. Quer dizer, claro que dá, mas a geléia fica dura demais. Ela já é bem consistente e pegajosa, difícil de lidar. Quando colocada na geladeira, vira praticamente algo duro. Então a estou mantendo em temperatura ambiente, e tem dado certo. Pelo menos não estragou até agora (já faz uma semana). Comi com batata frita (delícia!!!), com arroz, com frango…dá muito certo com vários tipos de comida. Acho que só não dá certo se você passar no pão! *risos*

Quanto ao chutney, que ficou delicioso também e rendeu muuuuuuito!, tive que realizar alterações na receita. Enormes.

– Não coloquei uva-passa porque não tinha;
– não usei 500 gramas de maçãs nem de peras, usei as que tinha aqui, ou seja, 3 maçãs grandes e 6 ou 7 daquelas perinhas-mini (que são verdes e duras por fora mas estão maduras)
(por isso acho que o gosto do vinagre ficou mais forte do que era pra ser)
– não tinha açúcar mascavo aqui, então usei do normal;
– piquei 1 cebola e coloquei (na receita original nem tem nada de cebola), e espremi o suco de 1 laranja para tentar ver se quebrava o vinagre forte (mas deveria ter colocado mais uma ou duas laranjas!);
– ao invés de colocar a pimenta em flocos, coloquei 1 pimenta sem sementes picada.

A receita original é esta (vou copiar aqui, caso o link saia do ar no futuro):

Chutney de pera e maçã

Ingredientes

500 g de maçãs, descascadas e cortadas em cubinhos;
300 g de peras, descascadas e cortadas em cubinhos;
370 ml de vinagre de maçã;
20 g de gengibre finamente ralado;
200 g de uvas-passas brancas, picadinhas;
400 g de açúcar mascavo;
1 colher (chá) de sal;
1/2 colher (chá) de pimenta calabresa em flocos.

Modo de fazer

1 Coloque as peras e maçãs numa panela, juntamente com o vinagre, e cozinhe em fogo baixo, por 5-10 minutos, até que as frutas fiquem macias.
2 Adicione o gengibre, as uvas-passas e o açúcar e cozinhe por mais 5 minutos, até que os ingredientes fiquem bem incorporados. Tempere com sal e pimenta – tente encontrar um balanço entre o doce, o salgado e o picante.
3 Despeje o chutney ainda quente em potes de conserva esterilizados. Feche bem e deixe esfriar completamente.
4 Sirva o chutney como complemento de uma refeição leve, com um queijo picante, pão, peras e maçãs frescas.

Categorias: Hobbies, Myself, Saúde e bem-estar | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Variadas


Fui à mostra “O triunfo da cor” no Centro Cultural Banco do Brasil hoje, finalmente! Depois (sempre deixo pra depois, eu sei :P, e muitas vezes não funciona *rs*) escrevo mais detalhes, mas só digo uma coisa: meu andar favorito não foi o que tem Van Gogh, Cézanne nem Gauguin. Foi o terceiro andar, maravilhoso!!!! Vão lá ver, fica até 7 de julho e é muito bonita! E pode tirar foto sem flash com celular 🙂 Um dos meus quadros favoritos lá:

E este outro, Naufrage:

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Outro dia *alguém* me perguntou a respeito das festas juninas – essa pessoa achava que todo mundo faz festa aleatoriamente em junho apenas pra pular fogueira, soltar fogos, bater papo, comer e beber coisas gostosas e engordativas (o que não deixa de ser verdade também! hahahahhaha), e não sabia que neste mês há dias comemorativos de pelo menos 4 santos – a saber, São João, Santo Antônio, São Pedro e São Paulo. Se você se inclui no time dos que não sabiam que se tratava desses santos, favor ler esses links da Wiki! 😛

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Ainda preciso escrever sobre o filme Truman, que o gato “adorou” *rs* Assistimos durante o feriado (Páscoa? Não lembro…) quando estávamos em Santos. Finalmente um filme bom!!!

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Semana passada ensinei alguns palavrões básicos em Inglês durante a aula, por considerar que é essencial saber quando ou se você está sendo xingado numa língua que você não conhece direito…e, sobretudo, para que se possa responder à altura 😛 Tiraram foto da minha lousa, afff…espero que não dê processo depois!!! Todos maiores de idade na sala, claro!

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

…e por falar em maior de idade: descobri que a avó de um dos meus alunos tem 61 anos de idade. Minha mãe tem 63! Ele me disse que a mãe o teve aos 18 anos de idade – portanto, ela hoje tem 42 anos de idade. Ou seja, sou velha o suficiente para ter um filho cavalão de 17 anos de idade, que estaria prestando vestibular agora!!! Credo! Pior que isso: tenho aluno que nasceu em 2001. Nesses momentos eu realmente me sinto velha. Coroca. Afinal, me lembro nitidamente de tudo o que aconteceu em 2001 – estava no terceiro ano da faculdade, já dava aulas de Inglês…afff!!!

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Ultimamente (= nos últimos anos) tenho a mania de ler vários livros concomitantemente. Alguns às vezes ficam pra trás. Outros são lidos até o final. Atualmente, estou lendo ao mesmo tempo mais livros do que o normal. Vejamos…

The ocean at the end of the lane – Neil Gaiman – Comecei a ler ontem, durante a prova dos alunos! Estou na página 20 (letrinha pequeeeenaaa, arre!), mas já deu pra ver que vou ler rapidinho, e que é ótimo!

The Snow Queen and other winter stories – vários autores – comecei a ler em novembro do ano passado! Não levem a mal, as histórias são maravilhosas – tem coisas do Hans Christian Andersen (a história que dá título ao livro está aqui neste post), do Oscar Wilde, dos irmãos Grimm, tem histórias folclóricas anônimas, enfim…tem de tudo. Quis ler quando estava no verão, porque o calor era insuportável e, quando a narrativa é boa, ela tem o poder de me transmitir qualquer sensação térmica, independente do ambiente em que eu esteja. Por isso, leio coisas sobre o inverno no verão, e coisas sobre o calor no inverno 🙂 Quando faço o oposto, quase morro! *rs* Agora, vejam só, cá estamos no verão e ainda estou lendo. Ficou parado muito tempo, enquanto eu cuidava da Lilith…e me trazia memórias dela, por isso não quis mais pegar. Mas vou retomar agora. Estou na página 319, e não tem problema ler ao mesmo tempo que outros livros, pois são contos independentes (via de regra curtos…).

The Magicians – Lev Grossman – Comprei aleatoriamente meses atrás, baseando minha decisão na orelha! Nunca ouvi falar no autor ou no título.

Na capa estava escrito “Estreia em breve no Sy-Fy” (canal de televisão), mas procurei no canal e não achei nada. Esta semana, finalmente estreou a série na TV. Só vi os primeiros minutos, não deu tempo de assistir. Aí, resolvi tirar o livro da estante e começar a ler para comparar esses primeiros minutos da série com o livro. Claro que o livro é melhor, dã! 😛 Então vou ler (estou na página 63, comecei há dois dias. Vai ser rapidinho também), apesar de ser parte de uma trilogia, e eu não ter os outros 2 livros…ODEIO quando termino um livro e não tenho o restante para prosseguir!

(é o caso do livro Queen of the Tearling, que li ano passado e tô até agora esperando achar a continuação numa loja qualquer, mas pelo jeito vou ter que recorrer à internet…disseram também que os direitos autorais foram vendidos para o cinema, e que a Emma Watson faria o papel principal, mas até agora, não ouvi mais nada!)

(também preciso achar a continuação dos livros da Elle Casey! Sei que ela lançou pelo menos um que ainda não li, e deve lançar mais uns 2 ou 3…)

Best ghost stories – vários autores, excelente! Tem conto do Charles Dickens, do Sir Walter Scott, do Robert-Louis Stevenson, do Rudyard Kipling…espetacular! Alguns dão medinho, heheheh 🙂 Estou na página 171, e tampouco tem problema de ler junto com outras coisas porque, como a Snow Queen, é uma coletânea de contos, e quero mais é que dure bastante mesmo! 😀

– Mario de Sá Carneiro – Obra completa (volume único). – tem de tudo aqui! Poesia, prosa, correspondência, teatro. Estou na página 86, na parte de poesia. Bem sombrias, melancólicas e-ou nostálgicas. Estilo crise existencial, sabe? Me lembra Fernando Pessoa (ele mesmo e um de seus heterônimos hehehehe).

A quinta onda – Rick Yancey – Também parte de uma trilogia, mas consegui comprar as sequências (o terceiro comprei em Inglês por não achar em Português – o gato vai ter que se virar pra ler, tadinho!). Estou na página 30.

O gigante enterrado – Kazuo Ishiguro. Sou fã desse hómi! Ele é um autêntico japa-britânico *rs* Virei fã desde que li The remains of the day, e depois comecei a ler Never let me go (pois é, outro inacabado…). Comprei em português mesmo, porque não achei em Inglês. Depois até achei o original, mas tava caro! Tô na página 43, ainda boiando…ele não nos localiza direito nem no tempo, nem no espaço. E tem um lance estranho de perda coletiva de memória rolando! Vamos ver no que vai dar…tem uma resenha dele aqui, que fala que a história se passa na época Xis, mas só se der pra concluir mais tarde na narrativa, porque até onde li, não dá pra saber.

PS – esqueci de falar! Ano passado, li um livrinho do Tolkien pro qual eu não dava nada, Smith of Wooton Major. MUITO legal!!!!! Recomendadíssimo, para fãs e não-fãs do Tolkien! Mas é lógico que quem gosta de faerie vai curtir mais 😉

Categorias: Books/Livros, Entertainment, Food and drink, Hobbies, Myself, Religion, Saúde e bem-estar, Several things! | 1 Comentário

Final de semestre, teatro e outro livro


Alternando entre últimas aulas, revisões, provas e correção de provas. Fim inclusive do curso de R2 da São José – agora tem que entregar o relatório de estágio e das atividades complementares.

Falando nisso, ontem fomos (eu, o gato e a sogra) ver nosso amigo no teatro Ágora, na peça Tchekhovianas I (o bom é que vai ter uma II e uma III, êêêê!!!!). Por conta do doutorado e da minha mudança, foi a primeira peça que vi em anos (também quero ver a da Cia. do Latão! e a outra que está em cartaz no Ágora, O Grande Inquisidor), estava com muita saudade do teatro!

Chegamos lá (fica na Rua Rui Barbosa, 672) bem antes do início – mais ou menos 40 minutos -, pois não sabíamos com quanta antecedência deveríamos comprar os ingressos…aí ficamos admirando o jardinzinho interno que tem ali ao lado do saguão onde todos esperam o início dos espetáculos. Tinha 2 cachorros super simpáticos nos fazendo companhia, mas não descobrimos o nome deles *rs* Muito fofos!

Deu o horário, e nos chamaram para entrar. Sala pequena, escura, e um ator no mini-palco (nosso amigo, justamente). Já estava frio, mas a narração e a sonoplastia ampliaram consideravelmente nossa sensação térmica! *rs* Acabada esta primeira narração (como já devem ter percebido pelo nome, a peça tem por base contos do russo A. Tchekov 😉 ), a parede ao fundo se abre e revela outra cena – outros personagens, outra história, mesmo frio *rs*. Ao final dela, os espectadores são convidados a se mover para outra sala, e depois para outra ainda. Muito interessante! Todos os atores maravilhosos. Todos os contos idem (quem leu, sabe! Quem não leu, vá ao teatro! Quem não puder ir ao teatro, leia!).

E, claro, por trás de tudo tem o trabalho do diretor – no caso, um dos fundadores do Agora, Celso Frateschi (se nunca ouviram falar dele, ouçam :P). A peça fica em cartaz até 03 de julho. Corram!!!! Meros R$ 30 o ingresso inteiro (15 a meia-entrada! Mais barato que uma porcaria de refeição no McDonald’s!). Abaixo o texto oficial acerca da peça:

Em cartaz até 03 de julho.

O Núcleo de Pesquisa de Interpretação do Ágora teatro apresenta um projeto que busca investigar formas contemporâneas de se construir a cena e o trabalho do ator, partindo do estudo e criação de artistas interessados em pesquisar o teatro de característica narrativa. Neste primeiro momento, foram selecionados para o aprofundamento de pesquisa alguns contos de Anton Tchekhov que se relacionam em muitos aspectos da dramaturgia contemporânea.

Com direção de Celso Frateschi, o espetáculo “Tchekhovianas I” é a primeira edição de três apresentações diferentes que depois culminarão num espetáculo único, e apresenta quatro contos encenados isoladamente em diferentes espaços do teatro Ágora, onde o público será guiado em uma espécie de espetáculo itinerante. O conto “Uma Noite Terrível” se passa em uma sessão de espiritismo onde um homem recebe uma revelação assustadora. Em “Aniuta”, uma moça presta serviços aos estudantes em troca de moradia em uma pensão modesta. O conto “Do Diário de um Auxiliar de Guarda-Livros” revela registros do diário pessoal de um aspirante a Guarda Livros. E em “A Corista”, uma cantora recebe em sua casa a visita de uma mulher distinta e misteriosa.

Os quatro contos são o ponto de partida da primeira edição desse processo de caráter continuado.

Ficha técnica
Direção: Celso Frateschi
Cenários e Figurinos: Sylvia Moreira
Trilha Sonora: Daniel Maia
Desenho de Luz: Osvaldo Gazotti
Assistente de Cenários e Figurinos: Sofia Fidalgo
Assessoria de Imprensa: Daiane Nicoletti
Fotos: Gisela Schlögel

Atores do Núcleo de Pesquisa de Interpretação do Ágora:
Fernanda Cunha | Inês Soares Martins | Maria Cristina Vilaça | Olival Nóboa Leme | Rodrigo Melgaço | Roger Marinho Martin | Scylla Miziara

Espetáculo: Tchekhovianas I
Quando: De 11 de junho a 3 de julho
Sessões: sábados e domingos, às 17h
Classificação: 12 anos
Duração: 60 minutos
Quanto: R$30,00 (inteira) R$15,00 (meia)
Pontos de venda: Na bilheteria do teatro 01 hora antes do espetáculo
Capacidade: 20 pessoas por sessão
Onde: Ágora Teatro – Rua Rui Barbosa, 672 – Bela Vista
(11) 3284 0290 | agora@agorateatro.com.br | facebook.com/agoraCDT

 

Aí voltamos pra casa e comecei a ler Exorcismo, de Thomas B. Allen. Terminei hoje. É a história real por trás do filme O exorcista (aquele com a Linda Blair, da menina vomitando verde e girando a cabeça 360 graus), que causou pesadelo em muitas crianças *rs* Claro que não tem o apelo nem o sensacionalismo do filme, nem do livro do Blatty, mas é muito mais legal, justamente por relatar testemunhos de quem estava lá. Não se tratava de uma menina, e sim um menino (cujo nome real não é revelado, mas tratado pelo nome fictício Robert Mannheim), e o fato aconteceu em 1949. Tem inclusive, ao final do livro, as páginas do diário de um dos padres. Infelizmente, a tradução não foi das melhores, dá pra perceber erros básicos, mas mesmo assim é uma leitura bem interessante – tanto para quem acredita nesse tipo de fenômeno, como para quem se interessa por psicologia.

Categorias: Books/Livros, Entertainment, Health and wellness, Myself, People, Saúde e bem-estar, Several things! | Deixe um comentário

DOSSIÊ: GÊNERO, DIVERSIDADE E EDUCAÇÃO


Leiam aqui!

Categorias: Books/Livros, Health and wellness, News and politics, Notícias e política, People, Saúde e bem-estar | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Síndrome de burnout


Leonardo Aguiar , Médico e consultor Jolivi – CRM-SC: 9847

Atenção, caro leitor: perda de entusiasmo no trabalho pode ser um primeiro sinal de que você está no alvo de um transtorno sério, cada vez mais comum e que já invadiu os lares de todo o mundo.

Calma que eu explico. Com as novas relações trabalhistas em que o emprego é praticamente o seu sobrenome, em um mundo onde o crachá virou uma identidade e o seu valor é dado de acordo com as horas extras que você pratica, não é de se estranhar que, anualmente, milhares de pessoas adoecem por uma doença chamada “TRABALHO”.

Sim, leitor, quando os psiquiatras resolveram estudar um conjunto de sintomas que aparece em vários grupos profissionais, foi detectada a existência de uma síndrome chamada “Burnout”.

E o que é Síndrome de Burnout e o que ela difere da depressão?

Burnout ocorre quando o emprego em si é o maior risco ocupacional, sendo “o” responsável por um adoecimento caracterizado por sintomas variados (taquicardia, apatia, revolta, pânico, emagrecimento, ganho de peso, dores e a própria depressão).

Nestes casos, o posto de trabalho ocupa o papel de gatilho destes problemas físicos e emocionais, da mesma forma que o cigarro, o álcool e o sedentarismo fazem com a gente.

Bom, em janeiro deste ano, eu recebi um relatório americano dizendo que a Síndrome de Burnout chegou a níveis críticos nos EUA, e que nós, médicos, estamos no alvo deste problema.

Minhas pesquisas mostraram que o risco de suicídio entre os profissionais da medicina é iminente, e que são entre 300 e 400 médicos norte-americanos que tiram a vida todos os anos.

Mas fiquei pensando: este esgotamento que faz o trabalho ser o causador da doença dos médicos terá o mesmo impacto entre os professores, os advogados, os dentistas e os engenheiros?

Não estarão adoecendo pelo trabalho os lixeiros, os mecânicos, os operadores de telemarketing e os jornalistas?

Penso que chegamos em um momento de revisitação do conceito de trabalho e acho um ótimo tema para abordarmos depois deste 1º de maio, não?

A síndrome de Burnout é considerada um problema de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde (OMS) desde 1998.

Na revisão de literatura sobre o assunto realizada pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP), há a seguinte explicação para o batismo:

“O termo burnout é definido, segundo um jargão inglês, como aquilo que deixou de funcionar por absoluta falta de energia. Metaforicamente é aquilo, ou aquele, que chegou ao seu limite, com grande prejuízo em seu desempenho físico ou mental.”

Essa sensação de que “acabou a luz” realmente é muito comum de aparecer nos pacientes que frequentam o meu consultório, e confesso que, quando estava em um contexto de maior ansiedade e virei paciente, também sentia que meus órgãos e vontades estavam desligados.

7 casos por dia

O fato é que a coisa é tão séria que o nosso Ministério da Previdência, anualmente, registra pedidos de licenças trabalhistas de pessoas que adoeceram principalmente por causa de suas profissões, por meio de comprovações da perícia.

Vasculhei no banco de dados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e detectei que, apenas no ano passado, o estresse foi a CAUSA de 2.697 licenças trabalhistas maiores do que 15 dias, sendo considerado um acidente de trabalho.

Isso significa que, todo dia, 7 pessoas deixam seus postos de trabalho por causa da estafa adquirida na profissão.

Não só isso. Atrás da dor nas costas, a depressão é a principal doença ocupacional que, mensalmente, vitima entre 12 mil a 14 mil profissionais brasileiros.

Com tudo isso em mente, você pode pensar:

Mas Dr. Léo, me ajuda?

Se o cigarro me faz mal, a recomendação óbvia é parar de fumar, certo?

Se o mal é o álcool, eu tenho que parar de beber.

O açúcar me intoxica, então, eu mudo a alimentação.

Porém, nestes casos, quando o vilão é o trabalho, o que fazer?

Parar de trabalhar?

Recomendações e reconhecimento

Obviamente, “parar de trabalhar” não é uma recomendação que pode ser dada, em larga escala, para o resto da vida de uma pessoa que adoece por causa do trabalho.

(Adendo. Se você substituir nesta frase o “parar de trabalhar” por “tomar remédio” o sentido permanece o mesmo).

Claro que em algumas situações de descontrole absoluto, o afastamento momentâneo é uma necessidade.

Imagino, porém, que ninguém deseja que esta recomendação seja vitalícia, não é?

Entre criar uma legião de aposentados precoces por invalidez resultante do estresse ou promover uma reflexão e um ambiente de construção de uma nova relação com o trabalho, tenho muita convicção de que a opção 2 é melhor.

E para isso, primeiro, é preciso fazer um reconhecimento se o seu trabalho é tóxico e pode até te matar na segunda-feira.

Os sinais desta exaustão emocional trabalhista abrangem, conforme as pesquisas – sentimentos de desesperança, solidão, depressão, raiva, impaciência, irritabilidade, tensão, sensação de baixa energia, fraqueza, preocupação dilacerante.

Fisicamente, há aumento de dores de cabeça, náuseas, tensão muscular, dor lombar ou cervical, além dos distúrbios do sono (Cherniss, 1980a; World Health Organization, 1998).

Caso tenha rolado uma identificação com o conjunto de sintomas acima, então é a mensagem que fica é que é preciso mudar.

E não só mudar de emprego (até porque o mercado não anda para peixe), mas mudar, principalmente, a sua relação com trabalho.

E você pode fazer isso começando pela marmita e pela organização do seu tempo livre.

Mudança em ciclo

Digo isso porque foi o que funcionou para mim. E, nessa minha busca de uma relação de paz com o meu trabalho, entendi que os impactos são diretos nos meus pacientes.

Semana passada, partilhei (relembre aqui no Café com Saúde) como a ansiedade (uma das principais sequelas do Burnout) estava em várias áreas da minha vida, incluindo a profissão.

Esta situação comprometia não só a minha performance como médico, também interferia na mensagem de autocuidado que eu passava aos meus pacientes.

Por definição, ansiedade é um sentimento vago e desagradável de medo, apreensão, caracterizado por tensão ou desconforto derivado de antecipação de perigo, de algo desconhecido ou estranho.

E um médico ansioso, de alguma forma, repassa esse olhar ansioso para seus pacientes o que, para dizer o mínimo, pode comprometer a participação deles como protagonistas de seus tratamentos e de suas atitudes preventivas.

Talvez, por isso, os melhores futuristas da medicina já identificaram que, para melhorar a experiência do paciente, a saúde das populações e reduzir as despesas de saúde é preciso, invariavelmente, cuidar da saúde do médico.

O artigo “ From Triple to Quadruple Aim: Care of the Patient Requires Care of the Provider” – em tradução literal, algo como “De tripla para quádrupla preocupação: o cuidado do paciente requer cuidado com o provedor” –, de autoria dos médicos Christine Sinsky e Thomas Bodenheimer, aborda esta temática.

Então, toda vez que eu penso que domei a minha ansiedade e escapei das estatísticas da Síndrome de Burnout, eu lembro que isso me ajudou a cuidar melhor das pessoas.

O que funcionou para mim:

1) Pilates tão importante como o trabalho

Eu não falto em compromissos profissionais. Nunca. Então não falto no Pilates também. Dado que as minhas costas são minhas partes de choque da ansiedade – o que significa que as dores são os primeiros sinais de que estou muito ansioso – invisto em um exercício que me ajuda a gerenciar a respiração, o músculo e escoam o estresse.

A tensão muscular causada pelo estresse e ansiedade reduz a circulação de sangue nos tecidos e faz com que diminua a quantidade de oxigênio e nutrientes. Este processo leva ao cansaço e dor.

O Pilates, por sua vez, promove um caminho inverso, pois fortalece musculatura, melhora a oxigenação dos tecidos e faz com que os receptores das células fiquem mais aguçados para a ação dos nutrientes.

É literalmente um antídoto para a ansiedade, sem contar que exige a utilização do diafragma e da respiração, o que energiza e devolve a normalidade dos batimentos cardíacos.

2) Automassagens

As massagens já aliviam as tensões instantaneamente, e os alongamentos ajudam a prevenir e preparar o corpo para suportar essa carga trazida pelo estresse trabalhista.

Para quem ainda não começou no mundo dos exercícios, sugiro o bom e velho “espreguiçar”.

Reserve 5 minutos após acordar para esticar bastante os braços, alongar a coluna, vértebra por vértebra, alongar as pernas e o pescoço. Você desperta com mais disposição.

Além disso, invista na automassagem na hora de escovar os dentes. Com as pontas dos dedos indicador e médio, faça círculos nas bochechas, perto da região da boca, na ponta do nariz e na testa. Respire fundo durante este processo. Com calma e mentalizando as coisas boas que deseja para o dia.

Duvida que funciona? Testa e depois me conta no contato@jolivi.com.br.

3) Dopamina na marmita

Por fim, não poderia deixar de sugerir como primeiro passo a revisão da alimentação. A dopamina, também conhecida como molécula da disposição, é um ingrediente que precisa estar na marmita das pessoas que estão em situação de estafa, cansaço absoluto com o trabalho.

Este neurotransmissor nos empurra para a vontade de alcançar objetivos.

Grão de bico, vegetais verde-escuro (eu sou fã de couve), maçã, carnes magras e as frutas tipo berry são excelentes exemplos de indutores de dopamina.

O projeto Food and Mood (Comida e Humor, em tradução literal), desenvolvido na Inglaterra, mostrou que 26% das pessoas conseguem melhorar a sua sensação de disposição com alterações simples alimentares, diminuindo o açúcar, café e massas por frutas, chás naturais e peixes.

Um chocolate por uma maçã.
Um suco de caixinha por um natural de maracujá.

Me despeço hoje dizendo que óbvio que a Síndrome de Burnout tem causas múltiplas, impactos diversos e exige uma reversão gradual de posicionamento.

Mas os três primeiros passos descritos acima podem cumprir, exatamente, esta função. De serem os primeiros passos de uma mudança.

(este texto me foi enviado por email, mas pelo que consta, há páginas do autor nas redes sociais:

https://www.facebook.com/jolivisaude
Instagram Jolivi https://www.instagram.com/jolivi_saude
twitter jolivi https://twitter.com/jolivi_saude )

Categorias: Health and wellness, Saúde e bem-estar | Tags: , , , , , , , , | Deixe um comentário

Receita


Picadinho de carne ao curry com coco

3 cebolas
3 colheres (sopa) de manteiga
1 maçã grande em pedacinhos
1 berinjela picadinha
1 pimentão verde picadinho
1 1/2 kg de carne (patinho, alcatra ou outra)
1 colher (chá) de sal
3 colheres (sopa) de curry
1 garrafinha (200 ml) de leite de coco
1 tomate grande picado
1/3 xícara de uva-passa sem semente
Bacon frito a gosto
Amendoim torrado a gosto
Coco ralado a gosto

Modo de preparo

Preparo: 30mins › Cozimento: 2 horas › Pronto em: 2 horas 30 mins

1.Em uma panela, doure as cebolas na manteiga. Junte a maçã, a berinjela e o pimentão.
2.Coloque a carne, o sal, o curry e o leite de coco. Cubra com água (uns dois dedos).
3.Leve à fervura, depois reduza o fogo e cozinhe em fogo baixo por 2 horas aproximadamente.
4.Quando a carne estiver cozida, verifique o sal e junte o tomate em pedaços, a uva-passa, os pedacinhos de bacon frito, o amendoim e o coco ralado. Termine o cozimento e sirva quente.

Categorias: Food and drink, Health and wellness, Saúde e bem-estar | Tags: , , | Deixe um comentário

Aurora

Uma imagem vale mil palavras, então...

Pedazos de miel en jaula

La existencia, la introspección y la experiencia

Filosofia Animada

Sitio Virtual onde se encontra o registro das práticas educacionais do Prof. Daniel Carlos.

throughdanielleseyes

Words, thoughts, and snapshots of life.

Dirty Sci-Fi Buddha

Musings and books from a grunty overthinker

BaileyBee

The Hive

Chairybomb

Honest Furniture Reviews

ricardo barros elt

Thinking and Living English

BA -VISUAL LESSON PLANS

for English teachers.

viralelt.wordpress.com/

Viral Videos for Higher Level ELT | Ian James | @ij64

Progressive Transit

For better communities and a higher standard of living...

Josh, Naked

A mental birthday suit

colossalvitality

Just another WordPress.com site

sindhuspace

Claiming the better half for women in a Man's World

Cybele's Haus of Digital Pain

kismetly crestfallen

Amanda Ricks

Digital Marketing For People By People.

CamiNique

Blog literário

wolf4915

Writing, Photography, Digital Art, Painting + News!

Le Blog BlookUp

Imprimez et transformez vos contenus digitaux, blogs et réseaux sociaux, en magnifiques livres papier sur blookup.com

Dr. Eric Perry, PhD

Psychology to Motivate | Inspire | Uplift

Jornal Acorda Getúlio

Os alunos fazem a escola

Kate Gale: A Mind Never Dormant

The life of a writer/editor

Biblioteca Florestan

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP

Photography Art Plus

Photography, Animals, Flowers, Nature, Sky

Violet's Vegan Comics

Vegan Children's Stories

Cafe Book Bean

Talk Books. Drink Coffee.

marioprata.net

Site oficial do escritor Mario Prata

Eric Schlehlein, Author

(re)Living History, with occasional attempts at humor and the rare pot-luck subject. Sorry, it's BYOB. All I have is Hamm's.

Through Open Lens

Home of Lukas Kondraciuk Photography

OldPlaidCamper

The adventures of an almost outdoorsman...

PROVERBIA

"Crítica Social, Lírica y Narrativa"

Top 10 of Anything and Everything - The Fun Top Ten Blog

Animals, Gift Ideas, Travel, Books, Recycling Ideas and Many, Many More

gaygeeks.wordpress.com/

Authors, Artists, Geeks, Husbands

DaniellaJoe's Blog

crochet is my favorite fiber art and my goal is to become a real artist...